FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

UE cobra Brasil e diz que proteção ambiental vai na 'direção errada'

A comissária de Comércio da União Europeia (UE), Cecília Malmstrom, alertou nesta quarta-feira o Brasil que os compromissos ambientais assumidos pelo país no acordo de livre comércio UE-Mercosul ''não são apenas palavras vazias'' e precisam ser realmente cumpridos. ''Infelizmente, as coisas atualmente parecem estar indo na direção errada'', afirmou a comissária, em referência ao desmatamento e incêndios na Amazônia que causaram reação internacional.

Ela advertiu que um fiasco do Brasil em não respeitar os compromissos ambientais ''poderá complicar o processo de ratificação (do acordo) na Europa''. França, Irlanda, Luxemburgo, Finlândia e Eslovênia já disseram que, nas condições atuais, não assinam o acordo que dá vantagem para as empresas dos dois blocos, com alíquotas menores e eventuais preços mais baixos para os consumidores.

Falando sobre ''verdades no comércio'', em evento de um ''think tank'' ontem em Bruxelas, a representante europeia destacou que nos acordos comerciais negociados pela UE foram introduzidas cláusulas ambientais. A visão de Bruxelas é de que isso amarra os participantes com a implementação de tratados internacionais como o Acordo de Paris de combate a mudanças climáticas.

''É parcialmente por isso que nosso recente acordo com os países do Mercosul é tão importante'', afirmou, notando que o compromisso vincula o Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai juntos com a UE, num momento em que os EUA abandonaram o Acordo de Paris e encorajam outros a fazer o mesmo.

No entanto, acrescentou, há momentos em que as evidências ''estão diante de nossos olhos'', chamando atenção para os incêndios desenfreados na floresta amazônica. ''Isso é profundamente preocupante, a Amazônia fornece grande parte do oxigênio do mundo e deve ser protegida'', afirmou.

Para a representante europeia, ''o Brasil tem boas leis sobre desmatamento e precisa respeitá-las''. E acha que o acordo UE-Mercosul tende a ser parte da solução na área ambiental, para proteger a floresta. ''Mas devemos deixar muito claro para o Brasil que esperamos dele que cumpra os compromissos que fez sobre desmatamento e o Acordo de Paris (contra mudança climáticas), que são replicados no acordo de livre comércio'', cobrou ela.

A mensagem europeia deixada por Cecília Malmstrom é de vísivel dúvida sobre a vontade de o governo de Jair Bolsonaro implementar os compromissos ambientais. Cecília Malmstron deixa o cargo de comissária de comércio no fim de outubro, quando uma nova Comissão Europeia assumirá em Bruxelas. As sinalizações são de que a Europa vai endurecer no vínculo comércio/meio-ambiente.

Esta semana, a ministra de Meio-Ambiente da Alemanha, Svenja Schulze, propôs a inclusão de um sistema de certificação para carne bovina e soja no acordo de livre comércio UE-Mercosul, no rastro das queimadas na Amazônia. ''Soja e carne bovina só devem ser autorizadas a ser importadas se ficar provado que a produção não causou danos à floresta tropical'', alegou.

Leia também >  Lei & Marketing, o agro nacional precisa

As informações são do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.