ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Mastite em primíparas: quando pode iniciar e quais os fatores de risco?

POR MARCOS VEIGA SANTOS

E RENATA DE FREITAS LEITE

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 19/04/2021

5 MIN DE LEITURA

0
13

mastite é uma inflamação da glândula mamária (GM) que geralmente está associada a uma infecção causada por bactérias. Nas primíparas, estas infecções no início da lactação comprometem o desenvolvimento e a saúde da GM, diminuem a produção e qualidade do leite e também aumentam o risco de mastite clínica e descarte das vacas.

Além disso, quando há aumento da contagem de células somáticas (CCS) no pós-parto de primíparas, essa CCS pode permanecer alta ao longo da primeira lactação, acompanhada da menor produção de leite.

A prevalência de quartos mamários infectados em primíparas no pós-parto varia de 18 a 80%, sendo que até 35% das primíparas podem apresentar mastite subclínica. As bactérias que mais causam mastite em primíparas, no pré-parto e pós-parto, pertencem ao grupo de estafilococos não-aureus (ENA); no entanto, Staph. aureus, estreptococos ambientais e coliformes também podem causar mastite em primíparas.

Para o controle de bactérias ambientais e contagiosas, as principais medidas têm pouca ação no controle da mastite em primíparas.

Da maioria dos estudos desenvolvidos até o momento que consideraram a presença de mastite no periparto, poucos avaliaram a CCS individual dos quartos mamários das primíparas. Além disso, estudos que associem a ocorrência da infecção com a CCS dos quartos mamários, assim como o momento exato da infecção dos úberes e os fatores de risco envolvidos são necessários. 

Assim, recentemente, pesquisadores da Alemanha e da Dinamarca realizaram um estudo para determinar o período mais provável de início da mastite em primíparas e os fatores de risco da mastite em primíparas no início da lactação.

Para tanto, foram estudadas 279 primíparas, entre 23 e 32 meses de idade, clinicamente saudáveis de 3 rebanhos leiteiros. Encerrada a fase de colostro, amostras de leite dos quartos mamários foram obtidas para cultura microbiológica e CCS, em dois momentos: a) 2 a 4 dias após o parto; b) 14 a 20 dias após o parto.

Além disso, os animais foram monitorados para verificar a associação entre a ocorrência de infecção intramamária até o 17º dia de lactação e o aparecimento de mastite clínica até o 100º dia.

Adicionalmente, foram feitos registros sobre dados relacionados à gestão dos rebanhos e visitas semanais para avaliação da ordenha, higiene das primíparas e do ambiente. Os potenciais fatores de risco estudados para ocorrência de mastite nas primíparas:

  • Escore de condição corporal: entre 8 semanas antes e 14-20 dias após o parto;
  • Facilidade do parto;
  • Escore de higiene de úberes e pernas; no período entre 8 semanas antes do parto e 14-20 dias após o parto;
  • Cetose pós-parto;
  • Claudicação: de 8 semanas antes e 14-20 dias após o parto;
  • Edema de úbere.

Quanto à ocorrência de mastite nos quartos mamários, foram avaliados como potenciais fatores de risco após o parto (14-20 dias de lactação):

  • Higiene dos tetos;
  • Escore da extremidade dos tetos (hiperqueratose).

As infecções intramamárias foram classificadas como nova ou persistente, de acordo com a identificação das espécies bacterianas aos 2-4 dias e 14-20 dias após o parto. Por exemplo, as IIM foram persistentes quando a mesma espécie bacteriana foi identificada nas 2 amostras de leite coletadas nos diferentes momentos após o parto.

Já as novas IIM apresentaram identificação de diferentes patógenos nas 2 amostras de leite do pós-parto ou aquelas que não apresentaram crescimento de patógenos na amostra de leite obtida no 3 dia após o parto, mas que foram identificadas 14-20 dias após o parto.

Houve maior número de quartos mamários (85,8%) sem isolamento aos 14-20 dias após o parto, em comparação aos 2-4 dias após o parto (80,2%). Aos 2-4 dias após o parto, cerca de 20% dos quartos mamários foram diagnosticados infecção causada por ENA (4,8%), Pseudomonas spp. (4,7%) e coliformes (3,8%).

Já nas amostras de leite obtidas de 14-20 dias após o parto, um total de 129 quartos mamários (14,3%) estavam infectados com ENA (7,1%), Staphylococcus aureus (2,1%) e Corynebacterium spp. (1,4%) – Tabela 1.

Tabela 1 - frequência de isolamento de patógenos causadores de mastite em primíparas após o parto.

Dos 129 quartos mamários infectados de 14-20 dias após o parto, 22 apresentaram infecções persistentes, ou seja, o mesmo patógeno foi isolado aos 2-4 e 14-20 dias após o parto.

Assim, de acordo com a cultura de 14-20 dias após o parto, dos quartos mamários infectados por ENA, houve 23,5% de infecções persistentes; já para Staph. aureus, 16% foram casos persistentes.

No total, 83% dos quartos infectados apresentaram novas infecções com outra espécie de patógeno aos 14-20 dias após o parto, em comparação os resultados de 2-4 dias após o parto. Dos 107 quartos mamários que apresentaram novas infecções, cerca de 46% foram causados por ENA, 15% por Staph. aureus e 100% de Corynebacterium spp.

Na avaliação dos fatores de risco, foi observado que quanto maior a CCS no 1º mês após o parto (2-4 dias), maior o risco de infecções causadas por patógenos contagiosos, como Staph. aureus e Corynebacterium spp., aos 14-20 dias após o parto. Por outro lado, primíparas com edema persistente de úbere têm risco 4x maior de infecções causadas por ENA e coliformes do que primíparas com apenas edema temporário.

Quanto à produção de leite, primíparas de mais alta produção apresentaram maior risco de IIM por ENA e Corynebacterium spp. aos 2-4 dias após o parto; mas tiveram menor risco de IIM por patógenos ambientais entre 14-20 dias após o parto e de ocorrência de mastite clínica nos primeiros 100 dias de lactação.

As vacas que pariram com maior idade tiveram mais infecções causadas por IIM por ENA e Corynebacterium spp. aos 14-20 dias após o parto. Além disso, foi observada uma associação entre a queda dos copos coletores da ordenha por chutes das vacas e o aumento de novas infecções de 2-4 dias até 14-20 dias após o parto.

Em resumo, o início da lactação apresenta influência significativa na saúde do úbere e ocorrência de IIM no pós-parto de primíparas. Até o momento, entendia-se que a origem das IIM que ocorrem no pós-parto fosse estabelecida anteriormente ao parto. No entanto, este estudo evidenciou que IIM podem ocorrer também após o parto.

Assim, além de estratégias de controle que minimizem os fatores de risco antes do parto são necessárias medidas de prevenção de novas IIM no início da lactação para garantir a saúde do úbere e o futuro desempenho produtivo das primíparas.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como!

Referência:
Nitz et al., Animals, 2020. Artigo completo: https://www.mdpi.com/2076-2615/10/6/1053/pdf

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

RENATA DE FREITAS LEITE

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint