ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O estresse térmico afetará a produção de leite na China?

POR ISRAEL FLAMENBAUM

COWCOOLING - FLAMENBAUM & SEDDON

EM 03/09/2021

6 MIN DE LEITURA

0
3

Atualizado em 03/09/2021

A China tem uma sede cada vez maior de leite, com um aumento previsto de 3,2 vezes na demanda até 2050, em comparação com o nível atual. Quais são as implicações ambientais do atendimento a essa demanda, qual a via preferencial e como o estresse térmico afetará as possibilidades de produção de leite?

A resposta a essas perguntas aparece em duas publicações recentes feitas por grupos de pesquisa chineses.

Pesquisadores de diferentes instituições científicas chinesas abordaram as questões sobre o custo ambiental global da sede de leite da China, usando uma abordagem de nexo, para examinar as interdependências do aumento do consumo de leite na China até 2050 e seus impactos globais, em diferentes cenários de produção doméstica de leite e importação.

Atender a demanda de leite da China em um cenário de "business as usual" (ou seja, sem fazer nenhuma mudança) aumentará as emissões de gases de efeito estufa (GEE) globais relacionadas ao setor leiteiro (China e as principais regiões exportadoras de leite) em 35%, e o uso da terra para a produção de alimentos lácteos em 32%, em comparação com atualmente, enquanto as perdas reativas de nitrogênio do setor de laticínios aumentarão em 48%.

Produzir todo o leite adicional na China com a tecnologia atual aumentará muito a importação de ração animal, de 1,9 para 8,5 bilhões de toneladas para concentrados e de 1,0 para 6,2 bilhões de toneladas para forragem (alfafa). Além disso, aumentará as emissões domésticas de GEE relacionadas aos laticínios em 2,2 vezes em comparação aos níveis atuais.

Importar o leite extra transferirá a carga ambiental da China para os países exportadores de leite. Os atuais países exportadores de laticínios podem não conseguir produzir todo o leite adicional exigido pela China, devido a limitações físicas ou preferências/legislações ambientais.

Por exemplo, a área agrícola para a produção de ração para gado na Nova Zelândia teria que aumentar em mais de 57% e na Europa em mais de 39%, enquanto as emissões de GEE e as perdas de nitrogênio aumentariam aproximadamente de forma proporcional com o aumento da área agrícola em ambas as regiões.

Com base nesses números, os pesquisadores chineses propõem que um futuro leiteiro mais sustentável dependerá de regiões com alta demanda por leite (como a China), melhorando a eficiência da produção doméstica de leite e ração até o nível dos principais países produtores de leite. Isso diminuirá as emissões globais de gases de efeito estufa e o uso da terra em 12% e 30%, em comparação com o cenário “business as usual", respectivamente.

No entanto, isso ainda representa um aumento nas emissões totais de GEE de 19%, enquanto o uso da terra diminuirá 8% quando comparado ao nível atual, respectivamente.

Falando sobre como melhorar a eficiência da produção doméstica de leite e ração na China até o nível dos principais países produtores de leite, outro artigo publicado recentemente por pesquisadores chineses tentou estudar as possibilidades de melhorar a eficiência da produção de leite em fazendas leiteiras chinesas no futuro, implementando meios efetivos de mitigação do estresse térmico. O artigo intitulado "O estresse causado pelo calor afetará a produção de leite na China?" lida com este tópico.

A maior expansão econômica global da produção de leite, e especialmente na China, começou há cinco décadas com o aumento do consumo de leite de vaca e, consequentemente, os produtos lácteos começaram a ser importados em maior número.

A crescente demanda por produtos lácteos na China continua devido ao crescimento populacional, aumento da renda, urbanização e mudança na composição da dieta. Impulsionado pela mudança de estilos de vida, o consumo global de leite deverá aumentar em cerca de 60% até 2050, com muitos novos consumidores vindos da China.

O governo chinês promove o consumo de leite em diretrizes dietéticas baseadas em alimentos e programas de leite escolar devido à eficiência e eficácia do leite na prevenção da desnutrição.

A população chinesa é um exemplo particularmente bom dessa tendência, com tradicionalmente baixo consumo de leite per capita (<2 kg per capita por ano em 1961), mas em 2016, esse número havia aumentado por um fator de 25. Atualmente, a China é o maior importador de leite do mundo, importando 12 milhões de toneladas de leite cru em 2013, quantidade 120 vezes maior do que em 1961 e igual a 25% do consumo interno da China.

Para atender à demanda cada vez maior por produtos lácteos, o crescimento da indústria de laticínios está se acelerando. A produção de leite continua aumentando em resposta à crescente demanda doméstica, que se origina principalmente nas áreas urbanas.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), o crescimento anual do consumo per capita de leite na China foi de cerca de 10% no período de 30 anos, de 1987 a 2007. Enquanto a população pecuária cresceu de 142 para 441 milhões de cabeças entre 1980 e 2010, o valor econômico anual da produção de gado aumentou quase 60 vezes, de US$ 6 bilhões para US$ 350 bilhões.

Apesar dessas grandes expansões nas últimas décadas e do aumento contínuo da demanda por produtos lácteos, há sinais claros de que o crescimento da produção está se estabilizando. Por exemplo, de acordo com o National Bureau of Statistics of China, a produção de leite de 2017 diminuiu 0,8% em relação ao nível de  2016.

A produção atual de leite da China caiu 1,3% em comparação com 2016, sendo principalmente atribuída ao estresse por calor e pequenas/médias fazendas saindo das operações devido a regulamentações ambientais mais rígidas e redução da lucratividade.

O estresse por calor é frequentemente identificado como um dos principais fatores responsáveis pelo recente declínio na produção de leite na China. De acordo com o National Bureau of Meteorology, as temperaturas aumentaram em média 1,4°C entre 1951 e 2009. Tanto as temperaturas de inverno como de verão aumentaram gradualmente, com dias extremamente quentes mais frequentes que resultam em problemas relacionados com o calor.

Com qualquer aquecimento adicional, é provável que a frequência e a duração das ondas de calor se intensifiquem, resultando em problemas de estresse térmico mais graves nas vacas.

O estresse térmico é considerado uma das principais razões para a recente redução na produção de leite na China. Os pesquisadores calcularam a mudança na produção de leite, como resultado do estresse térmico nas principais áreas de produção de leite (principalmente no norte da China), e construíram uma camada espacial de índice de temperatura-umidade (THI) para entender a distribuição mensal de calor e umidade.

Os pesquisadores que realizaram este estudo documentaram áreas específicas no norte da China, onde o gado estava sob alto risco de estresse térmico em meses específicos.

Os valores de THI excedem o limite acima do qual a produção de leite diminui durante os meses de junho, julho e agosto, especialmente em julho. Espera-se que o valor do THI seja superior ao limite nos últimos anos (2008 a 2016) e em cenários futuros projetados (2050 e 2070).

As perdas na produção de leite com base no THI aumentaram de 0,7 para cerca de 4 kg por vaca por dia em julho de 2016. Essas perdas são projetadas para aumentar de 1,5 para 6,5 kg em julho de 2050 e de 2,0 para 7,2 kg em julho de 2070 (representando perdas de produção entre 25 e 50%, do potencial de produção da China).

Esses resultados sugerem que as mudanças climáticas terão consequências significativas para o setor de laticínios nas principais áreas produtoras de leite na China.

Os resultados deste estudo são úteis na identificação de áreas suscetíveis ao estresse térmico onde práticas de manejo de gado adaptáveis (em outras palavras, implementação de sistemas de resfriamento intensivos e eficazes) são necessárias, para evitar quedas significativas na produção de leite do setor de lácteos da China.

Referências
https://doi.org/10.1007/s10584-020-02688-4

ISRAEL FLAMENBAUM

Especialista no estudo do estresse térmico em vacas leiteiras, professor na Hebrew University of Jerusalém, tem ministrado cursos e treinamentos sobre o assunto em diversos países.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint