ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Nutrição e qualidade da água para bovinos

POR JOÃO LUIS DOS SANTOS

GESTÃO DA ÁGUA

EM 20/04/2022

6 MIN DE LEITURA

0
1

Atualizado em 18/04/2022

A água é o nutriente mais abundante em bovinos de leite e corte, representando aproximadamente 98% de todas as moléculas do animal. Apesar deste fato, é também o nutriente mais negligenciado em detrimento do desempenho e saúde dos animais e viabilidade econômica dos produtores.

O gado necessita de um abastecimento adequado, acessível e frequente de água doce para facilitar os processos físicos e químicos do corpo. Por exemplo, a água é necessária para produzir saliva, que ajuda a quebrar e lubrificar o alimento para que ele possa passar facilmente pelo sistema digestivo.

A ingestão inadequada de água pode limitar o crescimento e a produção, o que pode se traduzir em margens de lucro mais estreitas para os produtores.

Além disso, ajuda a lubrificar as articulações, amortecer o sistema nervoso, transportar o som e é necessário para a visão. A água também é necessária para os processos químicos, sendo os menos necessários para o metabolismo e a produção de energia. Do ponto de vista químico, a água é necessária para regular a temperatura corporal, bem como para todos os aspectos do crescimento e reprodução. Portanto, a ingestão inadequada de água pode limitar o crescimento e a produção, o que pode se traduzir em margens de lucro mais estreitas para os produtores. Por isso é importante entender os fatores que influenciam a nutrição e a qualidade da água para bovinos.

 

Necessidade de ingestão de água

Avaliar as necessidades de água do gado é um desafio porque as quantidades podem mudar com base em vários fatores. 

Em relação à temperatura, as necessidades de água do gado de corte podem dobrar ao comparar temperaturas frias (4,4ºF) com temperaturas mais quentes (32ºF). Vacas em lactação têm maiores necessidades hídricas em comparação com animais em outras fases de produção porque o leite é aproximadamente 90% água. Da mesma forma, o gado de engorda requer mais água em comparação com o gado no pasto devido ao seu crescimento acelerado nas rações de alta energia.

As necessidades de água aumentam à medida que o peso aumenta. Fatores adicionais que influenciam as necessidades de água e ingestão incluem umidade, idade, raça, dieta, ingestão de ração, taxa de ganho de peso corporal, nível de atividade, topografia e ingestão de sal (NRC, 2000).

A ingestão diária total de água dos animais não provém apenas da ingestão voluntária de água de fonte potável. A umidade dos alimentos, como forragens e concentrados, também contribui para as necessidades hídricas do gado de corte.


Qualidade da água

O gado precisa de acesso irrestrito a água de boa qualidade, que varia dependendo do manejo da água e da estação do ano. 

Uma fonte limpa de água pode economizar dinheiro dos produtores, diminuindo a incidência de doenças, enquanto a má qualidade da água pode economizar dinheiro em tempo e manejo, mas reduzirá a saúde e o desempenho do rebanho.

Existem vários parâmetros de qualidade da água que podem ser avaliados para determinar a qualidade da água para o rebanho. Esses incluem:

  • Dureza

A dureza da água refere-se à quantidade de íons positivos (cátions) que ocorrem naturalmente na água. A água é rotulada como “dura” porque não ensaboa facilmente com sabão. Os cátions comumente associados à dureza incluem cálcio, estrôncio, ferro e magnésio. Esses minerais se acumulam na água à medida que viaja através do solo e das formações rochosas na fonte de água subterrânea.

Por outro lado, a água com baixo teor desses cátions é classificada como mole porque ensaboa facilmente com sabão e se origina em solos rasos onde a água não está tão exposta a formações calcárias e minerais.

A palatabilidade ou segurança da água não são influenciadas pela dureza da água. No entanto, pode causar problemas ao equipamento de distribuição de água. A água dura tende a acumular incrustações – carbonatos de cátions – que podem alterar a vazão e criar perda de pressão. 

Também pode ficar incrustado nas válvulas e componentes do sistema de água, o que pode arruinar um sistema de água. 

O grau de dureza da água é mostrado na tabela abaixo.


 

  • pH da água

O pH é uma medida da acidez ou alcalinidade da água. Um pH neutro tem um valor de 7. Qualquer valor de pH maior que 7 é alcalino, enquanto um valor de pH menor que 7 é ácido. A faixa de pH aceitável para a água consumida por bovinos de corte está entre 6,0 e 8,5 (Herring, 2014). 

O consumo de água em valores de pH fora da faixa aceitável pode reduzir o crescimento e a produtividade. 

Por exemplo, águas alcalinas excessivas podem causar um efeito laxante e interromper a atividade digestiva normal, enquanto as águas ácidas podem induzir acidose e reduzir a ingestão diária de alimentos.

  • Salinidade

A salinidade refere-se à quantidade de sais contidos na água. Semelhante a outros parâmetros de qualidade da água, os níveis de salinidade que excedem uma faixa saudável podem reduzir o consumo de ração e os ganhos de peso. Portanto, é importante saber quais níveis são saudáveis para bovinos de corte.

A salinidade é comumente medida por sais solúveis totais (TDS) ou sais solúveis totais (TSS) – ambos podem ser expressos como partes por milhão ou condutividade elétrica (EC). Recomenda-se que o gado de corte consuma água contendo menos de 3.000 ppm de TDS ou TSS, ou CE de 5.000 umhos/cm.

Trabalhos anteriores em confinamento demonstraram que o gado apresentou uma redução de 10% no ganho de peso e no consumo de ração após o aumento da salinidade para aproximadamente 5.000 ppm (Ray 1989). Finalmente, os sinais de toxicidade do sal são consistentes com os sinais de desidratação, que é marcada por letargia, redução da ingestão de ração, olhos e mucosas secos.
 

  • Sulfatos

Os sulfatos são comumente encontrados em forragens, rações e água em todo o oeste dos EUA. Na água, os sulfatos se ligam a minerais como cálcio, cobre, selênio, sódio, magnésio e ferro e limitam o crescimento e o desempenho. Em níveis excessivos, o sal resultante da ligação ao sulfato cria um sabor amargo à água e induz um forte efeito laxante que pode afetar negativamente a produção de carne bovina.

Além disso, concentrações excessivas de sulfatos na água podem contribuir para o aumento da incidência de polioencefelomalacia – um distúrbio neurológico caracterizado por lesões cerebrais. O aparecimento deste distúrbio neurológico foi observado em novilhos alimentados com dietas com pelo menos 0,38% de enxofre com base na matéria seca. Aliás, os sulfatos consumidos na água também podem inibir o crescimento e o desempenho do gado de corte. O nível máximo de sulfato de água tolerável para bovinos de corte é inferior a 500 ppm para bezerros e 1.000 ppm para bovinos adultos.
 

  • Nitratos e nitritos

A toxicidade do nitrato raramente vem apenas de uma fonte de água. Os níveis mais altos de nitrato na água normalmente ocorrem durante condições de seca, quando o nível da água nas lagoas diminui e os níveis de nitrato aumentam. O maior problema é quando os níveis totais de nitrato da ingestão de alimentos e água atingem níveis tóxicos.

Apesar da preocupação generalizada com o nitrato, os nitritos são considerados a forma tóxica para o gado de corte, não os nitratos. Os nitratos da ração e da água são convertidos em nitritos pelos microrganismos do rúmen. Esses compostos são então absorvidos pela corrente sanguínea, onde convertem a hemoglobina, que se liga prontamente ao oxigênio, em metemoglobina. A conversão de hemoglobina em metemoglobina diminui o transporte de oxigênio e, assim, induz anóxia e, finalmente, a morte.


Conclusão

A água é o nutriente mais abundante no animal, mas também é o nutriente mais negligenciado. As necessidades de água dos animais dependem de uma série de fatores, incluindo temperatura, estágio de produção e peso corporal. 

A saúde e o desempenho ideais do rebanho exigem um fornecimento frequente de água de boa qualidade para permitir que a produção permaneça lucrativa para os produtores. Os produtores podem utilizar parâmetros como dureza, pH, salinidade, sulfatos e nitratos para determinar a qualidade da água fornecida ao rebanho.

Fonte: https://extension.oregonstate.edu/animals-livestock/beef/water-nutrition-quality-beef-cattle

 

JOÃO LUIS DOS SANTOS

Mestre em engenharia agrícola pela Unicamp/Feagri na área de concentração de águas e solo. Atua a mais de 15 anos no desenvolvimento de soluções e tecnologias para tratamento da água na produção animal. Diretor e fundador da Especializo.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint