FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Queijo ''bêbado'' teria origem na 1° Guerra Mundial

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 05/02/2021

2 MIN DE LEITURA

0
4

Em 1917, o exército do Império Austro-Húngaro, vencedor da sangrenta Batalha de Caporetto, invadiu o nordeste da Itália. Quando os moradores de Treviso ficaram sabendo que os soldados opositores estavam saqueando as casas da região, decidiram esconder alimentos.

Acredita-se que, por conta disso, blocos de queijo fabricados na região foram parar em barris com bagaço de uva, os restos do processo da produção de vinho.

Quando os ataques cessaram, o queijo recuperado exibia aparência, gosto e textura completamente diferentes. A casca tornou-se mais grossa e ganhou tons de roxo. Na boca, demonstrou um agradável e único sabor de vinho. Tratava-se de um queijo ubriaco, ou bêbado, em português

Bruno Cabral, especialista brasileiro que trabalha com queijos na Espanha, conta que o processo foi popularizado por toda a Europa. Em diferentes países é possível encontrar exemplares que, embora não necessariamente sejam feitos da mesma forma, têm em comum a passagem pelo bagaço.

"O queijo levemente salgado ganha contraste com o adocicado da uva e do vinho na maturação. Além disso, fica com a textura mais pastosa e macia."

Ocelli al Barolo

Um dos mais conhecidos é o Ocelli al Barolo, do produtor italiano Beppino Ocelli. Produzido com leite de cabra e de vaca, amadurece alguns meses em tábuas de madeira e depois em bagaço enriquecido com vinho de uvas Barolo. "É um queijo delicado, com um toque amanteigado."

Na região da Catalunha, na Espanha, o chamado Brisat, da queijaria Mas d'Eroles, é feito com leite de vaca cru. Durante a maturação de pelo menos 60 dias, a crosta de cada peça é lavada periodicamente com borras de vinho tinto.

Queijo italiano Ocelli al Barolo

Rogue River Blue

Outro queijo "bêbado" que merece atenção é americano e foi considerado o melhor do mundo no Prêmio Mundial de Queijo em 2019. Chamado de Rogue River Blue, é produzido em Oregon apenas durante o outono. Depois de nove ou onze meses envelhecendo em cavernas, as peças de queijo azul são envolvidas em folhas de uva Syrah orgânicas e embebidas em álcool de pera.

Mesmo sem provar nenhum dos três exemplos, a possibilidade de juntar dois produtos que harmonizam entre si — queijo e vinho — numa única mordida desperta o interesse e a gula de muita gente. "As histórias do queijo e do vinho sempre atraem as pessoas", afirma Bruno.

Os primeiros do mundo

Bruno conta que os primeiros queijeiros a inserirem bebidas alcoólicas no processo de maturação do queijo não foram os italianos, mas os monges trapistas da Bélgica e dos Países Baixos. 

"Há alguns séculos, eles não gostavam e nem queriam que o queijo apresentasse mofo. Por isso, limpavam as cascas com panos embebidos na salmoura com cerveja produzida por eles. O queijo, durante o processo de maturação com a técnica de casca lavada, retinha umidade no seu interior.

Ficava mais macio e cremoso. Com o passar do tempo, foi descoberto que na superfície da casca desses queijos nascia uma bactéria que culminou numa nova família de queijos, a de cascas laranjas. Exemplos são o taleggio e o reblechon."

As informações são do UOL. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint