ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Melhorando a reprodução de vacas leiteiras e mantendo alta produção de leite - Parte 2

POR RICARDA MARIA DOS SANTOS

E JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

JOSÉ LUIZ M.VASCONCELOS E RICARDA MARIA DOS SANTOS

EM 11/07/2018

0
5

Este texto é a parte da palestra apresentada pelo Dr. José Eduardo P. Santos, da Universidade da Florida, no XXII Curso Novos Enfoques na Produção e Reprodução de Bovinos, realizado em Uberlândia de 22 e 23 de março de 2018.

A saúde no periparto é critica para a reprodução

Muitas das doenças que afetam o gado leiteiro mantidos em sistemas de confinamento ou pastagem, tipicamente ocorrem nos dois primeiros meses de lactação, antes da primeira inseminação pós-parto (Ribeiro et al., 2006). O aumento da susceptibilidade a doenças metabólicas e infecciosas com o parto e o início da lactação representa um grande desafio para a reprodução.

As vacas que sofrem de doenças uterinas, mamárias e metabólicas e atrasaram a retomada da ovulação pós-parto, têm comprometimento da fertilização e desenvolvimento de embriões, redução da taxa de gestação e maior perda de gestação (Ribeiro et al., 2016). Portanto, é imperativo que os programas de saúde sejam implementados para minimizar os impactos negativos das doenças na reprodução. Tais intervenções incluem a formulação das dietas adequada para evitar doenças do periparto associadas com o metabolismo mineral, estratégias para reduzir distúrbios relacionados com o parto e métodos para evitar mastite e claudicação.

O programa típico da vaca da transição nos rebanhos leiteiros dos EUA segue geralmente um padrão, sendo compreendido da secagem aos 225 a 230 dias da gestação até 30 dias de lactação. Inclui protocolos de secagem, casqueamento preventivo, programa da vacinação para proteger a vaca e a bezerra recém-nascida, alojamento adequado para proteger contra estresse térmico, dietas que minimizam o risco de doenças metabólicas pós-parto, como hipocalcemia e cetose, e cuidados pós-parto com programas de identificação e tratamento de vacas com problemas.

Apesar deste esforço, a incidência de doenças permanece alta e os esforços futuros se concentram em estratégias de curto prazo para minimizar o risco de doenças comuns, bem como os esforços de longo prazo na seleção genética para reduzir os genótipos com maior risco de desenvolvimento de doenças.

Nutrição e a influência na saúde e no desempenho reprodutivo

Uma questão importante com as vacas leiteiras de alta produção é que elas foram geneticamente selecionadas para particionar nutrientes para favorecer a produção de leite às custas das reservas corporais, mesmo durante os períodos em que a ingestão de nutrientes é menor do que o ideal, como durante o início da lactação. Vacas leiteiras que experimentam perda excessiva de condição corporal podem atrasar o primeiro estro e ovulação pós-parto, o que pode ampliar a infertilidade. A causa para este atraso no retorno a ciclicidade parece ser associada com os sinais metabólicos e os hormônios reguladores como a insulina e o fator crescimento semelhante a insulina (IGF-1). Estes dois hormônios metabólicos representam algumas das ligações entre o estado nutricional da vaca com hormônios reprodutivos importantes que controlam a reprodução.

A formulação de dieta incorpora conceitos não só para otimizar a produção de leite e os componentes do leite, mas também para melhorar o desempenho reprodutivo. Um exemplo é incorporação de gorduras em dietas de vacas leiteiras, que tem sido mostrado que não só melhora a produção, mas também a reprodução (Rodney et al., 2015).

Além disso, a formulação da dieta visa minimizar as perdas de condição corporal no início da lactação, pela manipulação das frações de carboidratos, aumentando a ingestão de matéria seca, e fornecendo quantidades suficientes de proteína (aminoácidos) de acordo com o volume de produção. Talvez, mais importante que a formulação da dieta por si só é a gestão de alimentação. Garantia de espaço de cocho adequado, disponibilidade de alimentação de 23 a 24 horas por dia, evitar a competição e a garantia de consistência na entrega de alimentos são todas as medidas aplicadas para dar às vacas a oportunidade de se alimentarem tanto quanto elas desejam (quando a ingestão é insuficiente para atender às necessidades para a produção).

Implementação racional de programas reprodutivos

Um dos principais avanços na reprodução nos últimos 20 anos tem sido a implementação racional de programas reprodutivos nos rebanhos leiteiros. Até recentemente, os veterinários e os produtores aplicavam a gestão reprodutiva de uma forma reativa; no entanto, nos últimos anos, os programas reprodutivos tomaram uma abordagem ligeiramente diferente. O objetivo é ser proativo e trabalhar com grupos de vacas.

Na maioria dos casos, o foco é aumentar a taxa com que as vacas elegíveis ficam gestantes e, para isso, a utilização de protocolos de inseminação artificial em tempo fixo se tornaram parte integrante da gestão reprodutiva dos rebanhos leiteiros (Caraviello et al., 2006). Ultimamente, os objetivos são minimizar a variação no intervalo do parto até a primeira IA, aumentar a taxa com que as vacas elegíveis ficam gestantes e, consequentemente, reduzir o intervalo do parto até a concepção de forma consistente. Com base nas alterações fenotípicas e genéticas na população de vacas Holandesas, é inquestionável que os avanços na reprodução foram alcançados antes de ter sido verificado incrementos importantes no genótipo para a fertilidade das filhas.

As principais razões para a mudança estão relacionadas com o valor econômico da gestação, que estimula os produtores a colocar esforços para ter mais vacas gestantes em estágios inicias da lactação. Além disso, os produtores identificaram a necessidade de gerir grandes grupos de vacas sem criar sistemas complicados que impeçam a adoção e a conformidade, bem como a necessidade de considerar as deficiências na fertilidade da vaca, como a má expressão de estro e a detecção.

Na maioria dos rebanhos nos EUA, a reprodução é uma atividade que ocorre 365 dias no ano, em oposição a programas sazonais de reprodução como na Austrália e Nova Zelândia que tendem a inseminar vacas em uma única, ou as vezes duas, estação de monta. A detecção de estro e inseminação diária são componentes integrantes da gestão da reprodução em fazendas bem-sucedidas nos EUA. Um ponto chave na gestão reprodutiva é a implementação racional de programas que minimizam os erros humanos, o que às vezes pode ser um desafio.

No entanto, os produtores adotam agora a inseminação artificial em tempo fixo como parte do protocolo de gestão para assegurar que todas as vacas recebam sua primeira IA dentro dos primeiros 21 dias após o período voluntário de espera. Além disso, o programa típico envolve a rotina de diagnóstico de gestação para identificar vacas não gestantes e garantir a reinseminação oportuna. A maioria das fazendas procura ter 100% das vacas inseminadas até aproximadamente 70 dias após o parto, assegurar um intervalo médio entre inseminações de 28 a 30 dias e alcançar dias abertos médios de 100 a 120 dias.

Inúmeros protocolos para IATF estão disponíveis hoje, mas o carro-chefe da indústria para a primeira IA pós-parto é o chamado protocolo de presynch-Ovysnch (Moreira et al., 2001), provavelmente o mais comumente implementado, e o protocolo de Ovsycnh duplo (Souza et al., 2008), que requerem 100% de IATF na primeira inseminação, mas também resultam em melhor P/IA em comparação com outros protocolos de pré-sincronização.

Inúmeras melhorias nos protocolos de IATF foram propostas com incrementos claros na P/IA (Pereira et al., 2015), embora tais melhorias exijam intervenções hormonais adicionais, manuseio mais frequente das vacas, e aumento do risco de problemas com conformidade da administração dos medicamentos. Para os rebanhos que decidem concentrar todos os esforços para inseminar as vacas em tempo fixo, recomenda-se que a escolha do protocolo de IATF seja baseada no melhor resultado de P/IA. No entanto, a excelência na gestão reprodutiva deve considerar a incorporação da detecção diária de estro para IA (Ferguson e Skidmore, 2013).

Na maioria dos rebanhos, os produtores empregam métodos para a detecção de estro, tais como pintura de cauda com giz e métodos eletrônicos, tais como pedômetro ou uso de colares com acelerômetros. Estas estratégias facilitam a identificação de vacas não gestantes após a inseminação ou reinseminação. Estima-se que aproximadamente 30% de todas as inseminações em vacas leiteiras em lactação nos EUA são executadas em tempo fixo, enquanto 70%, após a detecção do estro, com diferenças marcantes entre regiões e Estados (Souza et al., 2013).

Embora alguns protocolos de IATF possam melhorar a P/IA na primeira inseminação pós-parto, os resultados dos estudos epidemiológicos com alguns milhões de IA mostram a fertilidade similar das vacas leiterias submetidas à inseminação após a detecção do estro ou IATF (Souza et al., 2013). Portanto, combinar protocolos de sincronização para IATF baseado na ciência e na conformidade apropriada dos tratamentos com a detecção diária do estro e a inseminação convencional parece ser a conduta lógica para maximizar a inseminação com fertilidade adequada. Esta tem sido a abordagem implementada pelos produtores de leite cujas fazendas são conhecidas por alcançar excelente desempenho reprodutivo (Ferguson e Skidmore, 2013).

RICARDA MARIA DOS SANTOS

Professora da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia.
Médica veterinária formada pela FMVZ-UNESP de Botucatu em 1995, com doutorado em Medicina Veterinária pela FCAV-UNESP de Jaboticabal em 2005.

JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

Médico Veterinário e professor da FMVZ/UNESP, campus de Botucatu

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.