FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

PIB do agro acumula alta de 8,48% em 2020

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 11/12/2020

1 MIN DE LEITURA

0
0

O PIB do agronegócio brasileiro cresceu 1,65% em agosto. De acordo com relatório do Cepea,  no acumulado do ano (até agosto), o PIB do agronegócio registra expressivo avanço de 8,48%, um desempenho recorde para o período.

Os dados são do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, realizados em parceria com a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil). Conforme os pesquisadores do Centro de Estudos, os destaques são verificados para os PIBs dos segmentos primário e de agrosserviços, que, em 2020, já subiram expressivos 23,03% e 7,28%, respectivamente.

Já a agroindústria, segmento do agronegócio mais afetado pelas medidas relacionadas à pandemia, seguiu com o resultado menos satisfatório. Neste caso, depois de recuar em abril e maio, o PIB do segmento agroindustrial tem demonstrado recuperação desde junho – o que explica o resultado de estabilidade (-0,09%) registrado no acumulado do período de janeiro a agosto. É importante ressaltar, também, que as dificuldades para o crescimento do PIB agroindustrial se relacionam sobretudo às atividades de base agrícola. A agroindústria da pecuária, por sua vez, tem apresentado crescimento no período, impulsionada pelos maiores preços das carnes e dos laticínios frente a 2019.

Quanto ao crescimento significativo do PIB do segmento primário na parcial de 2020, pesquisadores do Cepea indicam que reflete, pelo lado da oferta, a volumosa produção de grãos – vale lembrar que o País produziu safra 2019/2020 recorde. Além disso, o avanço se deve à forte alta nos preços agropecuários reais, resultado dos aumentos expressivos na demanda, tanto externa quanto doméstica, e do alto patamar da taxa de câmbio.

No mercado doméstico, os instrumentos de políticas públicas voltados à garantia de renda aos mais impactados pela crise gerada pela pandemia têm contribuído para a sustentação da demanda. Quanto às exportações, além da demanda crescente, reforçada pelo “efeito China”, a rentabilidade e a competitividade têm sido favorecidas pela desvalorização do Real frente ao dólar. 

As informações são da Agrolink. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint