FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Gestão de resíduos de laboratório

POR MICHELE FANGMEIER

INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 25/07/2017

3 MIN DE LEITURA

3
0
Você sabia que todo laboratório precisa de um plano de descarte de resíduos? Este plano tem por objetivo sistematizar o processo de tratamento de resíduos do laboratório incluindo os subprodutos gerados pós procedimento de análise. Isso ocorre através do controle contínuo desde o descarte até o tratamento dos resíduos. Também, estabelece os procedimentos para tratamento das embalagens oriundos destes descartes.

Inicialmente é necessário fazer um inventário de todos os reagentes químicos presentes no laboratório e classificá-los conforme a sua categoria: ácidos, bases, inflamáveis, soluções (padrão e indicadoras), sais, tóxicos, entre outros. Para cada categoria deve-se estabelecer qual o destino após uso ou vencimento, por exemplo, pode ser tratado e/ou destruído no próprio laboratório, como no caso de resíduos de composição não tóxica. Ou então, deve ser armazenado em local apropriado de forma segura e com boa ventilação, identificado claramente e respeitado as características químicas, até serem encaminhados para tratamento terceirizado.

Armazenamento

Quanto ao armazenamento de produtos químicos, podemos dividi-lo em três partes: os vencidos, o estoque e aqueles de uso, que estão no laboratório. Os reagentes químicos vencidos devem ficar armazenados em local distante da área da indústria em ambiente com boa ventilação, dispondo de espaço suficiente para a classificação dos grupos em prateleiras de material compatível com a natureza do material a ser armazenado.

Não é permitido o armazenamento de resíduos para descarte em capela ou próximos de qualquer fonte de calor ou água. Já o estoque, deve seguir as mesmas recomendações, porém deve estar separado do depósito de reagentes químicos vencidos. Os reagentes devem ser monitorados pela sua data de fabricação e validade (primeiro que vence - primeiro que sai). E os reagentes que permanecem no laboratório, de uso de rotina, devem ficar armazenados em local seguro, longe de fontes de calor, classificados em grupos de acordo com a natureza química de cada reagente, claramente rotulados contendo dados completos, inclusive aqueles que serão destinados ao depósito de resíduos.

Etiquetas danificadas devem ser substituídas. Ao usar frascos de reagentes para descarte de resíduos deve-se ter o cuidado de retirar completamente a etiqueta original. Assim, deverão permanecer no laboratório somente reagentes em quantidade necessária para atendimento do fluxo de rotina.

Tratamento e/ou destruição

Em geral compostos solúveis em água com baixa toxicidade podem ser descartados diretamente na pia, após a diluição de 100 vezes sob água corrente. Misturas contendo compostos pouco solúveis em água, em concentrações abaixo de 2%, também podem ser descartados na pia. O mesmo tratamento pode ser dado aos orgânicos biodegradáveis.

Compostos com características ácidos-bases pronunciadas pH<6 ou pH>8 deverão ser neutralizados antes do descarte. É preciso se atentar às operações de neutralização, pois são reações exotérmicas. Assim, deve-se considerar sempre a toxidade, inflamabilidade, quantidade e concentração da substância em questão. Em caso de dúvidas, a orientação é sempre procurar o seu fornecedor.

Substâncias que não se enquadram para descarte e destruição na empresa devem ser segregadas, identificadas e encaminhadas para descarte em empresa especializada, sendo que a empresa responsável deverá estar certificada por órgão competente para a execução da atividade. Importante também arquivar todos os documentos relacionados ao envio destes reagentes para tratamento terceirizado, para apresentação em caso de auditoria.

Os resíduos químicos devem ser acondicionados de preferência em sua embalagem original ou em embalagens de polietileno (embalagens de alta densidade). Na falta deste, poderão ser armazenados em frascos âmbar. Da mesma forma não deverão ser utilizadas embalagens metálicas para resíduos, pois mesmo que próximos à neutralidade, sólidos e líquidos podem corroer facilmente este tipo de embalagens. Caso o descarte ocorra em frascos não originais e sim em frascos vazios de reagentes de polietileno ou âmbar, estes deverão passar por enxágue tríplice com água corrente. Neste caso, não poderá se esquecer de remover o rótulo original e identificar o resíduo corretamente. As informações necessárias para a identificação do produto são: nome do reagente, concentração, data de fabricação, data de validade, analista responsável e característica do reagente.

MICHELE FANGMEIER

Técnica em Gestão Ambiental pelo Colégio Teutônia. Graduada em Química Industrial pela Univates. Mestranda CAPES em Biotecnologia na Produção Industrial de Alimentos. Atua como Supervisora de Laboratório de Controle de Qualidade de Laticínios.

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MICHELE FANGMEIER

TEUTÔNIA - RIO GRANDE DO SUL - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 31/07/2017

Olá Gisela! Que bom que gostou do artigo.

O resíduo oriundo da análise de proteína e gordura necessitam tratamento terceirizado, você está certa. Quanto ao custo para o tratamento, realmente é bem elevado, onde eu trabalho também pagamos bem caro para dar o destino adequado ao resíduo. Infelizmente não tem muito o que fazer. E podes pesquisar em diferentes empresas, o preço é padronizado, não tem muita diferença.



O que te sugiro é criar um local adequado na sua empresa para armazenar o resíduo, visando acumular uma quantidade maior, talvez até contatar outras empresas vizinhas e juntar os resíduos, pois as vezes com uma quantidade maior consegues barganhar preços melhores.



É complicado despender um alto valor para o tratamento destes resíduos, mas é necessário se queremos trabalhar dentro da legalidade. Já se sabe que "é melhor prevenir, do que remediar", pois as multas ambientais são pesadas.



Abraços
MICHELE FANGMEIER

TEUTÔNIA - RIO GRANDE DO SUL - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 25/07/2017

Boa Tarde Angélica!

Respondi por e-mail!

Abraços
ANGELICA CINTRA

CEARÁ - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 25/07/2017

Boa tarde

Michele,estou em Fortaleza, não conheço Rio Grande do Sul ainda.

Curti su publicação, vou inclusive tentar arquivar.

Fiz Ciências Biológicas, e tenho especialização em tecnologia de alimentos sendo inclusive ex estagiária do Ital em CAMPINAS.

Fiz Gestão AMBIENTAL PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ E FEDERAL DE SANTA CATARINA como especialização também.

até gostaria de ficar com seu contato,pois venho já algum tempo tentando conhecer o sul.

Sobre firmas terceirizadas para logistica reversa e descarte de reagentes fora de validade,ou resíduos aqui em Fortaleza estamos com sérios problemas.

No sul vocês já tem firmas terceirizadas para receber os resíduos?

sim meu contato LABORATÓRIO CMF 85 33887820, email angel_cintra2015@outlook.com

obrigada

tudo de bom para você
MilkPoint AgriPoint