ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Eficácia dos selantes de tetos na prevenção de mastite durante o período seco

POR MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 19/09/2023

3 MIN DE LEITURA

4
12

A resistência antimicrobiana (RAM) é um tema de crescente preocupação tanto para a saúde humana quanto animal, exigindo o uso responsável de antibióticos na produção leiteira. Os antibióticos são ferramentas essenciais nas fazendas leiteiras para o tratamento da mastite, que é a principal razão para o uso de antibióticos nos sistemas de produção de leite.

Além do tratamento da mastite clínica, que ocorre durante a lactação, o tratamento de vaca seca é uma medida de fundamental importância para a eliminação de infecções intramamárias no final da lactação. No entanto, com a implantação de programas de controle, muitas fazendas apresentam uma alta porcentagem de vacas sadias (sem mastite) no final da lactação. Essas vacas não necessitariam de tratamento de vaca seca com antibióticos, mas sim de medidas preventivas contra novas infecções, como o uso de selantes internos de tetos. Os selantes de tetos imitam a defesa natural das vacas contra novas infecções, criando uma barreira física durante todo o período seco.

Um estudo recente de meta-análise avaliou a eficácia do uso de selantes de tetos na prevenção de novas infecções e mastite clínica pós-parto em estudos publicados de 1985 até 2021. As meta-análises permitem combinar resultados de estudos realizados em diferentes condições para obter resultados mais confiáveis e com maior respaldo científico. Foram selecionados estudos que compararam o uso de selantes de tetos (sem combinação com tratamento de vaca seca) com um grupo de controle que não recebeu tratamento, avaliando o risco de novas infecções pós-parto e de mastite clínica nos primeiros 30 dias de lactação.

A revisão abrangeu 13 estudos de cinco países diferentes e dados de 83 fazendas. Os resultados desta análise indicaram que o uso de selantes de tetos reduziu em cerca de 71% as chances de novas infecções intramamárias no parto (OR = 0,29, IC 95% = 0,27–0,32). A análise de OR (odds ratio ou razão de chances) compara as chances de uma resposta ocorrer entre dois grupos diferentes, enquanto o IC 95% (intervalo de confiança) ajuda a entender a confiabilidade e a faixa de variação dos resultados entre os estudos.

Neste caso, um OR de 0,29 significa que as vacas tratadas com selantes de tetos tiveram 71% menos chances (com um intervalo de confiança de 73 a 68%) de desenvolver novas infecções no pós-parto em comparação com o grupo de vacas que não foi tratado com selantes. Da mesma forma, o uso de selantes reduziu em 53% as chances de ocorrência de mastite clínica nos primeiros 30 dias de lactação (OR = 0,47, IC 95% = 0,42–0,51) em comparação com o grupo controle que não recebeu tratamento com selantes de tetos.

Os resultados deste estudo de meta-análise representam os dados mais atualizados sobre a eficácia dos selantes internos de tetos, que podem ser considerados excelentes ferramentas para a prevenção de novas infecções intramamárias pós-parto e de mastite clínica no início da lactação. Com base na eficácia do uso de selantes, tornou-se possível adotar o conceito de terapia seletiva na secagem.

Nesse contexto, o tratamento de vacas secas com antibióticos apenas seria necessário para as vacas com mastite subclínica no momento da secagem, enquanto as vacas saudáveis (por exemplo, aquelas com CCS < 200.000 células/ml e sem histórico de mastite clínica nos últimos 3 meses de lactação) poderiam ser tratadas apenas com selantes de tetos, sem a necessidade de tratamento com antibióticos. Em um cenário de uso responsável de antibióticos na produção leiteira, o uso de selantes de tetos é uma ferramenta confiável e segura para a prevenção de infecções mamárias durante o período seco.

Em resumo, é recomendável o uso de selantes em combinação com o tratamento de vacas secas para as vacas com mastite subclínica no final da lactação e o uso isolado de selantes para as vacas saudáveis no final da lactação. É importante ressaltar que, para a implementação da terapia seletiva na secagem, a fazenda deve possuir um programa de controle de mastite bem estabelecido e o rebanho deve apresentar baixa contagem de células somáticas média no tanque (< 250.000 células/ml), além de uma rotina eficiente de diagnóstico de mastite clínica em todas as ordenhas e monitoramento mensal da CCS individual das vacas em lactação.

Sem esses dados, não é possível identificar com segurança as vacas saudáveis no final da lactação, que poderiam ser tratadas apenas com selantes de tetos. Para rebanhos que não disponham dessas informações e tenham uma CCS elevada, a estratégia mais recomendada durante a secagem é o tratamento de vaca seca para todas as vacas, juntamente com o uso de selantes na secagem, proporcionando resultados eficazes na cura e prevenção da mastite no período seco.

 

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você.

 

Fonte: Pearce et al., Prev. Vet. Med. 2023 (doi.org/10.1016/j.prevetmed.2023.105841)

 

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RODRIGO DE ALMEIDA

CURITIBA - PARANÁ - PESQUISA/ENSINO

EM 28/09/2023

Obrigado pela resposta Marcos, abraços.
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 27/09/2023

Prezado Rodrigo, obrigado, nos rebanhos com CCS média baixa e que tem rotina de realizar CCs individual, estes dois critérios (CCS dos últimos 3 meses e histórico de mastite clínica são os mais recomendados) como forma de identificar as vacas com alto risco de ter infecção intramamária. No entanto, existem estudos com o uso de cultura microbiológica associada com uso de CMT com alternativas, principalmente nos rebanhos que não tem estes dados disponíveis, uma vez que o número de fazendas que realizam CCS individual mensal é ainda baixo. um abraço, Marcos Veiga
RODRIGO DE ALMEIDA

CURITIBA - PARANÁ - PESQUISA/ENSINO

EM 21/09/2023

Prezado Marcos Veiga

Parabéns pelo artigo; como sempre, muito claro e didático.

Como pré-requisito para a terapia seletiva na secagem, além da CCS < 200.000 células/mL e a ausência de mastite clínica nos últimos 3 meses de lactação, vc também acho necessário incluir um resultado negativo de cultura bacteriana? Ou os 2 primeiros critérios já seriam suficientes?

Abraços e obrigado.

Prof. Rodrigo de Almeida
UFPR
ADAILSON ALVES DE ALMEIDA

UNAÍ - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 19/09/2023

Ótima matéria parabéns

Assine nossa newsletter

E fique por dentro de todas as novidades do MilkPoint diretamente no seu e-mail

Obrigado! agora só falta confirmar seu e-mail.
Você receberá uma mensagem no e-mail indicado, com as instruções a serem seguidas.

Você já está logado com o e-mail informado.
Caso deseje alterar as opções de recebimento das newsletter, acesse o seu painel de controle.

MilkPoint Logo MilkPoint Ventures