ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Uso de selante de tetos na secagem de vacas leiteiras e saúde do úbere

POR GUSTAVO FREU

E MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 17/05/2021

3 MIN DE LEITURA

1
15

Durante o período seco (PS), a glândula mamária sofre inúmeras alterações fisiológicas, visando preparar a vaca para a lactação seguinte. Dentre essas alterações, a formação do tampão de queratina nos canais dos tetos atua como uma barreira natural que impede o acesso de microrganismos à glândula mamária. 

Apesar disso, algumas vacas apresentam atraso ou até mesmo falha na produção do tampão de queratina. A ausência da proteção conferida pelo tampão de queratina resulta em tetos desprotegidos e fornece uma “porta aberta” para invsão de agentes causadores de mastite na glândula mamária.

Quartos mamários sem tampão de queratina tem maior risco de novas infecções intramamárias (NIIM) do que àqueles com formação completa desta barreira natural, o que aumentar o risco de mastite clínica pós-parto e menor leite. Assim, o uso de selante interno de tetos (SIT) é uma alternativa, capaz de prevenir as NIIM e de mastite clínica durante o PS.

Os SIT atuam de forma semelhante ao tampão de queratina, como uma barreira física contra a invasão microbiana da glândula mamária. Recentemente, o grupo de pesquisa do Qualileite avaliou a eficácia de um SIT (subnitrato de bismuto) usado em combinação com tratamento de vaca seca (cefalônio, no momento da secagem de vacas leiteiras sobre o risco de NIIM, cura bacteriológica, cura da mastite subclínica (MSC), novos casos de MSC e risco de mastite clínica até 60 dias pós-parto.

Um total de 439 vacas (1756 quartos mamários), distribuídas em cinco rebanhos leiteiros, foi avaliado antes da secagem e após o parto. No momento da secagem, as vacas foram aleatoriamente distribuídas em dois grupos de tratamento: a) ATB+SIT (infusão intramamaria de antibiótico + SIT); e b) ATB (infusão intramamária apenas de antibiótico).

As vacas tiveram amostras de leite por quarto mamário coletadas para cultura microbiológica, análise de contagem de células somáticas e foram monitoradas quanto a ocorrência de mastite clínica até 60 dias pós-parto. Os resultados das análises das amostras de leite permitiram avaliar os indicadores de saúde da glândula mamária em nível de quarto mamário.

O uso combinado de SIT+ATB reduziu em 1,4 vezes o risco de ocorrência de NIIM (Figura 1), e em 2,79 vezes a chance de ocorrer mastite clínica até 60 dias pós-parto quando comparado com as vacas que tratadas somente ATB. Estes resultados indicam a ação de proteção conferida pelo SIT durante o PS.

Quartos mamários tratados com SIT apresentaram 1,8 vezes menos chance de desenvolver mastite causada por patogenos maiores (especialmente patógenos de origem ambiental) do que quartos mamários que receberam apenas antibiótico.

O acúmulo de leite e aumento da pressão do úbere nos primeiros dias após a secagem e antes o parto são as fases de maior risco de ocorrência de mastite, principalmente por agentes de origem ambiental. Este risco, pode ser ainda maior com o encurtamento e dilatação do canal dos tetos e com a ausência de formação do tampão de queratina.

Figura 1. Risco de novas infecções intramamárias e novos casos de mastite subclínica de acordo com os protocolos de secagem. Resultados destacados por asteriscos foram considerados estatisticamente diferentes.

As vacas tratadas com protocolo ATB apresentam cura bacteriológica de 89%, enquanto o grupo SIT+ATB teve 95% de cura bacteriológica (Figura 2). Este resultado, sugere que ambos os protocolos de terapia de vaca seca adotados neste estudo foram eficientes em tratar as infecções intramamárias existentes. Não houve diferença entre os grupos de tratamento para risco de novos casos de MSC e risco de cura da MSC e risco de cura bactariológica (Figura 1 e 2).

Figura 2 - Risco de cura bacteriológica e da mastite subclínica de acordo com os protocolos de secagem.

Os resultados deste estudo indicam que o uso de SIT+ATB no momento da secagem de vacas leiteiras reduz o risco de NIIM e de mastite clínica até 60 dias pós-parto quando comparado com a infusão isolada de antibiótico. Dessa forma, o uso de SIT é uma das principais estratégias de prevenção de mastite na secagem.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como. 

Referências
FREU et al. Animals, v.10, n.9, 2020 (leia o artigo completo em: https://www.mdpi.com/2076-2615/10/9/1522)

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

EDISON ALCANTARA OLIVEIRA OLIVEIRA

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 18/05/2021

Estou com dificuldades para equalização das contas devido os custos dos insumos associados com os problemas de Mastite sublinha.
MilkPoint AgriPoint