ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Como as tecnologias impactam o leite? Confira um bate-papo com Andre Rozemberg P. Simões, da UEMS

Quais são os efeitos da adoção de tecnologia na dinâmica dos produtores de leite no Brasil? Em um bate-papo exclusivo com o MilkPoint, André Rozemberg Peixoto Simões, professor do curso de Zootecnia na Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul (UEMS), respondeu algumas questões referentes a este tema.

André é zootecnista e Doutor em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Durante a graduação dedicou maior parte do tempo estudando a pecuária leiteira, inclusive como estagiário do PDPL (Programa de Desenvolvimento da Pecuária Leiteira). Hoje ele também coordena o Programa Rio de Leite, que promove há mais de 10 anos a capacitação de alunos e transfere tecnologias para produtores de leite no Mato Grosso do Sul, além de promover diversas ações técnicas e científicas.

Em 2017 atuou como pesquisador visitante na Universidade de Cornell nos Estados Unidos, estudando o impacto de políticas públicas e privadas para a cadeia produtiva do leite.

Segundo André, a tecnologia é fundamental para o desenvolvimento de qualquer nação. Não só na área do leite, mas, de todos os setores da economia, que de acordo com ele, só progridem com a inovação tecnológica, o progresso técnico dos métodos e a eficiência dos processos produtivos. “No leite, a indústria sempre está preocupada em lançar novos produtos e diminuir seus custos de produção. O varejo está sempre brigando por margens e também não fica de fora, assim como, o setor de insumos, que constantemente lança novidades que contribuem com o aumento da produção e produtividade no campo. O pecuarista precisa seguir essa tendência e se buscarmos na literatura e nas experiências práticas, as opiniões convergem sobre o assunto, ou seja, a tecnificação é fundamental já que basicamente todos que a adotam – de certa maneira – progridem, tanto financeiramente como tecnicamente”.

André será um dos palestrantes do Interleite Sul 2019, que ocorrerá nos dias 08 e 09 de maio em Chapecó/SC. Sua palestra comporá o painel Economia e Mercado e tem o seguinte título: “Efeitos da adoção de tecnologias na dinâmica dos produtores de leite no Brasil”.

Na sua apresentação, ele pretende destacar que o progresso técnico traz benefícios para quem está usufruindo de determinada tecnologia. “Na minha tese de doutorado desenvolvi um modelo de simulação para tentar entender qual seria o impacto caso a tecnologia fosse adotada mais rapidamente e por diferentes perfis de produtores existentes no Brasil. O que posso garantir é que benefícios serão gerados para aqueles que se tornarem adeptos a uma inovação".

O leite brasileiro é produzido por uma heterogeneidade muito grande de sistemas de produção, convivendo lado a lado, produtores grandes e altamente tecnificados com aqueles pequenos de menor capacidade de investimento e essencialmente dependentes da mão de obra familiar. "Com todo esse contraste, que nos torna diferente de muitos países mais desenvolvidos, o efeito geral do uso de tecnologias sobre as variáveis de mercado não se torna igualmente distribuído entre todos os produtores". 

Ainda sobre a sua tese, Simões ressalta que um outro ponto estudado foram os impactos da adoção de tecnologias não só dentro da porteira daqueles que estão as utilizando, mas sim, o quanto isso também impacta nos preços do mercado, na distribuição da produção entre pequenos, médios e grandes e nos setores da indústria e varejo.

“Em linhas gerais, a pesquisa aponta que os simples processos de inovação em um país como o Brasil tende naturalmente a excluir uma parcela dos produtores. Isso reforça a teoria que estamos em um país diverso onde a produção tende a se centralizar nas mãos de grandes produtores e que os mesmos continuarão investindo e crescendo. Neste sentido, precisamos saber, em termos de políticas públicas, o que queremos de cenário futuro para o nosso país”.

André pontuou que a nova política pública vai determinar se é importante mantermos e fomentarmos a grande parcela dos nossos pequenos produtores para que eles tenham acesso à tecnologia e sofram menos nesse processo de transformação, ou se focaremos essencialmente nas grandes produções a fim de sermos mais competitivos no cenário internacional em termos de custos de produção, exportações e assim por diante.

"O movimento de adoção de novas tecnologias não cessará, independentemente da decisão de cada produtor. As tecnologias estão disponíveis e cabe a cada um decidir se entrará nessa ‘onda’ ou não’”, completou.

O pesquisador fez questão de acrescentar que no seu projeto também foi analisada uma situação menos provável, mas, que obteve um resultado interessante.

“Se aumentarmos a adoção tecnológica somente entre os pequenos produtores (e não nos grandes) eles também conseguem deslocar a produção dos maiores. Ou seja, pequenos produtores também têm potencial para suprir o mercado interno e até ganhar um espaço hoje suprido pelos grandes. Não podemos pensar que o pequeno será invariavelmente excluído, existe uma resposta econômica para eles quando os mesmos trabalham com um mínimo de produção que os tornem eficientes".

"Pequenos produtores também têm potencial para suprir o mercado interno e até ganhar um espaço hoje suprido pelos grandes. Não podemos pensar que o pequeno será invariavelmente excluído, existe uma resposta econômica para eles quando os mesmos trabalham com um mínimo de produção que os tornem eficientes"

Finalizando o bate-papo, André destacou que na sua opinião, uma saída para o setor leiteiro envolve duas pontas: tecnologia na produção primária e estímulo de consumo/exportação. “A demanda precisa se deslocar no mesmo passo que a oferta para que assim, tenhamos equilíbrio sem exclusões sociais pelo uso da tecnologia, o que seria indesejável. Digo isso porque a medida que mais e mais produtores aumentam suas produções, por exemplo, por meio de inovações tecnológicas, se a demanda não se alterar, com a maior oferta, a tendência é uma queda nos preços do leite no mercado interno”.

Achou o tema interessante? Então venha participar conosco do Interleite Sul 2019, que está com uma programação para lá de especial! O tema focal do evento é: “Qual será o próximo salto do leite?”

Assuntos como automação, terceirização, parcerias, diferenciação, escala e sistemas de produção que aproveitam ao máximo a propriedade com sustentabilidade serão abordados. O evento ocorrerá nos dias 08 e 09 de maio em Chapecó/SC. Confira a programação completa aqui > http://www.interleite.com.br/sul/

PATROCINADOR OURO

PATROCINADOR PRATA

PATROCINADOR BRONZE

APOIO

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RENATO MIGLIO MARTIN

TEÓFILO OTONI - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

HÁ 2 DIAS

Rozemberg mostrou de forma clara que empreender na atividade é indispensável, independente do tamanho do sistema, sobretudo tendo em vista o futuro do negócio. Comungo totalmente da sua visão. Entendo ainda que podemos fazer com que o número de produtores que tem acesso à estas informações seja cada vez maior, desta forma viabilizando a permanência do homem no campo. É sabido que o agronegócio vem sendo a principal mola propulsora da economia do Brasil, sobretudo nos últimos anos. A atividade leiteira está presente em quase todos os municípios do país e de longe é a que mais emprega pessoas no agonegócio.
Bom trabalho Rozemberg!
ORLANDO SERROU CAMY FILHO

CAMPO GRANDE - MATO GROSSO DO SUL - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 07/02/2019

Concordo plenamente com o professor André, as políticas públicas podem incentivar o uso de tecnologias mais modernas pelos pequenos produtores, favorecendo a melhoria da produção e a sustentação da atividade dentro de uma escala economicamente viável. Acrescento a necessidade destes pequenos estarem organizados, para obterem maior capacidade de redução dos custos, além, de ampliar o atendimento da assistência técnica, fator importante na decisão de adotar novas tecnologias.
ENG. AGR. JEFERSON LUIS BELÉIA FARIAS

PORTO ALEGRE - TOCANTINS

EM 06/02/2019

Brilhante matéria e trabalho desenvolvido pelo Prof. André Rozemberg Peixoto Simões, que é um grande estudiosos brasileiro da cadeia produtiva do leite. Parabéns Prof. André e, por favor, continue nos agraciando com suas teses e reflexões. Grande abraço.
JOSÉ RICARDO LOPES DA SILVA

CAMPINA GRANDE - PARAIBA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 06/02/2019

MUITO BOA ESSA EXPLANAÇÃO DO PROFESSOR ANDRÉ PEIXOTO SIMOES