ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Conab e IBGE voltam a reduzir previsões para a colheita de grãos

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 11/03/2022

2 MIN DE LEITURA

0
0

Como reflexo da forte seca registrada na região Sul e no centro-sul de Mato Grosso do Sul nos últimos meses, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) reduziu novamente sua estimativa para a produção de grãos e fibras no país nesta safra em 2021/22.

A estatal passou a projetar a colheita total em 265,7 milhões de toneladas, 2,5 milhões a menos que o previsto no mês passado e com queda de 23 milhões de toneladas em relação ao cenário traçado no início do plantio.

Mesmo assim, o volume é 4% superior ao do ciclo 2020/21 e, se confirmado, representará um novo recorde, que até agora pertence à temporada 2019/20 (257 milhões).

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que também divulgou ontem suas novas projeções para a colheita de grãos deste ano, o total chegará a 261,6 milhões de toneladas, 3,8% abaixo do cálculo anterior mas com incremento de 3,3% sobre o volume registrado no ano passado.

“O clima adverso impactou de maneira expressiva as produtividades das lavouras de soja e milho de primeira safra”, justifica a Conab, em relatório. No caso da soja, a produtividade média das lavouras foi reduzida para 3.016 quilos por hectares, 14,4% menos que em 2020/21; no da safra de verão de milho a queda é de 5,5%, para 5.372 quilos por hectare.

Com a seca no Sul, a estimativa da Conab para a produção de soja caiu para 122,8 milhões de toneladas, com baixas de 2,2% ante a previsão de fevereiro e de 11,1% na comparação com o ciclo passado. Na região Sul, a produtividade média deverá ser 43% inferior à da temporada passada; em Mato Grosso do Sul, a redução tende a chegar a 28%. No Rio Grande do Sul, a estimativa para a quebra de safra é de quase 50%.

“As chuvas que ocorreram em fevereiro não conseguiram reverter os déficits hídricos anteriores. Em situação oposta, Mato Grosso, Goiás, São Paulo, Maranhão, Piauí e Tocantins estão com produtividades acima das obtidas na safra 2021/21”, informou a Conab.

No caso do milho, a projeção da Conab para as três safras foi mantida em 112,3 milhões de toneladas, 29% mais que no ciclo passado. Apesar das perdas no Sul, a primeira safra deve ter queda limitada (1,6%) ante 2020/21, para 24,3 milhões de toneladas.

A segunda safra, a mais importante para o cereal, deverá se recuperar do tombo do ano passado, também provocado por seca, e crescer 41,8%, para 86,1 milhões de toneladas. Em Estados como Mato Grosso, Paraná, que lideram a safrinha, o plantio evolui aceleradamente.

expectativa de crescimento também para o algodão. No novo levantamento, a Conab projetou aumento de 19,7% na produção em relação a 2020/21, para 2,82 milhões de toneladas, 4,2% em relação à estimativa anterior. Para o feijão, que também tem três safras por temporada, a estatal manteve em 3 milhões de toneladas sua estimativa para a colheita total, volume 5,25% maior que o do ciclo passado. No caso do arroz, a Conab reduziu sua estimativa em 2,1%, para 10,3 milhões de toneladas.

As informações são do Valor Econômico, adaptadas pela equipe MilkPoint. 

Leia também: 
 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint