ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Agrofuncionário do mês, Felipe Torteli: "queremos que o colaborador cresça junto com a fazenda"

Com o intuito de homenagear a mão de obra rural, fundamental para todas as atividades do agronegócio e cada vez mais escassa, o MilkPoint está retomando o “Especial AgroFuncionário do Mês”. O objetivo é conhecer com mais detalhes quem são as pessoas que trabalham nos bastidores, mas, ao mesmo tempo, são essenciais para o negócio como um todo, colaborando com grandes benfeitorias dentro das fazendas leiteiras em todo o país. 

Para o médico veterinário Felipe Alonso Trídico Torteli, o segredo para manter o funcionário há bastante tempo e motivado na fazenda, é necessária uma boa convivência, o respeito e a motivação para que as pessoas alcancem as suas metas dentro da propriedade. “A ideia, é que, além da fazenda crescer, o funcionário cresça junto”, disse.

Felipe é proprietário da Fazenda Santa Cruz, localizada em Santo Antônio da Alegria/SP, e um dos seus três funcionários está com ele há seis anos. “Ele se chama Lucas Donizete e começou como tratador de bezerras. Como ele se destacou, quando o casal de retireiros saiu, decidimos por sua promoção, que ao meu ver, foi bastante acertada, já que são perceptíveis o seu comprometimento e dedicação com a profissão e com os animais”, completou.

Letícia Pires, esposa de Lucas, está na fazenda há três anos. “Dois momentos que marcaram a nossa convivência foi quando ele começou a inseminar os animais e na sequência, após nove meses, nasceu o primeiro animal resultado disso”.


Lucas e Letícia

Recrutamento de funcionários

A mão de obra representa uma boa parcela dos custos e tem influência direta na qualidade do leite e na produtividade do negócio como um todo. Falta de comprometimento com as atividades da fazenda resultam em baixo rendimento e qualidade do funcionário. Quando questionado sobre como a Fazenda Santa Cruz recruta novos funcionários, Felipe ressaltou que as contratações raramente ocorrem visto que tem baixa rotatividade. “O meu outro colaborador, o João, está conosco há um ano e três meses. Quando necessário, selecionamos a mão de obra com o perfil da nossa propriedade e pessoas que estejam engajadas com o propósito da fazenda’.

Com relação à administração das particularidades de cada funcionário e os meios para melhor aproveitá-las, Torteli afirma que nada mais contundente que um bom diálogo e respeito entre ambas as partes. “Em um momento complicado economicamente que estamos passando, nada melhor do que ter parceiros ao lado, que querem desenvolver profissionalmente e fazendo com que a fazenda cresça e se desenvolva”.

O desafio da mão de obra: o que mais estimula os funcionários a ficarem hoje na leiteria?

Aproveitando o ensejo, é interessante reforçar que no Interleite Brasil 2018, evento que ocorreu em agosto, a Equipe MilkPoint utilizou uma ferramenta para interagir com o público. Uma das principais ideias, foi coletar a opinião dos participantes por meio de enquetes e uma delas levantou o seguinte tema: O que mais estimula os funcionários a ficarem hoje no campo?

A opção que obteve o maior número de respostas foi ‘Condições básicas de vida para o funcionário e a sua família (40%)’. Em segundo ficou ‘Motivação e possibilidade de crescimento profissional (33%)’ e em terceiro, ‘Salário (18%)’. Saiba mais aqui.

Em artigo recente publicado na seção Espaço Aberto do MilkPoint, Decio Luiz Gazzoni, Membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS), Engenheiro Agrônomo e pesquisador da Embrapa Soja, disse que o primeiro desafio da mão de obra no campo é quantitativo: “está cada vez mais difícil encontrar cidadãos que aceitem enfrentar o repto de trabalhar no campo. Muitos dos que lá se encontram almejam migrar para as cidades. Quem já está na cidade, dificilmente retorna ao campo, mesmo em um quadro de desemprego, e não obstante ofertas de remuneração maior”. 

Segundo ele, o segundo desafio é o da qualidade. “A acelerada evolução tecnológica do agronegócio impõe a necessidade de conhecimentos cada vez mais especializados. E a dinâmica acentuada da evolução exige permanente reciclagem. A imposição de regras de sustentabilidade para o agronegócio – seja ambiental, social ou econômica – exige uma qualificação ainda maior de quem aceita o trabalho no campo”.

Sua propriedade também conta com um funcionário que é o braço direito nos afazeres do dia a dia? Você gostaria de homenageá-lo? Participe do “Especial AgroFuncionário do mês” enviando um e-mail para contato@milkpoint.com.br

RAQUEL MARIA CURY RODRIGUES

Zootecnista pela FMVZ/Unesp de Botucatu e Coordenadora de Conteúdo dos Portais MilkPoint e MilkPoint Indústria

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

NELIO RAMOS

GOIÂNIA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 25/10/2018

Raquel,
Eu tenho umas perguntas para o Felipe: Ele faz uma reunião mensal ou semanal com os seus funcionários, em ambiente tranquilo, fora do contexto profissional, e pergunta a eles se eles estão satisfeitos com o seu trabalho, da forma que o fazem, ou se tem alguma sugestão para melhorar a sua performance do dia a dia?
Se ele realmente reconhece que eles são os seus "eleitos", o que ele faz para premiar as suas metas atingidas?
Há alguma premiação financeira ou um bem útil como uma TV nova ou algo similar?
Se nada disto ocorre, e fica apenas no "discurso bonito" e o funcionário não participa dos bons resultados....
RAQUEL MARIA CURY RODRIGUES

PIRACICABA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 25/10/2018

Olá Nelio, tudo bem? Pode deixar que farei a ponte com o Felipe. Em breve ele te responde aqui 'pessoalmente'. Abraços e obrigada por sua participação!
FELIPE ALONSO TRIDICO TORTELI

SANTO ANTONIO DA ALEGRIA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/10/2018

Bom dia Sr Nelio! Eu não faço reunião mensal, converso diariamente com eles, em forma de um bate papo, pra eles exporem as questões pertinentes ao trabalho deles e até meu mesmo! Temos uma conversa franca, onde eles colocam questões profissionais e até pessoais, se eles acharem necessario!
Conforme batem as metas, demos uma premiação financeira!
Abraço e espero ter respondido suaasduvidas!
EM RESPOSTA A FELIPE ALONSO TRIDICO TORTELI
NELIO RAMOS

GOIÂNIA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 26/10/2018

Felipe,
Agradeço o teu pronto retorno! Vivi situações semelhantes, quando passava minhas férias em uma propriedade gerenciada por um tio! Ele adotava as mesmas "tecnicas " tuas! Ele era responsável por uma grande equipe e NUNCA teve problemas de reclamção judicial, justamente por tratar todos, como vc informou!
Com certeza eles estão satisfeitos com a tua administração! Eles são felizardos!
Muito obrigado! Sds, Nélio Ramos