ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Boas práticas de ordenha e produção de queijos artesanais

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 19/02/2021

3 MIN DE LEITURA

1
4

A qualidade do leite é um dos principais gargalos do setor lácteo, sendo um fator decisivo para a qualidade de queijos artesanais produzidos a partir do leite cru. Nesse sentido, a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG) atua na difusão de tecnologias juntamente com orientações técnicas para instruir os produtores, a qual estão reunidas em uma cartilha gratuita no site da empresa. 

De acordo com a pesquisadora da EPAMIG, Cristiane Viana, os principais fatores que modificam a qualidade do leite são a presença de colostro, mastite e ausência de higiene adequada durante a ordenha e nos equipamentos.

“O produtor precisa estar atento ao manejo adequado dos animais durante a ordenha, assim será possível detectar sinais de doenças como a mastite. Além disso, é necessário fazer a limpeza correta do úbere e lavagem das tetas. Cuidados na higienização e na manutenção dos equipamentos são igualmente essenciais. A qualidade do leite é um bom indicativo da saúde do rebanho e da higiene do sistema de produção. E as indústrias de laticínios já estão pagando mais por isso”, pontua Cristiane.

A mastite está entre as principais e mais recorrentes doenças dos rebanhos leiteiros ao redor do mundo. Ela é capaz de reduzir a produção de leite de uma vaca em até 20% e algum casos até causar perda total da capacidade secretora da glândula mamária.

Um importante parâmetro de indicativo de mastite é a  contagem de células somáticas (CCS) do leite. Cristiane explicou que quanto menor este valor, melhor será a  qualidade do leite  e menores serão as perdas durante a produção. O resultado disso é refletido na redução da utilização de antibióticos para tratamento da mastite, reduzindo o risco de contaminação do leite com resíduos.

“O Brasil tem apresentado muitos avanços em relação à qualidade do leite produzido. Os programas de prevenção e controle da mastite são baseados em práticas de manejo na ordenha, com ênfase na desinfecção dos tetos pós-ordenha, utilização correta do equipamento, antibioticoterapia terapêutica e profilática, segregação ou descarte de animais persistentemente infectados”, ressalta Cristiane.

Mas não é só a mastite que os produtores de leite e queijarias devem estar atentos. Doenças como a tuberculose e a brucelose também devem ser motivo de atenção. Pensando nisso, o governo brasileiro tem programas de diagnóstico e de vacinação que o produtor precisa seguir afim de garantir a saúde do rebanho.

Instalações da ordenha

É de conhecimento de todos: não se produz um queijo bom com leite de má qualidade. Nesse sentido, foi elaborada a cartilha para o produtor de leite “Boas Práticas da Ordenha”, a qual está disponível gratuitamente no site da EPAMIG, trazendo orientações técnicas com o objetivo de reduzir a carga microbiana do leite.

Junio de Paula — Psquisador da EPAMIG — um leite de boa qualidade refere-se aquele que garante a segurança microbiológica do produto, tem um bom rendimento industrial e garante aos uma boa vida útil de prateleira. 

Depois da atenção a possíveis doenças do rebanho, é fundamental a execução de requisitos sanitários durante a ordenha, sendo eles:

  • O local deve ser arejado e com boa ventilação
  • O piso deve facilitar o escoamento de água
  • A instalação deve dispor de torneiras com água potável, sabão, toalhas de papel em local acessível

Importante enfatizar que  local de ordenha deve ser higienizado diariamente para remoção o esterco e sujeiras para evitar a proliferação de moscas e outros insetos. Ademais, todo lixo gerado durante a atividade deve ser corretamente descartado. Outra questão fundamental: só as vacas são bem-vindas, nada de outros animais!

Higiene do ordenhador

Junio também ressalta que não adianta os cuidados de higiene nas instalações da ordenha não são por si só suficiente. É preciso atenção com condições de higiene do ordenhador. Ele precisa estar com as unhas cortadas e limpas, usar touca ou boné, lavar as mãos e braços antes do início da ordenha e toda vez que sujá-los. Também é proibido fumar no local. É interessante ressaltar que estas ações são válidas para as ordenha manuais e mecânicas. 

Outras orientações para produção de queijos artesanais

No processo de produção de queijos artesanais, também é importante o acompanhamento de todo processo produtivo, sendo eles desde a obtenção do leite e armazenamento dos queijos, passando pelas condições de maturação e sanidade do rebanho. 

As informações são da Epamig, adaptadas pela Equipe MilkPoint.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

HUMBERTO CSAKY PERLINGEIRO

TERESÓPOLIS - RIO DE JANEIRO

EM 22/02/2021

Este artigo auxilia o produtor a alcançar suas metas produtivas de um modo consciente, oferecendo segurança ao trabalhador rural e todo cuidado com o ser - a fêmea lactante - na saúde e bem - estar aos animais.
MilkPoint AgriPoint