ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Direto ao Ponto Mastite: Efeitos do manejo de ordenha

MSD SAÚDE ANIMAL - MAXI-LEITE

EM 16/07/2021

4 MIN DE LEITURA

0
0

A mastite é a doença que mais acomete o rebanho leiteiro, trazendo altos prejuízos financeiros e preocupações em relação à sanidade do rebanho. 

Como já mencionado em um dos textos anteriores (leia aqui), esta é uma doença que pode ter várias origens, portanto é de fundamental importância identificá-la e solucionar o problema estrategicamente. Dentre os fatores de risco associado à mastite, o correto manejo na hora da ordenha (principalmente dos equipamentos) é fundamental, embora não receba devida preocupação por parte de alguns produtores.

O mito de que equipamentos de ordenha causam mastite ocorre pelo desconhecimento das informações necessários para seu bom uso. O equipamento em si não causa mastite, mas falhas na utilização e manutenção aumentam os riscos de contaminação entre animais ou entre os quartos de um mesmo animal.

Mas como o uso indevido dos equipamentos e o manejo incorreto durante a ordenha podem agravar os fatores de risco e ocasionar mastite no rebanho? Sintetizando e deixando mais claro, os animais (e o produtor) podem ser prejudicados das seguintes maneiras:

1. Lesões no teto e na pele e aumento da penetração de microrganismos na glândula mamária

As lesões nas extremidades do teto que prejudicam o bom funcionamento do esfíncter estão diretamente relacionadas a ocorrência de mastite. Assim, equipamentos funcionando inadequadamente podem causar lesões que expõem os animais a agentes infecciosos, tornando mais fácil a colonização da glândula mamária. As principais lesões causadas são hiperqueratose e eversão e estão relacionadas com alto nível de vácuo, sobre-ordenha e falha nos pulsadores. Por isso, é de extrema importância a manutenção frequente do equipamento. 

Problemas com vácuo, principalmente relacionados à flutuação bruscas no nível, ainda favorecem a introdução de microrganismos na glândula mamária devido a inversão no fluxo. Essas flutuações ocorrem em decorrência de falhas na bomba e regulador de vácuo e podem fazer com que as teteiras caiam do úbere do animal durante o processo de ordenha. 

Quando isso ocorre, pequenas quantidades de ar podem entrar e inverter o fluxo do ar e do leite, fazendo com que pequenas gotículas de leite (possivelmente contaminadas) entrem na glândula mamária. A manutenção adequada do equipamento, a secagem completa dos tetos e a remoção cuidadosa da unidade de ordenha após o término do fluxo de leite são medidas que reduzem os riscos do fluxo reverso de leite.

Outro ponto de atenção é quanto ao momento de troca dos itens com prazo de validade, como as teteiras. Equipamentos velhos tendem a conter fissuras que podem acumular leite e microrganismos patogênicos, que, por sua vez, podem infectar o animal.

2. Transferência de microrganismos entre animais durante a ordenha

Os microrganismos causadores de mastite podem ser transmitidos entre os animais de diversas formas durante o processo de ordenha, inclusive por falhas no equipamento, como vimos anteriormente. 

Mas, mesmo com o equipamento funcionando em perfeito estado, ao serem ordenhadas, as vacas infectadas deixam resíduos de leite nos equipamentos que, ao ser colocado em um outro animal, podem transmitir o patógeno. Além disso, os próprios ordenhadores (seja em sistemas de ordenhadeiras mecânicas ou não) e alguns utensílios pode ser agentes transmissores dos patógenos. 

Direto ao Ponto MastitePara evitar essa transmissão, é importante se atentar às boas práticas de ordenha, principalmente à higiene. Por exemplo, a limpeza dos tetos dos animais é fundamental e o papel toalha utilizado para secar os tetos deve ser descartável e jamais utilizado para mais de um animal, pois pode carrear microrganismos. 

Um procedimento fundamental e que minimiza muito a ocorrência de infecções é a utilização do pré e pós dipping, que tem como função minimizar a carga bacteriana presente nos tetos, impedindo que os microrganismos cheguem viáveis dentro da glândula mamária. 

A técnica consiste em imergir os tetos em substância antisséptica antes e após (pré e pós) a ordenha, deixando que o produto haja o tempo necessário de acordo com o recomendado para cada substância. O pós-dipping normalmente tem característica viscosa, que permite a permanência no teto por um bom período após a ordenha, ajudando a controlar possíveis infecções vindas do ambiente principalmente enquanto o esfíncter ainda estiver aberto.

Outro ponto importante é a higiene dos ordenhadores. Lavar e desinfetar dedos, mãos, braços e antebraços, bem como utilizar luvas são pontos positivos para manter um manuseio mínimo de agentes contaminantes. Lavar as mãos, mesmo com luvas, quando expostas a fezes ou outras sujidades também contam como bom manuseio de equipamentos e áreas que entram em contato direto com a glândula mamária. 

Além da higiene, identificar rapidamente os animais infectados é fundamental para evitar a transmissão de patógenos entre animais. Isso pode ser feito por meio de testes já comentados no artigo anterior (teste da caneca de fundo preto, CMT, CCS individual, cultura microbiológica). Após a identificação, deve-se realizar prontamente o tratamento e o isolamento dos animais, podendo utilizar a linha de ordenha como estratégia para evitar a transmissão para lotes saudáveis.

Para saber mais entre em contato pelo box abaixo ou clique aqui.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint