FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Importância da etapa de pré-maturação do leite no processamento de queijos

ADRIANO GOMES DA CRUZ

EM 10/02/2020

8 MIN DE LEITURA

0
8

Jéssica P. Rangel¹; Ramon S. Rocha2; Maria Eduarda M. Soutelino3; Ana L. Dozol4; Adriano G. da Cruz5

¹Núcleo Avançado em Tecnologia de Alimentos – Departamento de Laticínios, São Gonçalo,RJ.
² Programa de Pós-Graduação em Hig. Vet. E Proc. Tec. de POA, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense – UFF, Niterói, RJ.
³Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ.
4Faculdade de Nutrição Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ.
5Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, Departamento de Alimentos, Rio de Janeiro, RJ.

Este artigo consiste na apresentação da técnica de pré-maturação do leite, buscando obter melhores condições sensoriais, microbiológicas e bioquímicas nos queijos produzidos. Foram destacados, nesse contexto, os principais gêneros de culturas láticas empregadas na fabricação de queijos e as diferentes formas de aplicação do processo. Avaliando a aplicação de culturas láticas propícias para cada processo de pré-maturação e tendo em vista também como este processo será aplicado no sistema produtivo de queijos de cada estabelecimento processador, foi possível expor a funcionalidade e importância do processo de pré-maturação para a fabricação desse produto. Por último, foram apresentadas as técnicas de controle da etapa aplicada e, discutidos posteriormente, os resultados esperados a partir do procedimento, sendo estes benéficos para o fabricante e o consumidor. 

No Brasil, os requisitos de qualidade do leite cru em alguns casos não são atendidos como exigidos pela legislação vigente, muitas vezes por consequência de fatores socioculturais e econômicos na cadeia produtiva. Logo, são definidas medidas que irão assegurar a qualidade e segurança destes produtos para o consumo humano. Estas medidas contam com a aplicação de diferentes tratamentos térmicos, como pasteurização, esterilização e resfriamento, que impedem o desenvolvimento de microrganismos deteriorantes ou patogênicos no leite e promovem redução drástica da carga microbiana. Por isso, pode-se perder também bactérias láticas importantes no processo de fabricação de queijos (SLAB’s), muitas vezes responsáveis por características sensoriais importantes no produto final.

Juntamente a estas medidas, pode ser aplicada a técnica de pré-maturação no leite destinado à fabricação de queijos. Seu objetivo, enfim, é a obtenção de uma melhor qualidade microbiológica e sensorial no produto final, a partir de uma prévia preparação biológica da matéria-prima.

O objetivo deste texto é a discussão da relevância da etapa de pré-maturação do leite no processamento de queijos, enfatizando as culturas a serem aplicadas e suas vantagens para a fabricação desse produto. Além disso, nesse contexto, destacar também as alterações e os resultados gerados no produto final quando aplicada a técnica, demostrando assim, sua importância produtiva e qualitativa para a indústria e para o consumidor.

Por ter grande riqueza nutricional e alto teor de umidade, o leite cru se torna um excelente meio de cultura natural, o que possibilita o crescimento de microrganismos contaminantes de variados gêneros. Este fator torna imprescindível o controle de qualidade desta matéria-prima para a fabricação de seus derivados e demanda a realização do processo de pasteurização do leite destinado à fabricação de seus derivados. Esse processo, todavia, pode eliminar, além dos microrganismos patogênicos e deteriorantes, microrganismos oriundos da microbiota nativa do alimento que podem gerar efeitos benéficos no leite. Considerando os aspectos citados, portanto, a etapa de pré-maturação apresenta-se vantajosa e necessária para a fabricação de queijos maturados, visando restaurar, no leite, um ambiente favorável ao desenvolvimento de bactérias láticas, favorecendo nele o melhor desenvolvimento de aspectos sensoriais (PINTO et al., 2013; NETO, 2013).

Para a aplicação da pré-maturação para a fabricação de queijos, nesse contexto, é comum realizá-la de três diferentes formas, como descrito por Neto (2013). A primeira delas, a pré-maturação longa ou a frio, conta com a inoculação de culturas láticas no leite com o mesmo em estoque à baixas temperaturas, havendo um desenvolvimento lento e gradual destas culturas. Outro tipo de pré-maturação é a do tipo curta ou a quente, em que a inoculação das culturas primárias é realizada durante o processo de fabricação. Utiliza-se, também, os diferentes tipos de pré-maturação combinados, podendo ser pré-maturação longa/curta ou a frio/quente, sendo sua principal vantagem a melhor preparação biológica do leite.

Para o emprego da técnica na produção de queijos, devem-se considerar, ainda, quais culturas microbianas serão selecionadas, em função das características desejadas no produto final. Tais culturas são denominadas de Bactérias Ácido-Láticas (BAL), que tem como principal função metabolizar a lactose, produzindo ácido lático ao longo do processo de maturação do queijo, gerando características sensoriais específicas. Elas são denominadas de culturas starter (iniciadoras), justamente por iniciarem o processo de fermentação no leite. As principais BAL utilizadas na pré-maturação são as dos gêneros Lactobacillus, Lactococcus, Leuconostoc e Streptococcus (NETO, 2013; MCSWEENEY et al., 2017; PINTO et al., 2013).

O gênero Lactococcus, sob tal enfoque, é constituído por bactérias ácido-láticas homofermentativas, sendo amplamente empregadas como culturas starter na indústria de alimentos, por apresentarem diversas vantagens em sua utilização. Podendo também se desenvolver a partir dos 10°C, são adequadas para o processo de maturação a frio, tendo um desenvolvimento aproveitável no leite nestas condições. Bactérias do gênero Lactobacillus se destacam pelo potencial probiótico de muitas de suas espécies e, para a realização da pré-maturação em queijos, apresentam grande variedade de produtos e características a serem geradas no alimento. Na utilização de culturas do gênero Leuconostoc, destaca-se a produção de compostos como diacetil e CO2, que contribuem, respectivamente, para a formação de aroma e textura em determinados tipos de queijo, como queijos frescos ou com olhaduras (MCSWEENEY et al., 2017; PINTO et al., 2013).

Além disso, entre as espécies do gênero Streptococcus, destaca-se a ampla utilização de Streptococcus thermophilus, principalmente por sua capacidade de rápida fermentação da lactose, o que gera acelerada produção de ácido lático e redução do pH,  contribuindo, assim, para a utilização de culturas desse agente em processos de pré-maturação curta. Este fator, portanto, favorece a produção de queijos que demandam estes aspectos de forma muito característica, como o muçarela e o parmesão. Além destes gêneros, destaca-se, também, a utilização de culturas do gênero Propionibacterium, pertencentes à classificação de Bactérias Ácido-Propiônicas (BAP). Estes microrganismos têm como características a formação, de olhaduras láticas regulares e brilhosas, e de sabor levemente amendoado e/ou frutado; podendo ser empregadas em pré-maturação para a fabricação de queijos “dos tipos Suíço” (termo genérico) (FRÖLYCH-WYDER et al., 2017; PINTO et al., 2013).

Enfim, para que ocorra correta implementação de um esquema de pré-maturação em processos de fabricação de queijos, devem ser considerados diversos fatores. Entre eles, as características do leite a ser utilizado, seu histórico térmico, sua qualidade microbiológica, capacidade para fermentação, controle do desenvolvimento das culturas selecionadas e prevenção de contaminantes/fagos são fundamentais. Segundo Neto (2013), também deve-se haver a comprovação da eficiência do procedimento, realizada por meio de técnicas de controle da pré-maturação. Considerando, desta maneira, uma melhora na preparação biológica do leite  que sofreu pré-maturação, seus demais processos de obtenção espontânea de suas características próprias (como a própria maturação), ocorrerão de maneira mais eficaz, culminando na formação de características sensoriais diferenciadas no produto final.

Estabelece-se, em síntese, a importância funcional, produtiva e qualitativa da aplicação do processo de pré-maturação biológica na fabricação de queijos, sendo estes em escala industrial ou artesanal. O procedimento, dessa forma, visa gerar funcionalidade no processo produtivo, utilizando-se de diferentes esquemas de realização, podendo ser adaptados de acordo com o próprio sistema produtivo do estabelecimento. Além disso, também apresenta variabilidade de culturas primárias a serem empregadas para o processo fermentativo, em função do tipo de queijo a ser fabricado.

Para a produção de queijos no Brasil, portanto, este processo se destaca como um diferencial na produção, prezando pela qualidade e também pela obtenção de melhores características sensoriais do produto final. Em suma, é possível restabelecer, a partir da pré-maturação biológica do leite, padrões qualitativos quanto aos processos fermentativos necessários para a fabricação de queijos.

Referências Bibliográficas

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 76, de 26 de novembro de 2018. Aprova os Regulamentos Técnicos que fixam a identidade e as características de qualidade que devem apresentar o leite cru refrigerado, o leite pasteurizado e o leite pasteurizado tipo A. 

FRÖLYCH-WYDER, M.; BISIG, W.; GUGGISBERG, D.; JAKOB, E.; TURGAY, M.; WECHSLER, D. Cheeses With Propionic Acid Fermentation. In: MCSWEENEY, P. L. H.; FOX, P. F.; COTTER, P. D.; EVERETT, D. W. Cheese: Chemistry, Physics and Microbiology. Academic Press, ed.4º, v.1, p.889-892, 2017.

LEGG, A. K.; CARR, A. J.; BENNETT, R. J.; JOHNSTON, K. A. General Aspects of Cheese Technology. In: MCSWEENEY, P. L. H.; FOX, P. F.; COTTER, P. D.; EVERETT, D. W. Cheese: Chemistry, Physics and Microbiology. Academic Press, ed.4º, v.1, p.643, 2017.

MCSWEENEY, P. L. H.; FOX, P. F.; COTTER, P. D.; EVERETT, D. W. Cheese: Chemistry, Physics and Microbiology. Academic Press, ed.4º, v.1, 2017.

NETO, J. P. M. L. Queijos: aspectos tecnológicos. Master Graf, ed.1º, p.18-21, 2013.

NÓBREGA, J. E.; FERREIRA, C. L. L. F. Bactérias Benéficas do Leite. In: PINTO, C. L. O.; PICCOLO, M. P.; BRITO, M. A. V. P.; MARTINS, M. L.; MACÊDO, C. S.; FARIÑA, L. O. Qualidade microbiológica do leite cru. Viçosa: EPAMIG Zona da Mata, p.157-169, 2013.

O’SULLIVAN, O.; COTTER, P. D. Microbiota of Raw Milk and Raw Milk Cheeses. In: MCSWEENEY, P. L. H.; FOX, P. F.; COTTER, P. D.; EVERETT, D. W. Cheese: Chemistry, Physics and Microbiology. Academic Press, ed.4º, v.1, p.301-305, 2017. 

PARENTE, E.; COGAN, M. T.; POWELL, B. I. Starter Cultures: General Aspects. In: MCSWEENEY, P. L. H.; FOX, P. F.; COTTER, P. D.; EVERETT, D. W. Cheese: Chemistry, Physics and Microbiology. Academic Press, ed.4º, v.1, p.201-206, 2017.

PICCOLO, M. P.; MACÊDO, C. S.; BRITO, M. A. V. P. Aspectos Associados à Qualidade do Leite: Composição, Saúde do Úbere e Resíduos Químicos. In: PINTO, C. L. O.; PICCOLO, M. P.; BRITO, M. A. V. P.; MARTINS, M. L.; MACÊDO, C. S.; FARIÑA, L. O. Qualidade microbiológica do leite cru. Viçosa: EPAMIG Zona da Mata, p.57-58, 2013.

PINTO, C. L. O.; PICCOLO, M. P.; BRITO, M. A. V. P.; MARTINS, M. L.; MACÊDO, C. S.; FARIÑA, L. O. Qualidade microbiológica do leite cru. Viçosa: EPAMIG Zona da Mata, 2013.

TRONCO, V. M. Manual para inspeção da qualidade do leite. Editora UFSM, ed.3º, p. 81-84, 2008.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint