FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

China deve aumentar importações em 8,8 bilhões de litros/ano de 2018 a 2028, diz especialista

O economista Dou Ming, com 20 anos de experiência na área de laticínios, ofereceu aos participantes do Interleite Brasil 2019, que ocorreu nos dias 07 e 08 de agosto em Uberlândia/MG e reuniu cerca de 1000 pessoas, uma visão inédita sobre a estrutura de produção de leite na China, suas mudanças e desafios existentes. Para ele, a China, maior importador mundial, deverá continuar tendo papel relevante no mercado internacional. Segundo Doug, até 2028 o país deverá aumentar a produção interna em 11,2 bilhões de litros e as importações em 8,8 bilhões, um aumento de 60% em relação ao volume atual.

doug ming no interleite brasil
Doug Ming


Interleite Brasil 2019

A ideia de ter Doug entre os palestrantes foi entender o que o ‘gigante chinês’ está fazendo para modernizar sua produção, as perspectivas de mercado e as transformações nos sistemas de produção. A presença de um especialista chinês, justamente dias após o Brasil conseguir a abertura de mercado junto ao gigante asiático, tornou sua presença ainda mais oportuna.

Produção de leite chinesa

A China produz cerca de 30,75 bilhões de kg de leite/ano (sexto produtor mundial de leite de vaca, atrás dos EUA, Índia, Brasil, Alemanha e Rússia), sendo 80% industrializados e, destes, 90% transformados em produtos como leite e iogurtes, já que o consumo de queijos é baixo.

Entre 2008 e 2018, a produção chinesa mostrou um rápido crescimento e, neste período, houve redução no número de fazendas, mas forte aumento na produção por propriedade e forte incremento na produção por vaca (de 4.500 kg/vaca para 7.400 kg de 2008 a 2018).

Gráfico 1 – Produção x tamanho dos rebanhos chineses.

Doug comentou que no país, as fazendas com mais de 1000 vacas estão crescendo e essa ampliação foi motivada por fortes investimentos em grandes propriedades como a Modern Dairy, que tem 134.000 vacas em 26 fazendas. Hoje, os 20 maiores grupos de produção fornecem mais de 45% do leite industrializado. “Porém, há uma dificuldade em atrair mão de obra para essas grandes fazendas”, disse ele. “Talvez, no futuro, o governo estimule novamente produtores familiares”, avaliou.

Ele mostrou que na China, os custos de produção são muitos altos. Para exemplificar, comparado com a média global e com a Nova Zelândia, é 1,4 vezes maior e com relação a União Europeia, 1,3 vezes. Ainda sobre a produção do país, a mesma sofre um desequilíbrio sazonal ao longo do ano, chegando no pico produtivo nos meses de abril e maio.

Qualidade do leite chinês

Majoritariamente, a produção de bovinos leiteiros no país ocorre por meio do confinamento, porém com grande diferença entre o leite produzido pelos grandes grupos produtores e a média geral. Ao longo dos anos, a qualidade do leite cru na China melhorou nas fazendas profissionais: enquanto a gordura e as proteínas aumentaram, a CCS (Contagem de Células Somáticas) e a CBT (Contagem Bacteriana Total) diminuíram. Veja gráficos abaixo:

Gráficos 2 e 3 – Quantidade de proteínas e gorduras no leite chinês nas grandes fazendas (2); CCS e CBT (3).

Porém, a CBT média do país, segundo informado por Doug, é de 2 milhões CFU/ml.

Política de suporte aos produtores (1 RMB = US$ 0,14 – em 12/08/19)

Na sua apresentação, Ming também citou sobre uma política de suporte no país que está contribuindo com a pecuária leiteira, para auxiliar na compra de animais, forragens, custos de insumos e outros. A ideia é fornecer subsídios aos produtores leiteiros e apoiá-los. Somente neste ano, há 1 bilhão de Reminbi (RMB) disponível (aproximadamente US$ 140 milhões. Para que o subsídio seja aplicado, as fazendas precisam ter mais de 300 animais:

- De 300 a 499 animais: serão subsidiados com 0,8 milhão de RMB (US$ 112.000);
- De 500 a 999 animais: 1,3 milhão de RMB (US$ 182.000);
- Mais de 1000 animais: 1,7 milhão de RMB (US$ 238.000).

No ano passado, foram 1,74 bilhão de RMB de subsídios destinados ao leite para a compra de máquinas agrícolas (US$ 277 milhões). Os governos locais também possuem políticas de subsídios: se uma máquina listou no catálogo de produtos nacionais recomendados, 30% do preço dela pode ser oferecida pelo governo e pelo subsídio local. Também, a importação de vacas leiteiras e sêmen congelado são isentos de impostos, entre outros.

Quantidades importadas de lácteos pela China e perspectivas da indústria

Em 2018, a quantia de leite em pó importada pela China foi de 801,4 mil toneladas, o que corresponde a 16% do mercado global. De fórmulas infantis, foram 324,5 mil toneladas (30% do mercado global), seguida de soro de leite, com 557,2 mil toneladas (29% do mercado), queijos, com 108,3 mil toneladas (4% do mercado) e leite UHT, com 673,3 mil toneladas (27%).

Por dia, são mais de 40 milhões de kg em equivalente-leite importados. Somente as duas maiores empresas de laticínios chinesas – Mengniu e Yili – compram, juntas, cerca de 25 milhões de kg/dia.

Além da importação de produtos lácteos, o país também compra de outros países vacas reprodutoras a fim de ampliar o rebanho. “A produção de matrizes não é eficiente como os países avançados na produção de leite e a importação é uma maneira de expandir o número das nossas cabeças. É importante dizer que em 2014, o número de matrizes importadas na China atingiu um pico e, com a saturação no rebanho nacional de vacas leiteiras, o número de reprodutoras acabou decrescendo”, disse o economista. O Brasil, porém, não tem acordo para exportação de embriões e animais vivos para a China.

Ainda de acordo com ele, o problema é que o país não tem competitividade internacional. “Com a liberação do comércio com alguns países como Nova Zelândia e Austrália, a quantidade de produtos lácteos importada aumentou, ainda mais porque o custo dos produtos lácteos internacionais é menor que o da China. A qualidade e a reputação dos produtos lácteos internacionais também são maiores que os dos chineses. Então, em face dessa melhor qualidade, preço mais barato e produtos mais diversificados, os lácteos da China perdem em competitividade”, comentou ele.

Ele acrescentou que falta uma relação mais forte entre as fazendas e os laticínios. “Parcerias entre os dois elos são difíceis de se estabelecer. Quando o leite está escasso no mercado, as fazendas cobram preços mais elevados, porém, quando há um excedente de leite cru, o laticínio regula os valores e diminui o mesmo. Tanto o campo quanto a indústria querem maximizar seus próprios interesses e ambas não possuem um mecanismo de cooperação benéfico”, finalizou.

O Interleite Brasil 2019 foi realizado entre os dias 7 e 8 de agosto, em Uberlândia/MG, reunindo quase 1000 pessoas.

REALIZAÇÃO

PATROCINADOR MASTER

PATROCINADOR OURO

PATROCINADOR PRATA

PATROCINADOR BRONZE

APOIO

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

GEIZA CARLA SOBRINHO

ACREÚNA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/08/2019

Isso é bom ou ruim pra nos pequenos produtor em questão de preço?
THIAGO MIRANDA SILVA

EM 14/08/2019

As informações fadas pelo site pra mim e de muita importância, pois trabalho com pequenos produtores e assim consigo levar estas informações para eles.