ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Resíduos químicos e qualidade do leite

POR LIBOVIS - UFRRJ

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/04/2021

5 MIN DE LEITURA

1
10

Por sua composição rica em nutrientes, sobretudo de proteínas, sais minerais e vitaminas, o leite é considerado um dos mais completos alimentos, sendo amplamente comercializado e consumido pela população, principalmente por crianças e idosos.

As condições climáticas do Brasil favorecem a manutenção e reprodução de patógenos causadores de doenças nos animais. Esse fator leva a intensa utilização de drogas veterinárias nos rebanhos, utilizadas muitas vezes de maneira indiscriminada.

O leite de animais que foram submetidos a determinados tratamentos pode veicular resíduos de medicamentos de uso veterinário, como antibióticos, anti-helmínticos e carrapaticidas, mediante aplicação desses produtos nos animais de maneira inadequada, em desacordo com as boas práticas agropecuárias.

O leite também pode conter resíduos de produtos de higienização de ambientes e equipamentos, como desinfetantes, detergentes e pesticidas, além do aparecimento desses resíduos a partir da ingestão de rações e pastagens contaminadas.

O uso indiscriminado de algumas substâncias sem respeito às questões referentes as boas práticas de aplicação de produtos e medicamentos, pode favorecer a absorção e a secreção nos alvéolos da glândula mamária de substâncias que não pertencem ao leite, como os contaminantes.

Todos esses resíduos são indesejáveis para obtenção de um leite de qualidade, uma vez que são prejudiciais à saúde humana e ainda afetam a fabricação de derivados lácteos, alterando a fermentação destes.

O consumo de leite e derivados com algum desses resíduos pode levar ao desenvolvimento de alergias, distúrbios gastrintestinais, tumores e contribuir para o desenvolvimento da resistência bacteriana aos antibióticos, um fator de grande relevância em saúde pública.  

Os antimicrobianos são usados nas diferentes fases da produção, desde tratamentos de doenças em bezerros até àquelas relacionadas a vacas adultas. Os mais utilizados em animais de produção são agrupados em seis classes: beta-lactâmicos (penicilinas e cefalosporinas), macrolídios (eritromicina), quinolonas (ciprofloxacina, enrofloxacina, norfloxacina), tetraciclinas (oxitetraciclina, tetraciclina e clortetraciclina), aminoglicosídios (estreptomicina, neomicina e gentamicina) e sulfonamidas (sulfametazina).

Deve-se respeitar o período de carência estabelecido na bula de cada medicamento, ou seja, o período de tempo de descarte do leite, que vai desde o início do tratamento até o momento em que o leite não apresenta mais resíduos de antibióticos após a última aplicação, significando que o leite está seguro para consumo ou processamento, atendendo ao limite máximo permitido (LMR).

Os parasitas gastrointestinais resultam na perda de produção e produtividade, redução da utilização de nutrientes, baixa produção de leite e retardo do crescimento dos animais, sendo assim, drogas anti-helmínticas são frequentemente utilizadas em rebanhos.

Em bovinos são mais utilizados em animais jovens, já em pequenos ruminantes o uso acontece em todas as faixas etárias, portanto os resíduos são significativos para produção de leite de cabra. Os mais utilizados são: benzimidazóis (tiabendazol, oxibendazol, fembendazol, oxfendazol, albendazol, ricobendazol), imidazotiazol (tetramisol, levamisol), salicilanilidas (closantel) e as lactonas macrocíclicas divididas em dois grupos, as avermectinas (ivermectina, doramectina, eprinomectina) e as milbemicinas (moxidectina). Anti-helmínticos também deixam resíduos no leite e o respeito ao período de carência é obrigatório após o tratamento.

Os pesticidas incluem: inseticidas, fungicidas, herbicidas, repelentes, raticidas e outros produtos de uso doméstico e industrial. Possuem alta lipossolubilidade, estabilidade química e manifestada ação residual, podendo se acumular no tecido adiposo, além de serem detectados no leite.

Seja qual for a finalidade, se não forem aplicados de modo correto: não respeitar o período de carência, uso de uma dosagem superior à recomendada pelo fabricante, não respeitar as boas práticas de aplicação, estocagem, transporte e distribuição, oferecem riscos à saúde do homem, animal e meio ambiente, já que podem contaminar solo, água e plantas, e consequentemente, o leite da fêmea lactante que fez a ingestão desses recursos. Os resíduos mais encontrados no leite são de produtos à base de organoclorados, carbamatos e abamectinas.

Os desinfetantes e detergentes podem contaminar através de utensílios que entram em contato com o leite após a desinfecção dos tetos e depois da lavagem de utensílios e equipamentos de ordenha e tanque de refrigeração.

A presença de resíduos desses produtos no leite ocorre quando esses procedimentos são mal feitos ou quando a secagem dos tetos não é feita de forma correta. Resquícios de componentes dos detergentes como álcalis, ácidos e fosfato são difíceis de serem detectados, já que esses elementos estão presentes de modo natural na forma de sódio, citrato e fosfato.

As micotoxinas produzidas por fungos, podem estar presentes em alimentos volumosos e concentrados. São substâncias com forte ação hepatotóxica podendo causar desde envenenamento agudo até desenvolvimento de câncer, tanto nos animais como no homem.

Dentre as micotoxinas, a aflotoxinas produzidas pelas espécies do gênero Aspergillus, são de maior importância na cadeia do leite, visto que causam doenças aos bovinos. Elas podem ser encontradas em alimentos mofados em condições de colheita tardia ou armazenamento em ambiente quente e úmido.

Os hormônios podem ser administrados para o tratamento de mastite, sincronização do estro, indução da ovulação múltipla ou indução do parto. A maioria dos compostos são sintéticos e neste caso é indispensável respeitar o período de carência para que o LMR não seja atingido.

A aplicação de hormônios em vacas em lactação deve obedecer às recomendações de dosagem usando exclusivamente produtos licenciados e sempre sob orientação de um médico veterinário.

É notório a influência dos resíduos químicos na qualidade do leite e torna-se necessário que os produtores redobrem o cuidado, tendo em vista que o resíduo desses produtos pode causar danos à saúde do consumidor, além de provocar perdas de rendimento de fabricação na indústria de produtos lácteos como a redução do tempo de prateleira.

As reações tóxicas para humanos podem ser agudas, crônicas e/ou retardadas, como a ação carcinogênica. O leite contaminado por substâncias químicas é considerado adulterado e impróprio para o consumo, pois representa um risco à saúde pública. O leite é consumido no mundo todo, na sua forma fluida ou em derivados lácteos e a qualidade dos produtos é essencial para a saúde humana.

É desejável para o produtor ter um leite com poucos contaminantes pelo fato de a maioria das empresas empregar o sistema de pagamento pela qualidade. Este sistema de pagamento tem por objetivo incentivar os produtores a investirem na melhoria da qualidade da matéria-prima, estimulando o produtor a adotar boas práticas de produção e armazenamento, pela bonificação ou penalização sobre o preço base do leite.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como! 

Autores:

Júlia dos Santos Fonseca1
Raquel Rangel Teles Nunes1
Thaíne Lopes Bueno1
Ana Paula Lopes Marques2

1Discentes e 2 Orientador, Grupo de Estudos Liga de Bovinos - LiBovis - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, UFRRJ

Referências:

CISCATO, C. C. H. P.; GEBARA, A. B.; SPINOSA, H. S. Resíduos eu pesticidas em leites bovino e humano. Pesticidas: Revista de Ecotoxicologia e Meio Ambiente, v. 14, p. 25-38, 2004.

PAIVA, C. A. V.; OLIVEIRA, V. M.; BRITO, M. A. V. P. EMBRAPA: Produção de leite de qualidade - Juiz de Fora, MG.  Embrapa Gado de Leite, 2019.

LIBOVIS - UFRRJ

A Liga de Bovinos, LiBovis, é um grupo de estudos constituído por alunos de graduação em Medicina Veterinária e áreas afins da UFRRJ. Tem como objetivos estudar, compreender e defender os interesses da bovinocultura contribuindo para sua valorização.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ROBERT FERREIRA BARROSO DECARVALHO

LAGO DA PEDRA - MARANHÃO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 28/04/2021

Excelente abordagem sobre um tema de grande importância, devido seu impacto para saúde dos animais e do homem!
MilkPoint AgriPoint