ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Inovações em lácteos, less is more: menos é mais!

POR LETÍCIA MOSTARO MAGRI

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 23/09/2021

3 MIN DE LEITURA

0
4

Se você já assistiu ao programa Masterchef Brasil, uma competição culinária na qual frequentemente os cozinheiros são desafiados a pensar fora da caixinha, com certeza já escutou essa frase do chefe Henrique Fogaça: less is more!

Afunilando esse pensamento e pensando no setor lácteo, é exatamente isso que estamos vivenciando e com tendência de crescimento: produtos com menos ingredientes em suas formulações é uma das exigências do mercado consumidor. Então, o menos é mais faz totalmente sentido quando pensamos em inovações e lançamento de produtos lácteos.

Essa tendência é fortemente atrelada com a busca por produtos que ofereçam uma maior saudabilidade e bem-estar. Na indústria láctea, como as demais de alimentos, isso se traduz em oferecer ao consumidor produtos com menores teores de açúcar, gordura saturada, sódio, calorias e aditivos como os corantes artificiais. Todos estes pontos foram discutidos no primeiro dia do Fórum MilkPoint Mercado, realizado na última terça-feira (21).

De acordo com dados de uma pesquisa expostos em palestra por Gabriel Martini, da Döhler Brasil e Cone Sul, 62% dos consumidores evitam ativamente corantes artificiais em alimentos e bebidas. Além disso, ainda de acordo com Martini, os consumidores preferem reivindicações para todos os produtos naturais: "de fontes naturais" ou "100% natural."

Neste contexto, a redução de açúcar é o grande desafio do setor, uma vez que os consumidores desejam reduzir sua ingestão sem comprometer o sabor. Por isso, a indústria vem buscando alternativas, como o “uso de mel e stevia,” aponta Gabriel.

Retomando às questões de saudabilidade e bem-estar, segundo Ana Paula Gilsogamo, Analista Sênior da Alimentos e Bebidas – Mintel e também palestrante do evento, “os consumidores estão preocupados e dispostos a pagar mais por produtos com maiores atributos relacionados à posicionamentos saudáveis.

De acordo com dados da Mintel, os laticínios, como queijos e o próprio leite, já estão relacionados a hábitos saudáveis. Nesta vertente de consumo, Ana Paula destaca que a busca por produtos que auxiliem o sistema imunológico e digestivo, a saúde mental, emocional e cognitiva cresceu entre os brasileiros. 

Neste ponto, a Analista aponta que “as bebidas lácteas atendem a uma variedade de necessidades funcionais de bem-estar.” Neste item, Gabriel Martini também destaca que os “iogurtes bebíveis” estão muito atrelados à pauta de saudabilidade, pois englobam “frescor, vitamina C, B e probióticos.”

Mas, assim como os jurados do Masterchef querem pratos saborosos e que despertem prazer, o mesmo é esperado dos produtos lácteos pelos consumidores. Nesse raciocínio, Ana Paula frisa a indulgência ao sabor como uma forte tendência de consumo.

De acordo com ela, em uma pesquisa realizada pela Lightspeed/Mintel, 56% dos consumidores brasileiros mencionaram “sabores indulgentes” quando buscam por lácteos, como, por exemplo, iogurte com sabores de sobremesa. Além disso, 67% da maioria dos brasileiros enxerga o queijo como saboroso e que sentem prazer em comer e 27% relataram gostar de ter mais opções alternativas de leite, como leite saborizado.

Além do sabor, assim como as diferentes texturas em um prato são importantes, nos produtos lácteos não é diferente. Conforme a Lightspeed/Mintel os consumidores brasileiros buscam sobremesas e doces com textura adicionada (por exemplo, pedaços de frutas ou nozes).

Dessa forma, a indulgência abre um leque enorme para os laticínios. É possível adicionar aos produtos raspas de limão, chocolate e laranja, por exemplo (indulgência à textura). Também é possível utilizar preparados de frutas, como nos iogurtes bi ou tricamada (indulgência ao sabor). Mais que isso, é possível conciliar ambas as indulgências com às questões de naturalidade e alimentação saudável.

Além do produto em si, os consumidores estão atentos à sustentabilidade e ao bem-estar animal. Neste ponto, as possibilidades de inovações lácteas se voltam para duas frentes: embalagens e produtos orgânicos.

Em relação à primeira frente, embalagens recicláveis e com menor quantidade de plástico são bons exemplos de ações voltadas à sustentabilidade. Novamente, temos o “less is more.” Sobre o bem-estar animal, é possível observar nas gôndolas a crescente presença de embalagens com Qr Code, que por meio da rastreabilidade, permitem os consumidores saber da origem dos produtores porteira adentro. Entretanto, para Gilsogamo, não basta a indústria do leite inovar e agir nestas frentes, “é preciso comunicar ao consumidor,” ressaltou.

Retomando ao Masterchef, muito mais que uma competição culinária, o programa também entrega entretenimento e diversão. Novamente de encontro à atração, para Gabriel Sartini, outra vertente de inovações lácteas é “misturar tudo e divertir o consumidor entediado.” Como exemplos, Sartini elenca sabores sazonais, remix e produtos híbridos, e a mistura de texturas e sabores (doce e salgado).

Enfim, os caminhos e oportunidades das inovações em lácteos são muitos! Mas, é válido ressaltar que todos precisam ir de encontro ao “chefe final”, ou seja, ao consumidor. Lembre-se: less is more, menos é mais!

 

*Fonte da foto do artigo: Freepik

LETÍCIA MOSTARO MAGRI

Bacharela em Ciência e Tecnologia de Laticínios, UFV

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint