Você está em: Comunidade > Colunistas > Blog

Cloração da água na produção de leite: mitos e verdades - Parte 1

Por João Luis dos Santos - postado em 21/09/2016

15 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir

 

O último texto provocou questões muito interessantes que serão discutidas na sequência. A cloração da água deve ser o tema mais polêmico na pecuária de leite hoje e certamente o que mais necessita de esclarecimentos. Neste sentido, há um ponto que precisa ficar claro. O cloro é um produto químico utilizado para tratamento de água. Como qualquer outro produto, ele tem uma bula que deve ser seguida incondicionalmente para a obtenção do resultado desejado.

MITO: Basta jogar uma pedra de cloro na caixa. Isso é um mito, assim como a ideia de que as vacas podem comer qualquer coisa que produzirão leite, podem ser ordenhadas no balde sem higiene, que o leite não precisa de refrigeração, entre outros. 

VERDADE: O cloro deve ser dosado de forma precisa e mensurado frequentemente. Cloradores devem ser instalados antes dos reservatórios. A água isenta de contaminação deve ter no mínimo 0,5mg/L após 30 minutos de tempo de contato.

MITO: Qualquer pedra de cloro serve - até a que uso na piscina. Isso também é um mito, assim como, o uso de detergente doméstico para a higienização, álcool ou vinagre na higienização, apenas o uso de um paninho para secar os tetos, etc.

VERDADE: Os tabletes de cloro utilizados na desinfecção da água utilizada na produção de alimentos e áreas que contemplam consumo humano devem ser registrados pelo MS/ANVISA para consumo humano. Tabletes para piscina têm registro para piscina e na maioria das vezes são blends com outros produtos que são tóxicos se ingeridos.

MITO: Cloro faz mal para a vaca, mata bactérias no rúmen, cai a produção de leite e a vaca não bebe água com cloro. Assim como vaca gosta de tomar sol o dia todo e não se estressa, não se incomoda de ficar andando atrás de água e comida e nada disso afeta a produtividade.

VERDADE: Quando o cloro reage e mata uma bactéria ele deixa de ser cloro, perde sua propriedade bactericida. Cada bactéria morta é uma molécula de cloro perdida. Mas, para matar uma bactéria o cloro primeiro tem que oxidar a matéria orgânica. O rúmen tem em média capacidade para 100 kg de alimentos de pura matéria orgânica. Mais precisamente, são 95¹² micro-organismos para fermentação, contra 0,0005 gramas de cloro em um litro de agua.

PERGUNTO:
Quais outros mitos sobre cloração você conhece? Compartilhe o seu comentário no box abaixo: 

 

Opinião

O texto deste colunista não reflete necessariamente a opinião do site MilkPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários:

Valdinei

Quatiguá - Paraná - Produção de leite
publicado em 23/09/2016

Mestre. Agradeço as informações, pois tratar a água que bebemos sem discussão, com o discorrido da mesma caixa podemos canalizar água para o nosso consumo, bem como para os bebedouros de nossas vacas, tenho uma pergunta. para a lavagem dos estábulos posso usar esta água clorada? éla atrasaria a fermentação do dejeto?

João Luis dos Santos

Campinas - São Paulo - Consultoria/extensão rural
publicado em 23/09/2016

Caro Valdinei,
Obrigado pela participação e excelente pergunta.
O cloro é muito reativo com matéria orgânica e essa reação se da na proporção de 1:1.
Ou seja uma molécula de cloro para uma de N (para simplificar) e quando reagem o cloro perde sua atividade.
Isso que dizer também que ele é lento para matar bactérias, por isso não vai interferir num ambiente onde a carga orgânica é tão alta assim.
Pode lavar tranquilamente com água clorada, isso não vai afetar as bactérias.

Fico a disposição
Abraço

Luciano Marques Tavares

Unaí - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
publicado em 25/09/2016

Parabéns pela matéria João Luís!
Pergunto-lhe sobre usar água clorada para lavar os dejetos(esterco), há o risco de formação do composto triclorometano? E caso haja, este composto teria estabilidade e contaminaria o meio ambiente?
Abraço e obrigado!

João Luis dos Santos

Campinas - São Paulo - Consultoria/extensão rural
publicado em 28/09/2016

Olá Luciano, obrigado por participar.
A formação de THM pela cloração exige que na água clorada hajam precursores da formação dos mesmos, os chamados ácidos húmicos e fúlvicos provenientes da última fase da decomposição da matéria orgânica.
Creio que isso não esteja presente nos dejetos de animais, alem disso com mencionei acima o cloro vai reagir  e ser inativado muito antes pela matéria orgânica.
Então, embora não haje estudos sobre o tema, que eu conheça, apenas pelo mecanismo de ação e condições para formação de THM acho muito improvável que isso aconteça.
Mas, se um dia souber de algo assim saiba que vou mencionar aqui.

Abraço

LORENA MARTINS ARAUJO

Uberlândia - Minas Gerais - Estudante
publicado em 28/09/2016

Excelente tema, gostaria de saber se há algo relacionado ao uso de água clorada para lavar os equipamentos de ordenha, se há algum prejuízo no tanque quanto a qualidade do leite, desde já agradeço!

João Luis dos Santos

Campinas - São Paulo - Consultoria/extensão rural
publicado em 28/09/2016

Olá Lorena, obrigado pela pergunta e participação.

Esse é outro mito a ser quebrado. Cloro não afeta equipamentos de ordenha. O uso inadequado do cloro pode fazer isso.
Recomendamos que na sala de ordenha a água tenha um residual de 3 a 5 mg/L de cloro na água, o mesmo que temos nas piscinas que nadamos.
Isso garantirá uma água de altíssima qualidade para procedimentos de higiene e limpeza.
Agora há características que sua água pode conter que a tornem mais corrosiva como dureza ou alcalinidade elevada. Por isso é bom conhecer bem sua água fazendo um exame dela para adotar medidas corretas de tratamentos.

Abraço.

LUCIANO SIMÃO

Votuporanga - São Paulo - Indústria de insumos para a produção
publicado em 28/09/2016

Mestre João Luis parabéns pelo Blog e pelos artigos.
Acho o tema de extrema relevância e de pouca preocupação por parte dos produtores, já que aproximadamente 70% do bovino é água e aproximadamente 85% da composição leite também é água, esse alimento deveria ser o foco número 1 nas propriedades.
Gostaria de ter acesso a literatura sobre a influência da água na produção de leite e no ganho de peso. O senhor tem alguma recomendação de site ou teses ?
Sucesso e obrigado !

João Luis dos Santos

Campinas - São Paulo - Consultoria/extensão rural
publicado em 28/09/2016

Caro Luciano, obrigado pela participação.
Veja se esse artigo ajuda: http://www.especializo.com.br/site/blog-qualidade-agua/a-qualidade-da-agua-e-os-impactos-na-producao-de-leite
Há muito outros no site da Especializo, mas também pode me enviar um e-mail atendimento@especializo.com.br se precisar.

Abraços

Valdinei

Quatiguá - Paraná - Produção de leite
publicado em 28/09/2016

Muito obrigado

altino guimarães neto

Patrocínio - Minas Gerais - Produção de leite (de vaca)
publicado em 28/09/2016

Boa noite Mestre!!

Suas explicações são muito importantes e esclarecedoras.
Já havia pensado na utilização do cloro em minha propriedade mas não tinha ideia de como usar.
Tenho uma água altamente calcária e sulfurosa, retirada de poço artesiano,  que provoca grande formação de lodo tanto nos cochos quanto nos canos e mangueiras utilizados para o transporte da água.
A utilização do cloro poderá melhorar esta questão?
Gostaria de contacta-lo para discutirmos minha situação.
Grande abraço


João Luis dos Santos

Campinas - São Paulo - Consultoria/extensão rural
publicado em 28/09/2016

Caro Altino, obrigado pela participação.

Problemas relacionados a água calcária e sulfurosa não são resolvidos com cloração, embora eu recomende que mesmo assim cloro sua água por questões de higiene. Vai obter grandes ganhos na redução de CBT.
Água calcaria é a água dura, provoca incrustações, corrosão e entupimentos, muitos transtornos e prejuízos.
Há uma tecnologia muito simples para resolver isso, chama-se Eco Íon que costumo recomendar nesse caso.
Pode me mandar um e-mail: atendimento@especializo.com.br ou ligar para (19) 99265.7871. Sera um prazer lhe ajudar.

Abraços

Eliezer Furtado de Carvalho

OUTRA - OUTRO - OUTRA
publicado em 18/10/2016

Tenho um reservatório para 60000litros de água. Qual a melhor maneira de fazer o tratamento dessa quantidade de água para o rebanho.

João Luis dos Santos

Campinas - São Paulo - Consultoria/extensão rural
publicado em 18/10/2016

Caro Eliezer, obrigado pela participação.

Além do volume do reservatório para definição do tipo de dosador de cloro é ideal obter as seguintes informações:
1. Vazão da bomba que abastece essa caixa.
2. Consumo estimado de água, por dia ou por mês.
3. Altura do reservatório.
Por favor faça contato pelo e-mail atendimento@especializo.com.br

Abraços

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes

Enviar comentário

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade