FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Pastejo rotacionado: principais questionamentos sobre o sistema

MARCO AURÉLIO FACTORI

EM 15/04/2016

4 MIN DE LEITURA

18
0

O que é pastejo rotacionado? 

O sistema de pastejo rotacionado nada mais é do que dividir a área em piquetes de acordo com a forrageira utilizada (número de dias de descanso) e dias de ocupação (tempo que os animais permanecem no piquete). 

 

Quais as vantagens do pastejo rotacionado?

Dentre as vantagens do sistema, temos a intensificação do uso da pastagem, aumentando a lotação da área e consequentemente a produtividade, viabilizando o manejo como um todo. Além disso, nesse sistema a forrageira é "respeitada", pois é permitido o descanso e o rebrote dela, contribuindo com a recuperação das suas reservas e fortalecendo-a a cada novo pastejo. 

Pois bem, é um sistema viável, e fácil de fazer, no entanto não é perfeito e, por isso, embora seja muito indicado, tem os seus porquês. Certa vez fui indagado sobre a utilização desse sistema em todo o território nacional.

Por se tratar de um sistema intensivo e que demanda a construção de cercas e adubação das áreas, não podemos pensar, por exemplo, que é um sistema viável no pantanal. Sim, não é. Não há possibilidade de rotacionarmos todo o território nacional, bem como intensificar tudo que queremos. Sistemas como o do Pantanal requerem outros objetivos e principalmente por serem “ecossistemas naturais” não podem ser alterados.

Ainda, pensando em Mato Grosso, grandes fazendas, muitas delas ainda pouco desbravadas ou ainda intensificadas, demandam um sistema menos intensivo, não por seu potencial e sim, por sua vasta área em que definitivamente não temos condições para intensificá-la, nem para ocupá-la com bois depois de intensificada, em função do grande potencial produtivo dela. Em síntese, para intensificar o Mato Grosso todo, temos que arrumar muito adubo e muito boi o que certamente de imediato não temos.

 

Pastejo rotacionado no inverno

Outro aspecto interessante é que por ser um sistema que aumenta a produção muitos pensam que aumentamos também o pasto no inverno e por isso não teremos que suplementar os animais. Totalmente errado.

O rotacionado, por outro lado, piora a estacionalidade de produção de forragem, pois, com o aumento da taxa de lotação, aumenta o número de animais na área e no inverno. Como a estacionalidade ocorrerá normalmente, precisaremos suplementar mais animais, ou seja, mais animais para se alimentar em comparação a uma área que suportaria menos animais. Fato curioso que deve ser levado em consideração. 

 

Produção no pastejo rotacionado


A maioria das pessoas também acredita que, ao rotacionar, os animais ganharão mais peso individualmente. Errado. No pastejo, digamos extensivo, o animal por ter uma vasta área para pastejar, acaba selecionando mais o capim e por isso ganham mais peso.

Curioso que os animais nesse sistema de pastejo caminham mais para pastejar, mas acabam engordando mais ou produzindo mais leite, pois selecionam. De uma forma coloquial, digo que o animal come o capim, e a amanhã quando ele rebrota, o animal vê e diz: "Oba.. broto novo.. vou comer".

Broto novo significa uma folha nova e que está com um alto teor de proteína e baixa fibra, o que faz o animal ganhar mais em função do maior aproveitamento do capim.

Mas, no sistema de lotação rotacionada, o ganho por animal é menor, pois ele não seleciona. No entanto, como colocamos mais animais na área com certeza o ganho por área é maior, viabilizando o sistema. Claro e evidente que temos algumas ferramentas com o “creep grazing” que nada mais é do que deixar os animais mais exigentes pastejar primeiro e, com isso, eles comem mais folhas e produzem mais, o que é um assunto para outro dia.

 

Qual a melhor forrageira para pastejo rotacionado?

Ainda há muitas discussões com relação à espécie ou cultivar utilizados no sistema,  pois muitos ainda esperam a forrageira milagrosa. Não existe. O melhor capim para o sistema é aquele que você tem, primeiramente. Em segundo lugar é aquele mais produtivo e em terceiro lugar é aquele mais barato para implantar, digamos.

Plantar um super capim ou igual ao do vizinho não resolve nada. O que resolve é você plantar um capim adequado ao seu sistema e que atenda suas necessidades, se encaixando dentro do seu sistema.



É preciso adubar a pastagem no sistema rotacionado? 

Senhores, como pode um atleta olímpico competir sem se alimentar direito? Se ele comer pouco, correrá pouco, certo? Um atleta bem alimentado “bate recordes”, não é mesmo? Um dia me disseram que uma área rotacionada de um produtor não era adubada e mesmo assim, suportava altas taxas de lotações.

Senhores, impossível. Depois de muitas perguntas fiquei sabendo que era uma área de milho, super adubada e assim por diante, explicando todo o ocorrido. Definitivamente se quisermos altas taxas de lotações temos que adubar. Lógico que com viabilidade e bom senso.

 

Pastejo rotacionado só serve para "gado de elite"?

Outro dia me falaram que pasto rotacionado só serve para gado de elite. Senhores, gado de elite tem que comer no cocho. Se ele custa milhares de reais, quem é maluco de colocar este animal no pasto? Lógico que podemos, mas rotacionado serve para animais de produção e principalmente, é claro, para aqueles mais produtivos, de potencial para ganho.

Mas venho aqui dizer que todos os animais do rebanho podem pastejar em rotacionado desde que tenha lugar para todo mundo. O sistema pode atender todos os animais desde que seja bem dimensionado. Deve ser algo planejado. Enfim, manejar pasto, acreditem, é fácil. Difícil é talvez colocar na mente de alguns que isso é necessário. Esse é o maior entrave.



Para quem quiser saber mais sobre este assunto, teremos no próximo mês um lançamento na programação de cursos do EducaPoint, o curso online “Sistema de lotação rotacionada de pastagem: manejo e aplicação”. Durante todo o período do curso, será possível tirar dúvidas e participar de discussões através do fórum de perguntas. O curso será ministrado pelo colunista deste artigo, Marco Aurélio Factori, Dr. em Zootecnia pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - UNESP/Botucatu/ SP. 

Para conferir a programação completa e garantir sua vaga clique aqui, ou entre em contato:
contato@educapoint.com.br / (19) 3432-2199.
 

MARCO AURÉLIO FACTORI

Consultor, Factori Treinamentos e Assessoria Zootécnica.

18

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCO AURÉLIO FACTORI

PRESIDENTE PRUDENTE - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 31/01/2017

Prezado Adeilson.



Sobre sua pergunta, sim, tem muita possibilidade de trabalho com este capim, no entanto deve ser rotacionado. O que importa é manejar corretamente o pasto e de suma importância, fazer as correções e adubações necessárias para atender as necessidades do capim. Att. Marco Aurélio Factori
ADEILSON CARDOSO FERREIRA

JI-PARANÁ - RONDÔNIA - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 30/01/2017

Marcos



Pretendo implantar uma área de 3 ha de mombaça no sistema rotacionada aqui em RO, região amazônica, tem algum experiencia com esse sistema por qui? Na realidade ja existem alguns, porém mau manejados
MARCO AURÉLIO FACTORI

PRESIDENTE PRUDENTE - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 10/05/2016

Prezado Luciano



A irrigação, para capins tropicais não será eficiente no frio pois faltará a temperatura e luminosidade para crescimento da forrageira e por isso você não terá produção. Se estiver trabalhando com uma cultura de inverno (aveia por exemplo) aí sim, em função das condições favoráveis para este capim, o uso da água aumentará a eficiência do sistema, uma vez que ela talvez, será a única que faltava, dentre dos requisitos, água, luz, temperatura e nutrientes. Att. Marco Aurélio Factori
LUCIANO A V RODRIGUES

CURITIBA - PARANÁ

EM 06/05/2016



Gostaria de saber se existe algum empecilho a rotação de pastagem "IRRIGADA" em clima frio? Existe algum problema? É viável? A região em questão seria a de Guarapuava no paraná que possui inverno rigoroso e geadas. A irrigação seria viável em local assim?
NIKOLAS GRANDER

TREZE TÍLIAS - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 19/04/2016

Aqui na região sul está se difundido muita a produção de leite a pasto e rotacionado, querendo seguir o sistema de produção neozelandesa, mas vejo que ainda se erra em muitos detalhes, tais como oferta de água nos piquetes, tempo de pastejo, o produtor não leva em conta que uma vaca não pasteja o tempo todo que está no piquete, ela consome alimento geralmente por duas horas e ai rumina e ainda temos perdas por pisoteio e amassamento. São coisas as vezes que passam despercebidas mas que dão grande diferença tanto na produção do animal quanto ganho de peso. Época de transição é outro problema que se deve levar em conta...
HELTON HIPOLITO DE MORAES

SÃO PAULO - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 19/04/2016

AInda com a intenção em auxiliar o amigo Wlademir, existe uma planta chamada comumente por aí no nordeste como ERVA SAL ( ATRIPLEX NUMMULARIA), que tem dados ótimos resultados a sua plantação e rega com àgua salobra e até com àgua do mar. Segue um site em formato PDF ( http://www.univasf.edu.br/~tcc/000001/000001E8.pdf ). Voce encontra maiores informações e como obter mudas nesse endereço:

Embrapa Semiárido

BR 428, Km 152, Zona Rural

Caixa Postal 23

Petrolina - PE

CEP 56.302-970

Fone: (87) 3866-3600 - Fax: (87) 3866-3815
HELTON HIPOLITO DE MORAES

SÃO PAULO - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 19/04/2016

Caro Wlademir, outro detalhe com relação a sua pretensão em irrigar sua pastagem com água salobra, é que o sal é um elemento vai reduzir e muito a vida útil de diversos componentes do sistema de irrigação. Ele irá corroer as partes do motor e dos aspersores, do coletor de água na ponta da captação. Já vi casos mal planejados em que o sistema todo foi perdido em menos de dois anos de uso, por falta de conhecimento de detalhes técnicos de extrema importância. Voce pode procurar e vai encontrar empresa em que sejam substituidos alguns ítens de ferro  e outros metais nobres, por componentes de plástico de alta resistência, porém nem todos, muita coisa se perde com o uso de água salobra. Verifique o nível de salobridade antes( testes químicos) mostre os resultados das análises e avalie as propostas doas empresas fornecedoras do material e a garantia que elas te oferecerão. mas o principal é que vc nunca assine nada sem ler nas entrelinhas e sem contrato, não faça opção pela empresa X ou Y. Picaretas tá cheio por aí, e o barato pode te sair caro. Quanto a medição da vazão por  litros ou metros cúbicos água/h, o pessoal da empresa faz isso rápidamente. Espero ter ajudado.
MARCO AURÉLIO FACTORI

PRESIDENTE PRUDENTE - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 19/04/2016

Prezado Gildalvo



Sobre sua duvida, pode sim ser feito sem problemas. Att. Marco Aurélio Factori
MARCO AURÉLIO FACTORI

PRESIDENTE PRUDENTE - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 19/04/2016

Prezado Pedro



Estes capins ainda existem porém não não mais utilizados em grande escala pois foram lançados outros capins melhores os quais acabaram substituindo estes pois são mais produtivos. Ainda existem e podem ser utilizados sem problema com algumas ressalvas para cada um. Att. Marco Aurélio Factori
MARCO AURÉLIO FACTORI

PRESIDENTE PRUDENTE - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 19/04/2016

Prezado Wlademir



Sobre sua dúvida, o capim mencionado é um excelente capim. Tome, somente, cuidado, para a irrigação com esta água salobra, que a longo prazo poderá lhe causar problemas. Att. Marco Aurélio Factori
LEONARDO JOSÉ LENTE

CÁCERES - MATO GROSSO

EM 19/04/2016

Olá Givaldo, bom dia.

Você pode sim fazer pastejo rotacionado na dictyoneura, ela é bastante resistente ao pisoteio, quando bem manejada em uma condição de solo adequado, tem boa produção e é de fácil manejo.
GILDALVO FERRO MENDONÇA

CHAPADÃO DO SUL - MATO GROSSO DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 18/04/2016

gostaria de saber se posso fazer o rotacionado na dictyoneira
PEDRO LUIZ MARTIMIANO

CACHOEIRA PAULISTA - SÃO PAULO

EM 18/04/2016

eu concordo que não exsta um capim milagroso mas tenho notado a falta de alguns como o capim gordura o jaragua e o capim angola alguém sabe
JOSÉ ANÍBAL DO AMARAL

ITAPERUNA - RIO DE JANEIRO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 18/04/2016

Na região sudeste , nós só podemos pensar em rotacionado se tivermos condições de irrigar pois com o clima totalmente modificado pelo desmatamento da AMAZÔNIA, não temos mais as chuvas regulares do verão e como temos veranicos isso inviabiliza qualquer tentativa de sucesso na rotação de pastagens em nossa região.
LEONARDO JOSÉ LENTE

CÁCERES - MATO GROSSO

EM 18/04/2016

Bom dia Wlademir,

Em resposta a sua pergunta, digo o seguinte:

Não há uma forrageira ideal, para cada caso  deve se responder a outras perguntas como por exemplo;

Qual o tipo do solo, qual a fertilidade e suas características física, topografia do terreno, tamanho da área disponível para implantação da forragem, que tipo de animais se pretende trabalhar, qual o manejo a ser utilizado, conhecimento técnico do que se pretende implantar, qual a viabilidade entre outras perguntas que só com informações detalhadas do local para te fornecer maiores informações.

Não conheço sua região, mas não te recomendaria o mombaça, apesar de, ser uma excelente forrageira é altamente exigente em nutrientes e manejo, também pelo seu hábito ereto, talvez em seu caso seria melhor utilizar uma forragem de hábito decumbente.

Outro porém é quanto a qualidade e composição da água água que se pretende irrigar, você tem que levar em conta os custos operacionais, bem como os custos de implantação, não se esqueça de ver se ha vazão suficiente no poço.

Recomendo que faça uma análise da mesma, só assim saberá sua composição bem como se será recomendada para este fim. Digo isto, pois a mesma pode conter elementos que em um uso intensificado (irrigação) poderá ser prejudicial  para a forrageira. Desta mesma forma também poderá acarretar problemas no solo.

Seria ideal que você procurasse um técnico da área para te orientar com segurança.



Espero ter te ajudado, e estou a disposição.



Sucessos


JOSÉ ANTÔNIO REIS

VIÇOSA - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 18/04/2016

Melhor capim é aquele bem tratado;

Solo bem preparado;

Corrigido;

Adubações de acordo com a  análise do solo;

Manejo adequado; etc.

Com estes cuidados, você terá uma ótima pastagem, com ótimo rendimento. Hoje, com a escassez de água, acho que é geral. Se tiver como irrigar, melhor ainda.
ALBERTO BEZERRA SILVA

ARACAJU - SERGIPE - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/04/2016

Muito bom!
WLADEMIR FELIX PEREIRA

ALTINHO - PERNAMBUCO

EM 16/04/2016

Boa noite

Tenho uma pequena propriedade rural, estou estruturando meu terreno para a criação de gado, estou pensando em planta o capim Mombaça, seria o ideal, para o agreste pernambucano? Irei irrigar com água salobra de poço, o mesmo aceita bem mantém produtividade?
MilkPoint AgriPoint