ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Commodities: milho sobe e mercado está em alerta sobre nova variante da Covid-19

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 29/11/2021

1 MIN DE LEITURA

0
0

Temores sobre os efeitos da nova variante do coronavírus, descoberta na África do Sul, sobre a economia global afetaram os mercados na última sexta-feira, incluindo as commodities agrícolas. Na bolsa de Chicago, soja e trigo recuaram, e o milho seguiu rumo oposto.

Os contratos futuros de soja para janeiro, os mais negociados no momento, fecharam o dia em queda de 1,09% (13,75 centavos de dólar), a US$ 12,5275 o bushel. A posição para março encerrou em baixa de 1,12% (14,25 centavos de dólar), a US$ 12,6300 o bushel.

Apesar do retrato macroeconômico, os fundamentos são de alta para a oleaginosa. Um desses elementos é a demanda aquecida. Segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), os americanos negociaram 1,5 milhão de toneladas do grão na semana encerrada em 18 de novembro, volume 13% maior que o da semana anterior e superior também à média móvel de quatro semanas.

“A procura por farelo e óleo de soja melhorou muito nos Estados Unidos e Canadá”, disse Jack Scoville, analista do Price Group, em seu último relatório.

Já o milho para março fechou a sessão em alta de 1,07% (6,25 centavos de dólar), a US$ 5,9175 o bushel. O papel seguinte, que vence em maio, avançou 0,93% (5,50 centavos de dólar), a US$ 5,9550 o bushel.

Segundo o analista Jack Scoville, que já via espaço para novas altas do cereal, o suprimento de milho está apertado. Em um cenário de forte demanda pelo grão, “os agricultores estão colhendo, mas não vendendo”, diz. Nesta semana, a Administração de Informação de Energia (EIA, na sigla em inglês) informou que a produção de etanol nos EUA cresceu 1,89% na semana encerrada em 19 de novembro, chegando a 1,08 milhão de barris por dia — um volume superior ao esperado por analistas. No país, o biocombustível é feito principalmente a partir de milho.

Outra evidência de demanda firme partiu do USDA, que informou a venda de 100 mil toneladas da safra 2021/22 para o México. Esses movimentos impactaram o mercado da commoditie, que segue de olho na ausência da China.

As informações são do Valor Econômico, adaptadas pela equipe MilkPoint. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint