ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O Sul e a La Niña: o que é esse fenômeno, afinal?

POR TIAGO DA CUNHA FARIA

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 29/11/2021

4 MIN DE LEITURA

0
3

Atualizado em 26/11/2021

O fenômeno La Niña é um padrão climático natural que resulta da interação entre a atmosfera e o oceano. Durante o La Niña os ventos alísios se intensificam e as águas superficiais do Oceano Pacífico Equatorial acabam esfriando. Mas… o que esse fenômeno pode causar? Alterações na temperatura média, precipitação pluvial e no déficit hídrico, são alguns dos seus efeitos.

Conforme notícia da Embrapa, divulgada no MilkPoint Mercado, “O que esperar do clima nos meses de novembro e dezembro de 2021?”, e analisado pela Columbia Climate School International Research Institute for Climate and Society (IRI) e o Climate Prediciton Center (CPC) a probabilidade de ocorrência de La Niña para o trimestre atual é de 99% (destacado no gráfico a seguir) e segue alta para o final do ano.

Gráfico 1. Probabilidade de ocorrer eventos ENOS por trimestre.


Fonte: adaptado de CPC/IRI ENSO Probability Forecast, 2021.

A ocorrência de La Niña traz consequências para certas regiões do país, sendo o sul do Brasil uma região onde os efeitos associados ao fenômeno podem ser mais intensos. O estado do Rio Grande do Sul pode apresentar efeitos negativos desencadeados pelo fenômeno, como demonstrado na imagem a seguir.


Imagem 1. Distribuição espacial dos efeitos do evento “La Niña”. (Pode-se observar que o Norte do estado é mais afetado).


Fonte: INPE, 2001.
 

Um dos efeitos negativos que o La Niña traz para a região sul do Brasil é uma precipitação pluvial menor e consequentemente aumento do déficit hídrico, principalmente no período de outubro a fevereiro. No caso do Rio Grande do Sul, a região noroeste é a mais afetada.


Gráfico 2. Distribuição da precipitação pluvial de outubro a março (diagrama de caixa) nos eventos de El niño e La niña da região significativa de produção de milho do Rio Grande do Sul (1919- 2003).

Fonte: UFRGS, 2004.
 

O efeito do La Niña já pode ser sentido na prática na região sul do país. Como exemplo, as cidades de Passo Fundo e Cruz Alta, ambas no noroeste do estado apresentaram um regime hídrico acumulado para o mês de novembro muito inferior a média histórica dos locais, conforme constatado nos gráficos a seguir.

Gráfico 3. Chuvas acumuladas (mm/mês) em comparação com a média histórica da região de Cruz Alta-RS.

*2021: Até 23/11/2021.


 

Gráfico 4. Chuvas acumuladas (mm/mês) em comparação com a média histórica da região de Passo Fundo-RS.

 

*2021: Até 23/11/2021.

Fonte: Elaboração MilkPoint Mercado, 2021.


Passo Fundo tem uma média histórica acumulada de chuvas para o mês de novembro de aproximadamente 151 mm e o apresentado até o momento (23/11) foi 30 mm, ou seja, uma redução de aproximadamente 80% considerando o período. Já Cruz Alta se encontra em estado mais crítico, sendo a média histórica de chuvas acumulada para o mês de novembro de aproximadamente 148 mm e as chuvas acumuladas até o momento (23/11) atingiram apenas 6 mm, representando uma redução de aproximadamente 96%.

Quais os impactos desse fenômeno na atividade leiteira?

Essa falta de chuvas vem sendo prejudicial para a produção de alimentos na região, e pode comprometer a reserva de alimentos para 2022. O milho verão para silagem encontra-se em grande parte das lavouras em sua fase de reprodução. A falta de água neste período pode causar danos, como uma diminuição no enchimento dos grãos e em casos extremos a não formação de grãos. A produtividade do milho para silagem cultivado no sul do Brasil já apresenta danos até o momento, e a esperança é que ocorram chuvas nos próximos dias para evitar perdas maiores.

Imagem 2. Danos causados pelo estresse hídrico na cultura do milho.

Fonte: Murilo Durli, 2021.
 

A soja também vem sendo afetada. O estado do Rio Grande do Sul representa aproximadamente 15% da área plantada do grão no país, conforme o gráfico a seguir. A soja se encontra em fase de germinação em grande parte das lavouras na região, e a falta de chuvas pode afetar seu desenvolvimento. Assim como o milho, perdas de produção podem ser observadas em lavouras da região sul do país.


Gráfico 5. Área plantada de soja nacional e no Rio Grande do Sul.

Fonte: CONAB, 2021.



A diminuição da oferta de silagem e soja nos próximos meses pode afetar a conjuntura dos preços do leite, afetando por exemplo, o RMCR (Receita Menos Custo de Ração), portanto vale ficar de olho nos próximos dias nas condições meteorológicas e esperar por chuvas, principalmente na região sul do Brasil.

A tendência para os próximos meses é uma diminuição da probabilidade de ocorrência do La Niña, conforme observado no gráfico 1 e uma menor intensidade em seus efeitos. Acredita-se que seus impactos não terão efeitos relevantes para o plantio de forrageiras de inverno no Rio Grande do Sul.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint