FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Câmara Setorial do de leite questiona normas de qualidade

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) participou na última semana de reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados, do Ministério da Agricultura, para discutir as novas regras da qualidade do leite produzido no País, abrigadas nas Instruções Normativas (INs) 76 e 77.

Conforme a CNA, em nota, o encontro não foi conclusivo e, assim, o ministério definirá até o fim do mês se as INs, que passariam a valer a partir de 30 de maio, serão de fato implementadas. Na reunião, especialistas criticaram aspectos das novas regras, algumas delas consideradas impraticáveis.

O pesquisador Marcelo Bonnet, da Embrapa Clima Temperado, questionou a obrigação de manter o leite a uma temperatura constante de no máximo 4 graus Celsius. "Existem aspectos de qualidade do leite mais importantes e urgentes a serem enfrentados no País. De nada adiantaria refrigerar o leite obtido em más condições higiênico-sanitárias a 4 graus, sendo que leite obtido em boas condições poderia ser conservado adequadamente a uma temperatura limite de 7 graus", declarou, segundo nota da CNA.

Já a professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Mônica Maria Cerqueira, questionou a instrução de que o leite armazenado nos silos das indústrias apresente limite máximo para Contagem Padrão em Placas (CPP) de até 900 mil UFC/ml (unidades formadoras de colônia por mililitro) antes do processamento.

"A média geométrica dessa contagem do leite de 91% dos silos das indústrias analisadas (em pesquisa) é elevada e superior aos 900 mil UFC/ml exigidos pela nova normativa", pontuou a docente, que ainda sugeriu um monitoramento completo nas indústrias do País, por um período de dois anos, para que se normatize um número padrão para a contagem.

O presidente da Câmara Setorial e da Comissão Nacional de Pecuária de Leite da CNA, Rodrigo Alvim, alertou sobre os desafios impostos. "Não é apenas regulamentando que se melhora a qualidade de leite no Brasil. O desafio é levar assistência técnica aos produtores. Assim, teremos avanços", disse.

As informações são do jornal O Estado de São Paulo. 

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ROBERTO JANK JR.

DESCALVADO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/05/2019

Uma pena que em 2019 ainda estejamos discutindo parâmetros que já estão instituídos há mais de 30 anos em outros países. Quando deixaremos a zona de conforto e, de fato e não apenas na retórica, buscaremos acesso a novos mercados??
JOSE LAIRIHOYJOSEOPEN WAY

CAXIAS DO SUL - RIO GRANDE DO SUL - TÉCNICO

EM 13/05/2019

Seria bom preguntar aos consumidores que pensan do comentarios dos Profesores e do Sindilat .