ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Ainda são poucas as empresas com compromisso de zerar emissões, mostra pesquisa

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 19/01/2022

3 MIN DE LEITURA

0
0

Mesmo com a participação recorde do setor privado, em novembro, na Conferência sobre Mudanças Climáticas das Nações Unidas em Glasgow, a COP26, a média global de empresas com compromissos de emissões líquidas zero é de apenas 22%. O dado é de uma pesquisa com mais de 4,4 mil CEOs feita pela consultoria PwC. No caso das empresas brasileiras, o percentual chega a 27%, mas ainda é considerado baixo.

A pesquisa global é feita pela PwC há 25 anos. O perfil das perguntas é tradicionalmente mais focado em crescimento econômico e indicadores de produtividade e eficiência, mas este ano a intenção foi fazer um cenário das medidas ESG adotadas pelas empresas.

O fato de apenas 22% das empresas ter compromissos net-zero é surpreendentemente baixo, com tudo o que temos visto e ouvido nos últimos meses”, diz Maurício Colambari, sócio e líder ESG da PwC, sobre os resultados da pesquisa “Um novo olhar para o futuro: as perspectivas dos CEOs sobre crescimento, ameaças, prioridades estratégicas e compromissos ESG”.

A pesquisa mostra também que as temáticas ambientais, sociais e de governança continuam atrás de outros assuntos que concentram mais as energias dos executivos no Brasil e no mundo.

Questionados sobre a maior ameaça ao crescimento de suas empresas, 69% dos líderes ouvidos no Brasil indicam a instabilidade macroeconômica como principal risco. É uma preocupação maior do que a expressa pelos pares internacionais (43%), mais angustiados com riscos cibernéticos (50% dos executivos globais) e à saúde (48%).

A grande preocupação com a instabilidade econômica dos executivos brasileiros é a que mais destoa do cenário de temas abordados pelos CEOs globais. A mudança climática é a maior ameaça ao crescimento dos negócios na visão de apenas 36% das lideranças no Brasil e de só 33% no mundo.

Curiosamente, contudo, para 63% dos CEOs brasileiros a ameaça climática deve impactar a venda de produtos e serviços nos próximos 12 meses, 45% deles acreditam que a crise climática afetará o aumento de capital e 39% temem pela interferência no desenvolvimento de produtos e serviços, aponta nota da PwC à imprensa.

A pesquisa mostra outras contradições dos executivos. Pelas respostas, 43% das empresas brasileiras não possuem compromissos de carbono neutro alinhados com metas científicas, o que é outra surpresa negativa.

No mundo, 36% das empresas que participaram da pesquisa da PwC não têm compromissos net-zero nem carbono neutro. Contudo, 29% das empresas no Brasil e no mundo têm algum tipo de compromisso em andamento para ser assumido no futuro.

A enquete dividiu as empresas em quatro grupos – as que têm planos net-zero baseados em ciência, as que têm planos netzero sem base científica, as que têm compromissos carbono-neutro e as que não têm nada.

Colambari faz a distinção entre os dois tipos de compromissos. ”Net-zero e carbono neutro são conceitos diferentes. Entendemos que net-zero está mais focado na empresa reduzir emissões de gases-estufa em tudo o que é possível, com metas em bases científicas, para depois ir para a compensação. Carbono neutro, na visão que temos, é definição mais abrangente, que permite compensar emissões mesmo antes de a empresa fazer todas as reduções possíveis”, explica.

Mesmo assim, os dados de empresas com compromissos net zero no Brasil (44%) e carbono neutro (36%) são próximos. No mundo os números são similares.

Foram ouvidos mais de 4,4 mil executivos, em 89 países, entre outubro e novembro. A participação de CEOs no Brasil foi de 4%, superior aos 2,5% de 2021. Dos CEOs que participaram, 3% estão a frente de organização com receita igual ou maior a US$ 25 bilhões e 5% entre US$ 10 bilhões e US$ 25 bilhões. Do total, 38% comandam empresas com receitas até US$ 100 milhões, 30% entre US$ 100 milhões e US$ 1 bilhão e 18% entre US$ 1 bilhão e US$ 10 bilhões.

No cenário macroeconômico, 77% dos executivos ouvidos globalmente acreditam que o crescimento econômico vai se acelerar nos próximos 12 meses.

As informações são do Valor Econômico, adaptadas pela equipe MilkPoint. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint