ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Impacto da privação de repouso e do sono em vacas leiteiras

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/12/2021

8 MIN DE LEITURA

0
4

Atualizado em 27/12/2021

"As vacas leiteiras que são impedidas de deitar têm uma capacidade reduzida de dormir, causando implicações negativas no bem-estar."

Uma pesquisa conduzida na Universidade do Tennessee descobriu o impacto potencial da privação de repouso e do sono na saúde das vacas leiteiras. Este trabalho foi apoiado pelo Instituto Nacional de Alimentos e Agricultura do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.

As vacas leiteiras que são impedidas de deitar têm uma capacidade reduzida de dormir, causando implicações negativas no bem-estar. Em outras espécies, a perda de sono é um fator de risco chave para doenças, mediada por alterações nas respostas metabólicas e inflamatórias. O efeito da privação de sono e de repouso na saúde das vacas leiteiras não está bem estabelecido.

Determinar o efeito do sono agudo e da privação de repouso nos indicadores fisiológicos de saúde em gado leiteiro, incluindo respostas inflamatórias e metabólicas, é um primeiro passo crítico na compreensão das consequências das estratégias de manejo que podem resultar na redução do tempo de repouso e perda de sono.
 

Quanto tempo uma vaca dorme? 

As vacas leiteiras dormem cerca de 4 horas por dia, em curtos períodos de 3-5 minutos ao longo do dia.

Em geral, o tempo das vacas leiteiras inclui atividades demoradas, como comer, deitar e ser ordenhadas, bem como o tempo gasto movendo-se entre essas atividades. É possível que a soma de todas essas atividades cause um conflito no tempo total distribuído, comprometendo o tempo de descanso e sono. 

Pesquisas mostram que vacas leiteiras se deitam entre 11 e 13 horas por dia em sistemas de confinamento. Uma parte do tempo em que estão deitadas é gasta dormindo. O sono é dividido em 2 estados vigilantes principais: sono sem movimento rápido dos olhos (NREM) e sono de movimento rápido dos olhos (REM). No entanto, é observada sonolência em alguns animais; isso é descrito como um estado intermediário entre a vigília e o sono NREM.

Especificamente, as vacas passam 3 horas por dia no sono NREM, 30-45 minutos por dia no sono REM e 8 horas por dia cochilando. As vacas também podem cochilar e dormir um pouco o sono NREM quando forçadas a ficar de pé, embora isso normalmente não seja observado. Nenhum estado de sono pode ser alcançado em pé; uma posição reclinada deve ser assumida para que as vacas entrem no sono REM. Portanto, qualquer perda de tempo em que as vacas podem ficar deitadas tem o potencial de alterar o tempo que as vacas passam dormindo.

 

O estudo do Tennessee

Os pesquisadores objetivaram determinar o efeito do distúrbio humano de 24 horas ou da privação de repouso nas respostas metabólicas (NEFA e glicose) e inflamatórias (citocinas pró-inflamatórias: fator de necrose tumoral, ou TNF, e interleucina, ou IL1B e IL6.

Um total de 12 vacas leiteiras da raça Holstein em gestação, de meio a final de lactação foram utilizadas neste estudo, que incluiu 2 tratamentos que visavam induzir a perda de sono por distúrbios humanos e privação de repouso.

Para impedir que as vacas ficassem deitadas, uma grade de madeira foi colocada no chão do curral, evitando que as vacas deitassem. Os dados coletados da eletroencefalografia (EEG) anexada a cada vaca foram usados para determinar as diferentes fases do sono – NREM, REM e sonolência – experimentadas durante os períodos de linha de base e de tratamento.

 

Respostas metabólicas e inflamatórias

Os pesquisadores previram originalmente que as vacas em ambos os tratamentos apresentariam alterações no balanço energético e nas respostas inflamatórias em comparação com as medições iniciais.

No entanto, eles descobriram que nenhum dos tratamentos afeta os indicadores metabólicos (NEFA e glicose), mas a privação de repouso estimula a expressão de citocinas inflamatórias.

As abundâncias de TNF e IL1B foram maiores após 24 horas de privação de repouso em comparação com a linha de base. Em contraste, a perturbação humana por 24 horas não alterou a abundância de TNF, IL1B ou IL6 em relação aos níveis basais. 

Os pesquisadores observaram: “Em nossa pesquisa anterior, onde investigamos os efeitos de deitar e da privação de sono sobre o comportamento de vacas leiteiras em lactação, a privação de repouso causou uma redução significativa em todos os estados de sono (REM, NREM, sonolência); no entanto, distúrbios humanos causaram apenas pequenas diferenças em relação ao período da linha de base, sugerindo que as vacas foram capazes de manter o sono, apesar de nossos esforços para mantê-las acordadas usando distúrbios humanos. Essas descobertas podem explicar por que, em nosso estudo atual, observamos efeitos maiores da privação de repouso sobre os marcadores inflamatórios em comparação com a perturbação humana.”

A pesquisadora principal, professora associada Katy Proudfoot, disse: “Esses resultados sugerem que um curto período de privação de repouso aumenta as respostas inflamatórias, mas não as metabólicas”.

A falta de efeito nos indicadores metabólicos foi atribuída à produção de leite e ingestão de matéria seca (CMS).

“Também deve ser observado que essas vacas experimentaram uma diminuição de 3 kg na produção de leite no dia após o tratamento de privação de repouso, potencialmente permitindo que as vacas mantenham o equilíbrio energético apesar do aumento da demanda de energia durante a perda de sono. Além disso, selecionamos especificamente vacas que tinham uma alta tolerância aos humanos e talvez uma maior tolerância geral a um ambiente estressante. Também não conseguimos medir os efeitos dos nossos tratamentos no consumo de matéria seca, o que ajudaria na nossa interpretação dos resultados dos indicadores metabólicos”, acrescentou.

 

Produção de leite reduzida

Em sua pesquisa anterior, os pesquisadores descobriram que, embora a privação de sono não tenha nenhum efeito na produção de leite, a combinação de privação de sono e de repouso reduziu a produção de leite.

Nesse mesmo estudo, tanto o repouso quanto a privação de sono mostraram maior teor de gordura do leite, mas nenhuma influência na proteína do leite. A privação de repouso levou à maior contagem de células somáticas (CCS) em comparação com a linha de base, mas a privação de sono não teve efeito sobre a CCS. 

Os pesquisadores enfatizaram a necessidade de pesquisas futuras para medir os efeitos da privação de sono em populações mais vulneráveis, como vacas doentes, vacas pós-parto ou aquelas com disposição mais nervosa.

Além disso, os pesquisadores não conseguiram determinar se a adaptação a um ambiente pró-inflamatório durante a privação do repouso foi motivada pela perda de sono, maior tempo para ficar em pé ou uma combinação de ambos.

Eles, portanto, recomendaram pesquisas adicionais para estabelecer a associação entre a privação do repouso e a privação do sono. Eles também sugeriram a inclusão de um marcador sistêmico de inflamação coletado ao longo do dia e da noite, antes e durante a recuperação, para ajudar a estabelecer a extensão em que ocorrem as alterações pró-inflamatórias sistêmicas.

 

Comportamento de repouso e claudicação

A claudicação é amplamente reconhecida como um sério problema de bem-estar animal e produção na indústria de laticínios. A claudicação compromete o bem-estar dos animais afetados e pode resultar em redução da produção de leite, redução da fertilidade e aumento do risco de abate prematuro.

A avaliação comportamental, como observações visuais da marcha da vaca, é a primeira linha de detecção de claudicação antes que as lesões do casco possam ser identificadas durante o casqueamento. No entanto, a tecnologia automatizada para medir o comportamento de repouso está agora disponível, onde registradores de dados eletrônicos baratos podem fornecer estimativas precisas do comportamento de repouso de vacas individuais.

A claudicação pode ser afetada pelo comportamento, mas também pode modificar o comportamento das vacas afetadas. Em geral, vacas com claudicação passam mais tempo deitadas e menos tempo se alimentando, realizam menos interações agressivas e são menos ativas em comparação com vacas sem claudicação.

 

Aumento da incidência de claudicação

Pesquisadores da University of British Columbia e da University of Guelph, no Canadá, avaliaram a associação entre o comportamento de deitar e claudicação, onde previram que vacas com claudicação apresentariam comportamento de se deitar diferente do de vacas sem claudicação. O segundo objetivo era determinar se as medidas do comportamento de deitar poderiam ser usadas como uma ferramenta de diagnóstico para claudicação.

O estudo foi conduzido em 28 fazendas leiteiras comerciais. Eles descobriram que o comportamento de deitar, especialmente os tempos de repouso altos (> 14,5 horas por dia) e períodos de repouso longos (> 90 minutos por sessão), foi associado com o aumento da incidência de claudicação, e que a superfície do estábulo influenciou as respostas comportamentais das vacas com claudicação.

Eles sugeriram que a medição automatizada do comportamento de deitar pode ser útil como um elemento em uma abordagem multifatorial para a detecção de claudicação.

No entanto, uma análise de custo-benefício confiável das tecnologias disponíveis é fundamental para os produtores de leite na decisão de qual tecnologia pode ser financeiramente sustentável a longo prazo. Eles relacionaram seu estudo a um estudo anterior que comparou o comportamento de vacas com vários graus de claudicação e descobriu que a proporção de vacas deitadas em cada categoria aumentava com o grau de claudicação.

 

Fatores de repouso e privação do sono

“Até onde sabemos, nossos resultados são os primeiros a indicar que curtos períodos de sono e privação de repouso podem ter efeitos a jusante sobre a saúde do gado”, disseram os pesquisadores. Os resultados deste estudo também apontaram para fatores que podem promover o excesso de se manter em pé, como superlotação, estresse por calor e estresse de transporte.

O estágio da lactação também é importante; em um estudo semelhante, a menor duração do sono REM foi encontrada para vacas durante a lactação (2 semanas após o parto) e a mais longa REM durante o período seco (2 semanas antes do parto).

Neste estudo, os pesquisadores concluíram que o primeiro passo para uma melhor compreensão do sono em vacas leiteiras é quantificar o tempo que as vacas passam acordadas e dormindo em diferentes estágios da lactação, quando têm a possibilidade de descansar e dormir sem perder tempo se movendo entre e esperando por ração, água, ordenha e acesso a um local para se deitar.
 

A preferência da vaca na área de repouso

E, em um estudo na Escócia, os pesquisadores fizeram uma avaliação sobre a preferência das vacas por 2 qualidades diferentes de área de repouso que parecem ser importantes para as vacas - tipo de superfície e espaço aberto - para entender melhor como otimizar o conforto para vacas quando alojadas.

“Os resultados indicam que, quando deitadas, as vacas leiteiras valorizam mais um espaço aberto do que a superfície para se deitar”, disseram eles. Mas os pesquisadores concordaram que tanto o tipo e o tamanho do local de repouso, bem como o tipo de material de cama, podem influenciar a distribuição da posição deitada e o tempo de sono. Um relatório no EFSA Journal (2009) também declarou: “Uma redução no tempo de repouso devido a moradias precárias provavelmente terá um efeito mais severo no bem-estar animal se o tempo gasto dormindo for reduzido.”

Fonte: Dairy Global, traduzidas e adaptadas pela equipe MilkPoint. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint