FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Forte quebra nos EUA beneficia exportação brasileira de milho

São Pedro tem ajudado os produtores brasileiros de grãos nas últimas safras. No ciclo 2018/19 não será diferente. A quebra de safra de milho dos EUA - maiores produtores e exportadores do cereal - na temporada que está sendo semeada agora (2019/20) poderá ser ainda maior que a esperada e, nesse contexto, o Brasil, segundo principal fornecedor global, tende a ser beneficiado.

"O percentual da área americana considerada ruim e muito ruim está mais elevado que o registrado em 2012, quando a quebra foi bem significativa. Este é o pior início de safra de milho da história dos EUA", disse Marco Antonio dos Santos, agrometeorologista da Rural Clima, durante evento promovido pela Syngenta em Campinas (SP).

De acordo com o Departamento dos EUA (USDA), a proporção de área considerada ruim e muito ruim chegava a 9% do total cultivado em 9 de junho. O relatório de 18 de junho de 2012, uma semana mais tarde naquele ano, mostrava também 9% da área em condições ruins ou muito ruins.

Diante das intempéries, o USDA, em relatório divulgado ontem (11/06), reduziu sua estimativa para a colheita do país em 2019/20 para 347,5 milhões de toneladas, quase 35 milhões a menos que o projetado em maio e volume 5,1% inferior ao de 2018/19. Na comparação, as exportações americanas deverão cair 2,3%, para 54,6 milhões de toneladas, e os estoques finais do país tendem a recuar 23,7%, para 42,6 milhões. "Nosso número hoje é de produção nos EUA de até 325 milhões de toneladas em 2019/20, mas com viés de baixa. O que está sendo plantado agora já está praticamente fora da janela climática, deve ter baixa produtividade", disse Santos.

Com a demanda externa aquecida e a indústria aumentando o consumo, a tendência é de preços altos no Brasil. "O produtor vai rir à toa. A safrinha terá alta produtividade", disse Santos. A tendência é que aumente a demanda externa pelo milho brasileiro, o que deve contribuir para elevar os preços domésticos.

Em suas contas, os embarques brasileiros de milho alcançarão 34 milhões de toneladas na temporada 2018/19. A Associação Nacional de Exportadores de Cereais (Anec) prevê 31 milhões, enquanto a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) elevou ontem sua projeção para 32 milhões de toneladas, ante as 24,8 milhões de 2017/18.

A demanda pode elevar o prêmio pago pelo milho brasileiro nos portos. Segundo Luiz Fernando Roque, consultor da Safras & Mercado, em Santos (SP) e em Vitória (ES) o prêmio está em 25 centavos de dólar sobre a cotação do bushel na bolsa de Chicago para a entrega à vista e em 15 centavos de dólar para entrega em agosto.

Com o início da entrada da safrinha no mercado, os prêmios recuaram, mas tendem a voltar a subir com a quebra americana. Na semana passada, o prêmio pago estava em 40 centavos de dólar por bushel, e há um ano em 97 centavos de dólar, impulsionados pelas quebras de produção no Paraná e em Mato Grosso do Sul - segundo e terceiro principais Estados produtores.

O aumento das exportações também se tornará viável graças à recuperação da colheita. No relatório divulgado ontem, a Conab passou a estimar a produção brasileira total de milho em 2018/19 em 97 milhões de toneladas, 20,2% mais que em 2017/18. Do total, 26,3 milhões de toneladas vieram da primeira safra (queda de 1,8%) e 70,7 milhões serão colhidas na "safrinha" (alta de 31%).

Conforme o IBGE, que também divulgou ontem novas estimativas para a colheita brasileira de grãos, a segunda safra de milho de 2019, principal sustentáculo das exportações, chegará a 68,2 milhões de toneladas, 22,6% mais que a do ano passado, e baterá novo recorde.

"O ano agrícola começou mais cedo. As chuvas previstas para outubro caíram na segunda quinzena de setembro, antecipando o plantio da soja. Isso expandiu a janela de plantio do milho, que por sua vez pegou um clima favorável por mais tempo. E o aumento nos preços na época do plantio completou o quadro positivo", disse Carlos Antônio Barradas, o gerente da pesquisa do IBGE.

As informações são do jornal Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.