ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Importações caem 32% em 2017

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 08/01/2018

2 MIN DE LEITURA

4
0

O fechamento dos números da balança comercial láctea confirma queda no volume, em equivalente leite, importado pelo Brasil em 2017. Foram cerca de 1,28 bilhão de litros importados, volume 32% menor que em 2016. Somente analisando o mês de dezembro, o Brasil importou 76,8 milhões de litros de equivalente leite, volume estável em relação a novembro, mas 47,5% menor que no mesmo mês de 2016. 

Segundo estimativas da equipe do MilkPoint Mercado, o volume importado em 2017 representou cerca de 5,3% da produção total formal de leite no país. Trata-se de um considerável recuo depois do pico de volume de importações em 2016 (quando foram importados 1,9 bilhão de litros, cerca de 8,2% da produção formal daquele ano – observe, no gráfico 1, a evolução das importações em equivalente leite e sua participação % sobre a produção formal).

Gráfico 1. Importação anual de leite no Brasil e % do volume importado sobre a produção formal. Fonte: Elaborado pelo MilkPoint a partir dos dados da AliceWeb e do IBGE (2017 estimativa).


Desta forma, o crescimento da produção brasileira em 2017, associado ao enfraquecimento do consumo e à queda nos preços internos, foram determinantes para a queda no volume importado. Entretanto, vale destacar o aumento do preço em US$/litro do produto importado. Em 2017, o preço médio do litro de equivalente leite foi de US$ 0,44, 26% maior do que US$ 0,35 em 2016. Sendo assim, mesmo com queda de 32,3% no volume importado, o Brasil gastou “apenas” 14,7% a menos em 2017 (US$ 561,9 milhões) do que em 2016 (US$ 658,4 milhões) na importação de lácteos. No gráfico 2, mostramos a evolução do valor em US$/litro do produto importado. 

Gráfico 2. Gastos nas importações lácteas em US$/Litro. Fonte: Elaborado pelo MilkPoint a partir dos dados da AliceWeb.

Quando à origem do leite importado, a Argentina retomou a liderança entre os maiores fornecedores brasileiros, respondendo por 51% do volume comprado pelo Brasil, aumento de 7,2 pontos percentuais em relação a 2016. Enquanto isso, o Uruguai tomou o caminho oposto, e diminuiu sua participação em 8,8 pontos percentuais em 2017, tendo sido responsável, em 2017, por 36,8% do volume de compras lácteas brasileiras (observe o gráfico 3). 

Gráfico 3. Participação nas origens dos lácteos importados pelo Brasil. Fonte: Elaborado pelo MilkPoint a partir dos dados da AliceWeb.


Nas exportações, em 2017 o Brasil retornou a níveis que não ocorriam desde 2011, com 38,6 mil toneladas foram exportadas, o segundo menor volume desde 2001. Na comparação anual, a queda de 31,2% é a mais acentuada desde 2011. Mesmo assim, o saldo da balança comercial de lácteos voltou a retrair-se em 2017, voltando aos níveis de 2010 e 2011, graças às fortes quedas nas importações, como mostra o gráfico 4. 

Gráfico 4. Saldo da balança comercial de lácteos no Brasil. Fonte: Elaborado pelo MilkPoint a partir dos dados da AliceWeb. 
 

Na tabela abaixo, é possível acompanhar de forma detalhada a balança comercial dos principais produtos lácteos do Brasil no último mês. 

Tabela 1. Exportações e importações por categoria de produto. Fonte: Elaborado pelo MilkPoint Mercado a partir dos dados da AliceWeb. 

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

PAULO MOREIRA - NÚCLEO REGIONAL NORTE

PORTO VELHO - RONDÔNIA - PESQUISA/ENSINO

EM 11/01/2018

Como sempre perfeita a abordagem feita pelo Roberto Jank. As importações de lácteos além das cotas, quando estabelecidas, ocorriam  (e poderão voltar) muito mais pela incompetência do setor. As enxurradas de artigos, entrevistas, propostas raivosas contra a entrada de leite do Uruguay encobriam a nossa fragilidade. Suspendeu-se as importações do Uruguay. E daí?
VOLNEI JOÃO MELLER

CRICIÚMA - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 09/01/2018

O governo brasileiro em outubro interrompeu a importação de leite do Uruguay, mais barato que o argentino e outros. O gráfico mostra um incremento nas importações tanto do leite argentino, quanto de outros países. A decisão de suspensão das importações do Uruguay, não trouxe benefício aos produtores brasileiros e trouxe prejuízo à economia brasileira.
VALDIR GOERGEN

AUGUSTO PESTANA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/01/2018

Olá Roberto

Parabéns pela abordagem.

Gostaria que se possível aprofundar este assunto, pois é muito importante para nós produtores ter um conhecimento maior.

Um abraço

Valdir Goergen
ROBERTO JANK JR.

DESCALVADO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/01/2018

Interessante como o fiel da balança nas importações não é a competência do setor e sim a taxa de cambio. Tivemos preços em Reais menores em 2017 quando comparados a 2016, porém em dólares o custo unitário do leite importado foi 26% maior em 2017.

Qual a mágica? Apenas a taxa de cambio...
MilkPoint AgriPoint