ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O melhoramento genético do capim-elefante no Brasil

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/04/2021

7 MIN DE LEITURA

4
25

O capim-elefante (Pennisetum purpureum Schum.) é uma gramínea forrageira cultivada e explorada em regiões de clima tropical, subtropical e mesmo em regiões de clima semiárido do Brasil.

A espécie foi descrita pela primeira vez em 1827, e tem como origem a região da África tropical, composta por países com Guiné, Moçambique, Angola, Zimbábue e Quênia. Pela semelhança entre as condições climáticas do Brasil e desses países, o capim-elefante é adaptado a quase todo o território nacional.

A espécie foi coletada na natureza pela primeira vez em 1903, pelo coronel Napier de Bulawayo, e por isso, passou a ser comumente identificada como capim Napier. No Brasil, foi introduzida a partir de mudas coletadas em Cuba, na década de 1920.

Inicialmente, a introdução da espécie ocorreu no Rio Grande do Sul e, posteriormente, houve ampla distribuição para os demais estados do país. Assim, duas cultivares de capim-elefante foram introduzidas: Elefante A, ou capim Napier, e Elefante B, também chamado de Merker.

A partir de então, o capim-elefante passou a ser amplamente cultivado para alimentação animal, e também para produção de bioenergia. Esta gramínea forrageira é notadamente conhecida por sua elevada capacidade produtiva e ótima resposta à adubação, quando comparada à outras forrageiras tropicais. Por isso, torna-se uma opção bem importante para pequenos e médios produtores que possuem propriedades com área agricultável reduzida.

Neste sentido, durante muito tempo evitava-se cultivar capim-elefante em pastagens, com seu uso restrito à formação de capineiras, pois acreditava-se que seu “baixo” valor nutritivo e a dificuldade de manejo sob pastejo não permitiam adotar este tipo de estratégia.

Entretanto, esta perspectiva mudou, principalmente a partir de 1989 quando a primeira cultivar de capim-elefante anão, a cultivar Mott, foi registrada pela equipe de pesquisadores da Universidade da Flórida, liderada pelo pesquisador Lynn E. Sollenberger.

Isto somente foi possível, porque o capim-elefante apresenta ampla variabilidade genética, fato que permite a seleção de variedades com características desejáveis em função do sistema de produção (a pasto ou confinamento, por exemplo), ou mesmo pela exigência nutricional dos animais (novilhas ou vacas leiteiras, por exemplo).

Assim, atualmente o capim-elefante é dividido em 5 grupos morfológicos bem-definidos, ou seja, grupos com variedades que possuem características físicas (e visíveis) em comum. São eles: Napier, Cameroon, Merker, Anão e Híbridos Específicos. Vale ressaltar que os híbridos específicos de capim-elefante geralmente são obtidos do cruzamento da espécie com o milheto (Pennisetum glaucum L.), ou outras espécies do gênero Pennisetum.

Neste contexto, o melhoramento genético do capim-elefante no Brasil segue de forma contínua, através dos programas de melhoramento da espécie.

As cultivares BRS Capiaçu e BRS Kurumi foram recentemente lançadas pela Embrapa Gado de Leite, sendo a primeira recomendada para produção de silagem, e a segunda para pastejo.

Estas cultivares foram selecionadas a partir de cruzamentos entre alguns dos 117 acessos (variedades) do Banco Ativo de Germoplasma do Capim-elefante (BAGCE). Da mesma forma, outras instituições importantes do país têm programas de melhoramento do capim-elefante, como por exemplo o Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), em parceria com a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), que possui atualmente um banco ativo de germoplasma com 81 acessos.

 

Etapas da seleção de variedades (genótipos) de plantas forrageiras

O Brasil é líder mundial no melhoramento de plantas forrageiras. Diversos programas de melhoramento genético de gramíneas e leguminosas, em especial aquelas adaptadas à climas tropicais, subtropicais e semiáridos são conduzidos no país.

O objetivo do melhoramento genético, como mencionado anteriormente, é desenvolver cultivares com características desejáveis como adaptabilidade à determinados climas e regiões, maior valor nutricional, maior proporção de folhas na forragem colhida e maior capacidade de suporte das pastagens, mas também que essas cultivares melhorem o desempenho animal ao proporcionar maior ganho de peso ou produção de leite, por exemplo.

O melhoramento dessas espécies, incluindo o capim-elefante, se dá pela coleta, cruzamento e seleção de muitas variedades (genótipos).

A seleção de genótipos ocorre em 3 etapas: (i) avaliação dos descritores morfológicos de um número considerável de genótipos, ou seja, características agronômicas e morfológicas como comprimento dos entrenós, espessura de colmo, pilosidade da bainha, e outras características registradas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, além da avaliação do valor nutricional; (ii) avaliação do efeito do pastejo (ou colheita da forragem, seja ela manual ou mecânica) sobre características como persistência da pastagem (ou da capineira), capacidade de rebrota e produtividade; e por fim (iii) avaliação do efeito da forrageira sobre o desempenho animal.

Vale ressaltar que esse tipo de seleção tem caráter eliminatório, ou seja, em cada fase o número de genótipos avaliados e selecionados é inferior àqueles da fase anterior. Desta forma, o registro e o lançamento comercial de uma nova cultivar, como o BRS Capiaçu ou o BRS Kurumi, podem levar mais de 10 anos.

 

Novas cultivares de capim-elefante: BRS Capiaçu e BRS Kurumi

A nova cultivar BRS Capiaçu levou cerca de 12 anos para ser registrada e lançada no mercado, de 1999 até 2011. A cultivar foi obtida a partir do cruzamento dos acessos Guaco (BAGCE 60) e Roxo (BAGCE 57), quando ainda era denominada como genótipo CNPGL 92-79-2. Assim, o material gerado foi testado e comparado a outros genótipos obtidos de outros cruzamentos, em 17 regiões do país, até que em 2011 foi registrado e patenteado como BRS Capiaçu.

Esta cultivar de capim-elefante apresenta elevada produtividade, superior ao capim Cameroon ou Napier, por exemplo. O BRS Capiaçu é propagado vegetativamente (por mudas) e possui excelente adaptação à colheita mecânica, um dos motivos pelos quais é recomendado para a produção de silagem, quando comparado à outras plantas forrageiras.

O BRS Kurumi levou cerca de 11 anos para registro e lançamento comercial e é um capim-elefante anão, como o capim Mott, que apresenta características morfológicas muito parecidas com o próprio BRS Kurumi (Figura 1).

Isto porque, ambos apresentam o ‘gene anão’, que reduz o comprimento dos entrenós, aumenta o número deles, fato que consequentemente aumenta o número de folhas por perfilho, a relação folha:colmo e o valor nutricional da forragem colhida.

O BRS Kurumi foi obtido do cruzamento entre o genótipo Merkeron de Pinda (BAGCE 19) e o Roxo (BAGCE 57). Para exemplo de comparação, o capim-anão Mott, registrado em 1989, foi obtido pela autofecundação do Merkeron, que foi importante no desenvolvimento das duas cultivares (Mott e BRS Kurumi) justamente por carregar o ‘gene anão’, mesmo sendo um genótipo de porte intermediário.

Porém, comparativamente, o BRS Kurumi supera o capim Mott em produção de forragem total e de folhas. Pode-se considerar que esta nova cultivar é uma sucessora direta do capim-anão Mott.

Pelos motivos destacados acima, as cultivares do grupo Anão são recomendadas para pastejo. Porém, é importante destacar que o capim-elefante deve ser manejado sob pastejo rotacionado, evitando-se o pastejo contínuo.

Isto porque, a espécie não é tão tolerante ao pisoteio por apresentar um hábito de crescimento ereto. Justamente por ser um capim ereto, sob lotação contínua, o ponto de crescimento das plantas fica muito exposto e a seletividade dos animais pode levar as plantas à morte, e a longo prazo, levar a pastagem à degradação.

Figura 1. (A) Capim-anão Mott. (B) BRS Kurumi. Fonte: (A) Arquivo dos autores; (B) Pereira et al. (2017).

Além do superpastejo, outra causa da degradação de pastagens é a ausência de adubação a longo prazo. Algumas estratégias podem ser interessantes para contornar este problema e reduzir o uso de fertilizantes químicos.

A adoção de sistemas integrados como o sistema silvipastoril, a integração lavoura-pecuária ou ainda consórcios entre gramíneas e leguminosas forrageiras são alternativas para isso.

Recentes resultados de pesquisa indicam que o capim Mott pode ser consorciado com leguminosas volúveis (trepadeiras) como a cunhã, sem maiores problemas de competição por recursos como luz, água e nutrientes.

Entretanto, é importante ressaltar que o sucesso do uso de novas cultivares de capim-elefante para pastejo, colheita manual ou mecânica, ou ainda para a produção de silagem, dependerão de um conjunto de estratégias de manejo relacionadas ao plantio e estabelecimento da cultura, adubação e tratos culturais.

A avaliação das condições climáticas (precipitação e temperatura) de cada região e a disponibilidade de água para irrigação, caso necessário, também são pontos que merecem atenção.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como! 

Autores
Pedro Henrique Ferreira da Silva
Tafnes Bernardo Sales
Júlia dos Santos Fonseca
Márcio Vieira da Cunha

 

Referências
LIRA, M. A. et al. Capim-elefante: fundamentos e perspectivas. Recife, PE: IPA/UFRPE, 2010. 229p.

PEREIRA, A. V.; LÉDO, F. J. S.; MACHADO, J. C. BRS Kurumi and BRS Capiaçu-New elephant grass cultivars for grazing and cut-and-carry system. Crop Breeding and Applied Biotechnology, v. 17, n. 1, p. 59-62, 2017.

SILVA, J. K. B. et al. Dwarf versus tall elephant grass in sheep feed: which one is the most recommended for cut-and-carry? Tropical Animal Health and Production, v. 53, n. 1, p. 1-14, 2021.

SILVA, M. C. et al. Characters of Pennisetum spp. used for the initial selection in the genetic improvement program for elephant grass. Semina: Ciências Agrárias, v. 37, n. 4, p. 2035-2042, 2016.

SILVA P. H. F. et al. Tall and short-sized elephant grass genotypes: morphophysiological aspects, cut-and-carry, and grazing management. Ciência Rural, v. 51, n. 9, e20200848, 2021.

SOLLENBERGER, L. E. et al. Registration of “Mott” dwarf elephantgrass. Crop Science, v. 29, n. 3, p. 827-828, 1989.

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ANDERSON DE OLIVEIRA

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 26/04/2021

Ótimo texto.
Brs Capiaçu é uma espécie forrageira muita aceita e usada, especialmente pelos produtores de leite.
Algumas dúvidas bem pontuais sobre esse capim.
Por experiência de vocês, quantos kg de mudas (considerando uma estava de 3 ou mais gemas) seria necessárias para formar 1 hectare de capineira.
Para regiões de baixa precipitação anual ( média de 700mm) em sistema de sequeiro há possibilidade de realizar 2 ou mais cortes?
Desde já, agradeço.
FERNANDA TAVARES BANDEIRA DE MELLO

FEIRA DE SANTANA - BAHIA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 23/04/2021

Muito bom este material.
Gostaria de mais informações sobre as cultivares BRS Capiaçu e BRS Kurumi na região semiárida, conseguem se desenvolver bem? Quais as exigências de água e nutrientes?
Poderia indicar trabalhos publicados sobre plantio no semiárido?
PEDRO FERREIRA

ESTUDANTE

EM 28/04/2021

Boa tarde prezada Fernanda, o trabalho mais recente sobre manejo do BRS Capiaçu em região semiárida que li foi está neste link: https://doi.org/10.1007/s11250-019-02012-y (artigo do Pesquisador e Professor Flávio Pinto Monção - http://lattes.cnpq.br/4395436948865181 - e colaboradores). Aqui os autores sugerem que a idade de corte seja de 90 dias (e não 30, 60 ou 120 dias), para combinar alta produtividade e bom valor nutritivo. Neste trabalho, a saturação por bases (V) do solo foi 82%, mas acredito que algo em torno de 60-70% já seja adequado, lembrando que o capim-elefante é uma cultura exigente em fertilidade do solo. A precipitação média anual foi 876 mm e os autores colheram algo em torno de 100 t/ha de massa (matéria natural) com 120 dias de rebrota. Se houvesse possibilidade de irrigação, provavelmente a produção anual seria bem maior devido à possibilidade de mais cortes ao longo do ano. Em condições de sequeiro, uma alternativa interessante pode ser misturar o BRS Capiaçu colhido mais passado (com 120 dias) com palma forrageira, para obter um volumoso de boa qualidade.
PEDRO FERREIRA

ESTUDANTE

EM 28/04/2021

E obrigado pelo comentário!
MilkPoint AgriPoint