ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

O hype sobre o leite A2 no mundo

Desde a fundação da empresa A2 Milk, em 2000, na Nova Zelândia, o interesse pelo leite A2 se tornou mundial e vem crescendo cada vez mais. A empresa, que inicialmente licenciava a propriedade intelectual para determinar o tipo de proteína que uma vaca produz em seu leite, em 2007, mudou seu modelo de negócios. De licenciamento para sociedade operacional de pleno direito, engajada na compra e venda de leite A2, ela se tornou uma marca na Nova Zelândia, Austrália, Reino Unido e outros países desenvolvidos, com participação de 8% em alguns desses mercados.

O leite contém dois grandes grupos de proteínas: caseínas e proteínas do soro do leite. O leite A2 contém o tipo A2 de proteína beta-caseína, enquanto o leite A1 contém o tipo A1 de beta-caseína. A proteína A1 é uma mutação natural da A2 que ocorreu há mais de 1.000 anos e, na sua digestão, a proteína A1 produz beta-casomorfina-7 (BCM-7).                                                    

Os medos relacionados à A1

Houve relatos de que a proteína A1/BCM-7 tem efeitos negativos para a saúde, como doença cardíaca isquêmica, diabetes tipo 1, autismo, resposta inflamatória e desconforto digestivo, etc., mas a comunidade científica acredita que as evidências são insuficientes e inconclusivas.

Em 2009, a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA), não encontrou de fato relações de “causa e efeito” entre o BCM-7 e as doenças reportadas. Após a averiguação, mais pesquisas foram feitas sobre os efeitos gastrintestinais da A1 e do BCM-7.

Apesar da falta de evidências científicas conclusivas de estudos em humanos, várias empresas começaram a comercializar o leite A2 com alegações de que é natural, melhor e livre de efeitos negativos.

Status do gado na Índia

As raças autóctones de vacas e búfalos da Índia são do tipo que produzem leite A2 e, portanto, são uma fonte de leite seguro. O status A1/A2 do gado é determinado pelos dois alelos para o gene da beta-caseína, isto é, A1 e A2 e o gado pode ser homozigoto para um tipo de proteína (A1A1 ou A2A2), ou heterozigoto (A1A2). O gado A1A1 produziria apenas leite A1, A2A2 produziria apenas leite A2 e o gado A1A2 produziria leite com beta-caseínas A1 e A2.

Projeto de genótipo

Estudos do Departamento Nacional de Recursos Genéticos Animais (NBAGR), Karnal, abrangendo 22 espécies, estabeleceram que o genótipo predominante no gado nativo da Índia é A2A2, confirmando que nossas vacas e búfalos produzem leite A2. A frequência do alelo A2 foi de 100%  nas cinco raças leiteiras de alto rendimento - Red Sindhi, Gir, Rathi, Shahiwal e Tharparkar, o que significa que estas raças não possuem o alelo A1 ou o genótipo A1A1/A1A2. Nas raças restantes, a disponibilidade do alelo A2 foi de 94%.

O NBAGR também relatou a alta frequência de alelo A2 entre os touros reprodutores, apoiando ainda mais a crença de que o leite que vem sendo vendido na Índia é seguro para consumo humano. Comparativamente, nas raças exóticas como Jersey e Holstein Friesian, a disponibilidade do alelo A2 é muito baixa.

Considerando o uso difundido de tipos exóticos em programas de cruzamento indiano e o fato de que essas raças exóticas são fonte do alelo A1, há necessidade de cautela em futuras atividades de reprodução para assegurar que o alelo A1 não seja fixado em raças indianas de gado.

Atualmente, o NBAGR está implementando um projeto chamado “Delineamento de variantes de beta-caseína em vacas indianas e potenciais implicações para a saúde do leite A1A2”. A agência também está oferecendo um serviço para genotipagem do alelo A1/A2 a partir de amostras de leite ou sangue em espécies de gado, a custo nominal. Empresas privadas na Índia também se aventuraram nisso, oferecendo kits de detecção de alelos.

Leite A2 na Índia

Recentemente, várias unidades de lácteos (unidades locais e algumas empresas organizadas) na Índia começaram a oferecer o leite A2 a um preço premium para os consumidores. Algumas das marcas de leite da A2 são Amul Deshi, Desigo, Haritas, GoShrushti entre outras.

O recente surgimento de vários produtores de leite A2 na Índia é uma indicação da disposição dos consumidores de pagar um premium pela percepção de melhor qualidade e leite mais seguro. Em vez de lançar o leite A2, os produtores podem atender a este segmento premium, oferecendo uma proposta de melhor valor, como leite com alto teor de proteína, leite sem lactose, adulterante ou antibiótico, leite orgânico certificado, etc.

Impulsionando raças locais

O governo está tomando medidas para conservar as raças nativas de todas as regiões e as empresas privadas também podem desempenhar um importante papel colaborativo nesses esforços.

Os laticínios privados também poderiam trabalhar para melhorar a produtividade das comunidades (que têm baixa produtividade) por meio de melhor reprodução, melhor manejo agrícola e alimentar e melhor saúde animal. Existe um enorme potencial para as unidades leiteiras empreendedoras aproveitarem o leite de búfala e atender à crescente demanda de leite A2 e produtos de valor agregado no mercado internacional.

As informações são do artigo de KV Satyanarayana, para o jornal indiano The Hindu Business Line, traduzidas e adaptadas pela Equipe MilkPoint.

 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.