FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Rotina no RS, seca volta a prejudicar os produtores

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 11/12/2020

1 MIN DE LEITURA

0
0

No Rio Grande do Sul, os produtores contabilizam perdas na safra de milho pelo segundo ano consecutivo, e pelo mesmo motivo: falta de chuvas. A quebra desta safra, porém, poderá ser ainda maior que em 2019/20, quando a produção recuou 26,7%, para 4,2 milhões de toneladas. Desta vez, a colheita está estimada em 3 milhões de toneladas.

“Se não fosse a estiagem, poderíamos colher mais 2,5 milhões de toneladas de milho e chegar a uma safra de grãos recorde no Estado”, disse o economista-chefe da Federação da Agricultura do Estado (Farsul), Antônio da Luz. “O produtor aumentou a área e ampliou em 32% o investimento, mas o clima impediu esse avanço”, observou.

Se, por um lado, a oferta menor de milho deverá sustentar os preços do cereal, por outro aumentará os custos de produção de produtores de leite, suínos e aves, que já encontram dificuldades para adquirir o grão a preços competitivos.

A produção gaúcha de arroz também deverá ser 3,4% menor que em 2019/20 (7,5 milhões de toneladas). A queda virá após uma produção 8,4% maior em 2019/20, mas que, ainda assim, não foi suficiente para evitar a disparada dos preços neste e ano no país. 

O cenário é reflexo da estiagem no período de plantio das lavouras de verão, comum em anos de La Nina. Em Mato Grosso, a estiagem atrasou o plantio da soja e trouxe prejuízos nas áreas semeadas entre 15 de setembro e 15 de outubro, equivalentes a cerca de 25% do total.

“Nesses casos houve não só replantio como mudança de estratégia. Muita gente partiu para o algodão ou milho de primeira safra. Nesses 25% a perda será considerável, já que as recentes chuvas não recuperam os prejuízos. Mas no restante, os relatos são de lavouras em boas condições”, afirmou o agrometeorologista Marco Antonio Santos, da Rural Clima. Para ele, porém, o pior já passou.

Conforme Santos, mesmo que ocorram períodos sem chuva nas regiões de grãos, eles não deverão ser tão extensos como os de setembro e outubro. Para ele, se as condições climáticas permanecerem como estão pelos próximos 30 dias, a safra brasileira de soja poderá chegar a até 136 milhões de toneladas.

As informações são do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint