FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Resíduos clorados no leite, a origem do triclorometano e do clorato

POR JOÃO LUIS DOS SANTOS

GESTÃO DA ÁGUA

EM 25/02/2019

3
7

Recentemente no Brasil algumas empresas já começaram a se preocupar com a presença de resíduos clorados no leite, entre eles os triclorometanos (TCM) e os cloratos. Como seria de se esperar, profissionais começam a me abordar preocupados com o cloro e a possível fonte de contaminação.

O processo de desinfecção da água recomendado em outros artigos deste blog não tem relação com a presença de resíduos clorados no leite. A água ingerida pela vaca contendo cloro não tem contato com o leite e é excretada normalmente e - mesmo assim - sem cloro, pois este cumpre sua função na água de eliminar a contaminação bacteriana e o pouco que resta é anulado pela presença de matéria orgânica de saliva no rúmen do animal.

A água dos processos de higienização e limpeza, quando clorada - além de baixa concentração de cloro - também tem o composto neutralizado na operação quando em contato com qualquer tipo de matéria orgânica.

Fica então a pergunta. Qual a origem dos resíduos clorados no leite?

Empresas no Brasil ainda terão que pesquisar, mas estudos internacionais apontam contaminação relacionada ao processo de limpeza. A presença de TCM em alimentos foi associada anteriormente com água tratada contendo cloro (Rook 1974). No entanto, agora sabemos que as soluções de limpeza e desinfecção com cloro estão associadas a fonte de contaminação (Resch e Guthy 2000).

Os autores mostraram a formação de TCM em soluções de limpeza e desinfecção, principalmente quando:

  • estas (soluções de limpeza e desinfecção) são reaproveitadas em vários ciclos de higienização (pré e pós-lavagem) e;
  • o risco da contaminação principalmente pela orientação de não enxague com água limpa após o procedimento de higienização por parte de alguns profissionais.

A origem do triclorometano (TCM)

A reação clássica de formação do TCM é aquela que ocorre entre o cloro (um halogênio) e uma metilcetona para formar uma haloforma (Fuson e Bull 1934). Leite e produtos lácteos contêm acetoína, diacetil e outros metil-cetonas (Mick et al. 1982) que podem reagir com cloro para produzir TCM.

Os TCMs se acumulam em porções ricas de gordura, em produtos como leite e manteiga (Hubbert et al. 1991), frequentemente produzindo contaminações alimentares indesejáveis. Fleming-Jones e Smith (2003) concluíram que nos EUA, produtos derivados do leite continham os mais altos níveis de TCM, em comparação com outros produtos alimentares (um nível de 0,1 mg⁄kg, bem abaixo da concentração que seria considerada carcinogênica).

Ainda assim, visto que pode ser encontrado na água e outros alimentos, os limites máximos de TCM de <0,03 e <0,002 mg⁄kg de manteiga e leite, respectivamente, têm sido recomendados. Assim, é economicamente importante que países que buscam competir no mercado internacional atentem para estes limites.

Pontos de controle críticos para manter o TCM em níveis baixos no leite:

  • enxaguar com água entre cada ordenha após a desinfecção;
  • enxaguar com água limpa após ciclo de lavagem do detergente do esterilizador;
  • informe-se sobre o teor de cloro do detergente e não utilize em excesso;
  • controle a cloração da água utilizada para enxaguar e evitar excesso de cloro em águas “sujas” para compensar a contaminação;
  • evite muitas reciclagens da solução detergente-esterilizadora;
  • evite manter ordenhadeiras e outros materiais mergulhando em cloro por muito tempo;
  • evite reciclagem de água de enxágue.

A origem do clorato

O clorato por sua vez esta diretamente relacionado ou uso do hipoclorito de sódio (hipo). A grande maioria dos detergentes destinados a desinfecção são a base de hipo e muitos produtores ainda compram hipo concentrado para uso geral de limpeza. O hipo é naturalmente instável e se decompõe com muita facilidade. Fatores que influenciam na decomposição são:

  • concentração inicial: quanto maior a concentração maior será a decomposição inicial e formação de cloratos;
  • pH: quanto mais alto o pH mais estável o produto;
  • temperatura de estocagem: a temperatura tem forte influência na decomposição do produto. É muito importante que a estocagem seja coberta, em local fresco e arejado, e sem a incidência de luz solar;
  • luz solar: a luz também acelera a decomposição. Deve-se evitar e exposição de tanques e bombonas à luz solar;
  • contaminantes: o pior tipo de contaminação seriam os metais, principalmente níquel, cobre, ferro entre outros. Deve-se evitar o contato do hipo concentrado com equipamentos metálicos.

O produtor pode minimizar a decomposição por meio de alguns cuidados, mas nunca vai evitar totalmente que ela ocorra.

O que o produtor e as empresas devem ter em mente é que o cloro não é um produto milagroso. Sua aplicação deve seguir protocolos rígidos. Utilizar cloro em excesso para evitar contaminação além de desperdício de produto é correr o risco de contaminação por TCM e cloratos.

Uma atenção especial ainda deve ser dada para a fonte de água utilizada na propriedade. Não é raro me questionarem se adicionar mais cloro em uma água mais “suja”, com captação superficial, resolveria a contaminação. Não, o excesso de cloro vai promover outras contaminações como já descrito acima. Águas turvas ou com cor precisam ser filtradas e então cloradas.

Referências bibliográficas

SIOBHAN, R et al 2012. Evaluation of trichloromethane formation from chlorine-based cleaning and disinfection gents in cow’s milk

O’Brien, B 2017. Residues in milk

JOÃO LUIS DOS SANTOS

Mestre em engenharia agrícola pela Unicamp/Feagri na área de concentração de águas e solo. Atua a mais de 15 anos no desenvolvimento de soluções e tecnologias para tratamento da água na produção animal. Diretor e fundador da Especializo.

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

BRUNO VICENTINI

LAVRAS - MINAS GERAIS

EM 26/02/2019

Há exatos 10 anos, um fiscal de inspeção de produtos de origem animal me alertou sobre o risco desse tipo de contaminação. Na época, ele percebeu que durante os processos de limpeza e sanitização as pessoas "carregavam no cloro" para tentar "melhorar a higiene"...
Também já li algo à respeito sobre a contaminação do leite com iodo, devido aos processos de pré e pós-dipping, quando não executados de forma correta...
JOÃO LUIS DOS SANTOS

CAMPINAS - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 26/02/2019

Olá Bruno,

Obrigado por seu comentário e colaboração com o tema.
No artigo não quis aprofundar para não ficar extenso mas o iodo, assim como qualquer elemento da família dos HALOgênios, também podem formar os chamados THM.
Por isso são chamados de TriHALOmetamos.

Abraço e sucesso.
EM RESPOSTA A JOÃO LUIS DOS SANTOS
BRUNO VICENTINI

LAVRAS - MINAS GERAIS

EM 26/02/2019

Obrigado!!! Vou estudar mais sobre esse tema!!!