FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Retrospectiva 2004 - o que aconteceu no leite nesse ano (e um pouco do que se espera para 2005)

Confesso que a idéia não é nem um pouco original - todo mundo faz retrospectivas nessa época do ano. Inclusive, nosso colunista da seção Conjuntura, Paulo do Carmo Martins, cogitou fazê-la, mas optou por nos brindar com artigo digno de fechamento de ano, sobre comércio internacional.

Vou, no entanto, utilizar a deixa, plagiar a idéia e rascunhar aqui a Retrospectiva MilkPoint 2004. Além de lembrar fatos importantes, a retrospectiva sempre abre espaço para um pouco de reflexão e preparação para o ano seguinte.

A

Argentina: 2004 marcou a recuperação da Argentina no mercado de lácteos. Com um crescimento acima de 20% e exportações da ordem de US$ 500 milhões, nosso vizinho recuperou uma posição histórica. O Uruguai, sem muito alarde, deverá exportar US$ 170 milhões. É uma pena que nossas relações comerciais (não só no segmento lácteo) com esses países seja tão perdedora. Brasil, Argentina e Uruguai poderiam ser um bloco respeitável no setor lácteo. Talvez com o Brasil se consolidando como exportador, a relação melhore, mas o atual estágio do Mercosul (mantido vivo sob aparelhos), em nada ajuda.

B

Bebida Láctea: eis um embate que envolveu o setor e que, tudo indica, ainda não está perto de ser resolvido, fruto de divergências no teor mínimo de proteína exigido, entre outros pontos. Pelo menos em uma coisa se caminhou: as divergências hoje estão mais no sentido da normatização do que da existência em si do produto. Havendo identificação correta, impedindo o consumo por engano, a bebida láctea pode ter sua função. A Laranja Brasil, entidade que promove o consumo de suco de laranja, pretende incentivar a comercialização de laranjada (laranja com água), sob o seguinte raciocínio: é melhor tomar laranjada do que produtos substitutos. É algo polêmico, não há dúvida, mas é um argumento forte: acostumar o consumidor a consumir seu produto e, através de aumento de renda e mesmo marketing, esperar que possa adquirir produtos de maior valor agregado.

C

Cooperativas: mais um ano se passa e não temos grandes novidades no segmento cooperativista. No final do ano, surge a notícia da saída de diversas cooperativas da Central Leite Nilza que, poucos anos antes, foi mencionada nesse espaço como um formato promissor. Espera-se que, com a venda da marca para um fundo de investimento, a empresa consiga se reestruturar. Há, no entanto, exemplos positivos, como a volta da Batávia para os produtores, mas a expectativa criada em função de alianças e até fusões de cooperativas, dado o bem sucedido fórum realizado em 2003, terá de ficar para 2005. Não custa lembrar duas grandes fusões ocorridas nesse final de ano: a Normilch e a Humana, na Alemanha, e a mega-fusão entre Campina e Arla Foods, que com certeza vai dar o que falar daqui para frente. É possível arriscar: o setor lácteo europeu e quem sabe mundial não será o mesmo daqui em diante.

Câmara Setorial do Leite: um sinal de que as relações entre os elos do setor leiteiro tende a melhorar é a Câmara Setorial do Leite, coordenada por Rodrigo Alvim, da CNA. Claro que há muito o que fazer nesse sentido, mas não há como negar que a existência da Câmara Setorial é um ponto muito positivo nas discussões do setor. Como qualquer organização que reúne interesses muitas vezes divergentes, é preciso tempo e esforços para que os frutos venham na medida das expectativas criadas, mas sem dúvida estamos na direção certa.

Conseleite: estive recentemente no Oeste do Paraná, na região de Cascavel (que bela região, por sinal), e pude constatar que o Conseleite é de fato levado a sério e que está balizando os negócios no Paraná. É pena que, por enquanto, é algo que fica restrito a esse Estado que, por sinal, apresenta uma das taxas mais consistentes de crescimento na produção de leite. Coincidência?

Crescimento da produção: mesmo sem os dados de captação do último trimestre, é possível prever que a captação oficial de leite irá crescer consideravelmente em 2004. Até agora, estamos 4,6% acima de 2003, sendo que tudo indica que a produção continua forte nesse último trimestre.

D

DPA: o maior captador de leite no Brasil, a joint-venture entre Nestlé e Fonterra, consolidou sua liderança e prepara o lançamento de seu programa de pagamento por qualidade a partir de janeiro. Tem tudo para ser um marco no setor, dada a posição de destaque da DPA na captação de leite. A julgar por essa iniciativa, que demorou a vir, por sinal, 2005 poderá ser o ano da qualidade, caso outros laticínios entrem no jogo. A Danone, por sinal, já vem pagando por qualidade e a Itambé tem seu programa engatilhado. Não sem tempo, visto que a IN 51 deve começar a vigorar em julho 2005.

E

Exportações: como não poderia deixar de ser, as exportações de lácteos merecem grande destaque. Pela primeira vez, o país vai ser exportador líquido de lácteos, algo impensável há 10 anos atrás. Méritos às empresas exportadoras, com destaque para a Serlac, que reúne 5 laticínios nacionais. Mas não nos iludamos: a combinação do câmbio atual com crescimento interno pode reduzir o ímpeto exportador em 2005. Isso dependerá também das cotações externas e internas do leite e dos acordos comerciais que o Brasil poderá assinar (México principalmente). De qualquer forma, o país está se estruturando para ser um exportador de lácteos no médio longo prazo, cujos benefícios já podem ser vistos pelas cotações do leite nesse final de ano.

Embrapa: a empresa de pesquisa agropecuária no Brasil ampliou sua influência em 2004, realizando mais uma vez o bem-sucedido Congresso Internacional do Leite e liderando, entre outras ações, a formação do Comitê Brasileiro da Federação Internacional de Lácteos (devemos ter mais sobre isso em 2005).

F

Fonterra: o maior exportador mundial de lácteos, a cooperativa neozelandesa Fonterra, se posiciona como uma das líderes mundiais do setor de laticínios. Com presença na Austrália, China, Índia, Europa, EUA, Chile, Israel e Américas, com parceria com diversos laticínios mundo afora, a Fonterra hoje lidera um processo de internacionalização que deverá repercutir em diversas outras empresas. Vamos aguardar 2005, visto que 2004 termina com a bombástica notícia da fusão da Arla Foods com a Campina, dois dos mais estruturados laticínios da Europa, criando a maior cooperativa de lácteos do mundo.

G

G-100: a formação do G-100, que visa representar pequenos e médios laticínios, não pode ficar de fora da retrospectiva 2004. Sem representatividade política, pouco se consegue. Sendo essa a lição que fica dessa nova entidade.

I

Itambé: a cooperativa mineira se consolida como uma das forças do setor leiteiro nacional. Ampliando a capacidade com a construção da fábrica em Uberlândia (aliás, o Triângulo Mineiro e o Alto Paranaíba serão ótimos lugares para se produzir leite, com DPA, Itambé e diversas cooperativas captando leite na região) e balanceando a atuação do mercado interno com as exportações crescentes, a empresa mostra que é competitiva e sinaliza um exemplo saudável para as demais cooperativas e empresas nacionais.

L>

Láctea Brasil: marketing institucional é daqueles temas quase que unânimes no setor leiteiros - um dos poucos temas onde, por definição, ninguém é contra. Por isso, surpreende a dificuldade em obter recursos e mobilizar para realmente empreender ações de impacto nesse sentido. Afinal, mudar os hábitos de consumo não é algo barato nem tampouco rápido. Para 2005, espera-se que o quadro mude e, nesse aspecto, a Láctea Brasil, entidade que centraliza esses esforços, terá um grande desafio e também oportunidades. Cabe aqui registrar o interesse de dois gigantes do setor de refrigerantes, em entrar no setor lácteo: Pepsi e Coca-Cola. Porque será?

M

Mercado: tudo somado, esse ano foi melhor do que 2003 para a cadeia do leite. Do ponto de vista do produtor, não houve sobre-oferta e os preços de vários insumos-chave (especialmente os de alimentação) caíram, melhorando bastante a receita menos o custo de alimentação. Para 2005, porém, o volumoso produzido estará mais caro, dado o aumento nos custos de fertilizantes e defensivos. Para a indústria, a mesma oferta ajustada também teve seu benefício. Terminamos 2004 em uma situação muito mais tranqüila do que 2003, em meio à bomba da Parmalat.

N

Normativa 51: em 2004, a normativa 51 não apareceu nas manchetes e discussões do setor, algo que com certeza deverá mudar em 2005. O problema agora é o tempo. Daqui a 6 meses, estará vigorando no Centro-Sul. Há vontade política para de fato implantá-la? Veremos nos próximos 6 meses.

O

Obesidade: o final de 2004 nos trouxe um dado alarmante do IBGE. Quase 40% da população estão acima do peso, sendo esse problema mais relevante do que a desnutrição (e o Fome Zero, como fica?). Com esses dados, em 2005, o setor de proteínas animais terá um grande desafio. A ANVISA deverá aprovar o Guia Alimentar, que servirá de referência para escolas e demais locais onde se fornece alimentação. Na primeira versão desse Guia, o enfoque dado às proteínas animais foi prejudicial e, apesar dos protestos da ABIA, não se sabe o que virá por aí. Provavelmente em março, saberemos.

P

Parmalat: o ano começou quente com a crise da Parmalat afetando o mercado em plena safra. A notícia de hoje (20/12), da volta da famosa campanha dos mamíferos, ainda que bem mais modesta, tem o simbolismo da recuperação da empresa. Aliás, a recuperação da Parmalat foi talvez a maior surpresa do ano, uma vez que, ao relembrarmos o noticiário do início de janeiro e fevereiro, pouca gente arriscaria dizer que a empresa estaria no mercado no final do ano. Ficam, para 2005, as dúvidas de sempre: a empresa brasileira - que não interessa à matriz - será vendida, como ocorreu com as operações do Chile e Argentina? O atual equilíbrio passará para o estágio de crescimento competitivo? (nota pós-publicação: talvez chamar de equilíbrio o prejuízo acumulado de mais de R$ 180 milhões seja demais; fiquemos então no fato da empresa ter sobrevivido, contra todas as expectativas).

Q

Qualidade: apesar de estar "legislando em causa própria", não há como fugir ao fato do 1º Congresso Brasileiro de Qualidade do Leite, uma iniciativa do CBQL e do MilkPoint, ter sido um ponto alto no que se refere a eventos. Com a presença de 600 pessoas, incluindo lideranças de todos os elos, trouxe à tona a discussão a respeito da qualidade do leite em um momento mais do que oportuno - às vésperas da IN 51 e em meio à discussão sobre pagamento por qualidade.

S

Sucos prontos: já são 500 milhões de litros por ano em um segmento altamente atrativo, com crescimento médio de 30% ao ano nos últimos 5 anos. A praticidade, o apelo à alimentação saudável e o posicionamento adequado forjaram esse crescimento, que deve continuar. Mais uma razão para o setor lácteo estruturar o marketing institucional...

U

Unilac: o evento realizado em julho, pela CNA e Embrapa Gado de Leite, pode ser considerado uma das poucas iniciativas de longo prazo no setor. Ao discutir ações do setor privado e políticas públicas de longo prazo, muda-se a conversa do que é urgente para o que é essencial. O pontapé inicial foi dado, mas os maiores desafios virão agora: a implantação do que foi discutido e acordado.

Balanço final

Falando um pouco do MilkPoint, já são 4 anos de atividades, milhares de notícias, artigos, cartas, mensagens no fórum; 4 grandes congressos realizados, dezenas de cursos online e 34.000 usuários voluntariamente cadastrados. Em 2004, tivemos um crescimento recorde, com quase 12.000 novos leitores, o que deve nos colocar como o principal canal de informação do setor via internet no Brasil, e provavelmente, entre os maiores do mundo.

Para 2005, teremos muitas novidades, mas, como paulista com raízes em Minas Gerais, não vou me antecipar... Gostaria de agradecer a todos os que nos apoiaram em 2004, sejam eles leitores, colunistas, patrocinadores, fornecedores e simpatizantes do nosso trabalho. Nesse final de ano, nossa equipe reforça o compromisso de trazer informações que possam contribuir com o crescimento sustentável da cadeia do leite no Brasil. Até 2005!

MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

Engenheiro Agrônomo (ESALQ/USP), Mestre em Ciência Animal (ESALQ/USP), MBA Executivo Internacional (FIA/USP), diretor executivo da AgriPoint e coordenador do MilkPoint.

12

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JULIA

BALNEÁRIO CAMBORIÚ - SANTA CATARINA - ESTUDANTE

EM 26/02/2018

Nossa eu nasci em 2004 kkkkkk
ANTONIO DA SILVA

RIBEIRÃO PRETO - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 11/01/2005

Prezado Marcelo,

Com certeza em 2005, o MilkPoint se consolidará como o mais importante e influente canal de informação do setor, via internet do Brasil, graças a credibilidade conquistada durante os 4 anos de sua existência.

Parabéns a toda Equipe, que pela sua competência, atende às necessidades daqueles que direta ou indiretamente participam do segmento leiteiro.

Um Grande Abraço,

Antonio da Silva
VALTER RICARDO DEZANI

SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 10/01/2005

Marcelo, gostaria de parabenizá-lo e também a sua equipe pelo excelente trabalho realizado em 2004 com seriedade e competência, pois se o Fantástico é considerado a revista eletrônica semanal, vocês são nossa REVISTA ELETRÔNICA AGROPECUÁRIA DIÁRIA, pois é quase que impossível deixar de acessá-los diariamente, e fiquei muito satisfeito ao ler este artigo.

Valter Ricardo Dezani
Médico Veterinário
JORGE LEON PEREZ

OUTRO - PESQUISA/ENSINO

EM 31/12/2004

En general agradezco recibir su excelente informacion, la cual es oportuna y muy util
el articulo es un resumen muy claro de lo ocurrido.

Gracias a todo el equipo y un 2005 placentero y agradeciendoles estar dentro de sus beneficiarios.

Jorge Leon Perez
Colombia
LUÍS DONIZETTI CARELLI CESAR

CURITIBA - PARANÁ

EM 28/12/2004

Srs.,

Sou de linguagem simples e objetiva.

Por que com a saída da Parmalat, o leite subiu tanto?

Era a Parmalat que comandava valores?

Não sobra mais produto para outros concorrentes?

Os produtores de Leite eram pressionados pela Parmalat?

Os produtores estão agora saindo do sufoco?

Com a saída da Parmalat, a meu entender o leite não deveria aumentar o preço no mercado, e não aumentando, os fabricantes de leite em pó e outros, deveriam ser mais competitivos com o mercado externo.
PAULO R.C.CORDEIRO

NOVA FRIBURGO - RIO DE JANEIRO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 23/12/2004

Caro Marcelo,

Parabéns pela retrospectiva e que continuem cada vez mais a serem um ótimo difusor de idéias e notícias ligadas ao agronegócio.

Um grande 2.005.

Paulo
MARCELO DE REZENDE

LONDRINA - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 23/12/2004

Parabéns pela seriedade e honestidade na condução deste espaço. Que em 2005 este espaço democrático continue levando informação de qualidade a todos os envolvidos na atividade leite do nosso país.

Marcelo de Rezende
Coord.Assistência Técnica ao Produtor - Confepar
CARLOS AUGUSTO PASSOS

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 23/12/2004

Prezado Marcelo,

Parabéns pelos excelentes serviços prestados e boas festas!

"Que as intempéries da vida não nos tirem de um lugar ao sol."

EDSON GONÇALVES

FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA

EM 23/12/2004

Caro Marcelo,

Parabéns pelo excelente serviço de informação realizado durante todo ano de 2004. Hoje, é praticamente impossível entender o setor leiteiro sem basear-se nas informações precisas que o MilkPoint propicia aos profissionais que atuam no setor. Desejo a toda equipe um Natal muito Feliz e um ano 2005 excepcional, repleto de realizações.

Abraços,

Edson Gonçalves
JULIANO CAMPOS VALE

OUTRO - PARÁ - PESQUISA/ENSINO

EM 21/12/2004

Gostei muito da retrospectiva 2004, entre os temas abordados dois me chamaram a atenção, e eu gostaria de obter maiores informações: Conseleite e a Câmara Setorial do leite.


Obrigado e boas festas

<b>Resposta do autor:</b>

Caro Juliano,

Você pode obter mais informações sobre o Conseleite no site da FAEP, Federação da Agricultura do Paraná: www.faep.com.br/conseleite. Já sobre a Câmara Setorial, a CNA é uma boa fonte: 61 424-1473. Boas Festas para você também e um ótimo 2005.

ROBERTO CUNHA FREIRE

LEOPOLDINA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

EM 21/12/2004

Ótimo artigo, porem ressalto e tomo a liberdade de sugerir que com exceção da ITAMBÉ, que parece que está dando certo, a maioria das cooperativas com as atuais leis em vigor que permitem que seus dirigentes permaneçam no poder vitaliciamente, o sistema cooperativista vem dando errado.

Sugiro ao MILKPOINT, fazer uma pesquisa sobre a situações das cooperativas no Brasil, principalmente das de laticínios, e não será surpresa para mim se a sua grande maioria estiver em fase falimentar ou de fechamento. Existirão exceções, é claro, mas a maioria dessas exceções está sobrevivendo às custas dos pequenos produtores que não tem a quem recorrer. O quadro é desolador.

A título de subsídio, comece essa pesquisa sugerida pela região da zona da mata mineira como em Leopoldina, Juiz de Fora etc onde o preço pago por litro de leite ao produtor é um dos menores do País, se não for o menor, comparado a outras cooperativas como a ITAMBÉ, por exemplo. A meu ver temos que mudar a legislação e dotar o novo texto legal de impedimento de reeleições continuadas. Isso prejudica e cria monopólio e manipulação por parte dos dirigentes em todos sentidos; os mesmos se sentem como verdadeiros proprietários das cooperativas que na sua grande maioria, dispõe de pessoas não qualificadas em seus conselhos. Portanto, o que sobra disso tudo é que o pequeno e médio produtor de leite cooperado é quem paga os empreguismos, mordomias etc. Como consequência disso tudo e mais alguns desmandos, paga-se mal ao produtor para cobrir rombo e satisfazer vaidades de uma minoria encastelada por anos sucessivos no poder administrativo de algumas cooperativas.
JEAN MARIE MONTEIL

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 21/12/2004

Parabens pelo trabalho da MilkPoint: nivel elevado e boa fonte de informação.

Desejo sucesso maior ainda em 2005

Abraços

<b>Resposta do autor:</b>

Caro Monteil,

Obrigado pelos votos, os quais retribuímos. Nosso sucesso está ancorado na participação ativa de nossos leitores. Portanto, inclua-se parte dele.

Abraco,

Marcelo