FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Ministra tenta ampliar recursos para subvenções no Plano Safra

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 28/04/2020

4 MIN DE LEITURA

0
0

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, tenta convencer a equipe econômica do governo a aumentar de R$ 10 bilhões para R$ 13,5 bilhões o total de recursos para subvenções ao crédito rural para poder anunciar um Plano Safra 2020/21 mais “robusto”. O valor destinado ao seguro rural também deverá crescer, de R$ 1 bilhão previstos neste ano para R$ 1,5 bilhão em 2021, com a tentativa de tornar esse orçamento obrigatório. Para que a fatia do caixa do Tesouro Nacional voltada ao campo chegue a esses R$ 15 bilhões desejados, o pedido foi reforçado ontem ao ministro da Economia, Paulo Guedes, na frente do presidente Jair Bolsonaro.

“Ele é o árbitro disso tudo. As conversas são mais fáceis se têm o ‘aceite’ do nosso chefe”, afirmou Tereza Cristina ao Valor. A ministra deixou claro ao presidente que o agronegócio tem capacidade de “andar mais rápido” e espera que isso se reflita em um Plano Safra mais “encorpado”. 

Com total respaldo do setor para permanecer no cargo e sem demonstrar cansaço diante de críticas nas mídias sociais por defender que o Brasil deve manter boas relações comerciais com a China, principal destino das exportações do agronegócio nacional, Tereza Cristina disse que “está tudo no eixos” e que segue firme à frente da Pasta.

Ela destacou que Bolsonaro atendeu a todas as demandas possíveis feitas pelo agronegócio até agora. “Não posso me queixar do presidente sobre apoio ao setor. E o setor vê isso”, afirmou. Nesse contexto, a ministra reiterou que “já trabalha” com R$ 15 bilhões para subvenções (a crédito rural e seguro) no próximo Plano Safra - que vai entrar em vigor no dia 1º de julho e pode ter o anúncio antecipado -, mas ressalvou que o martelo não foi batido pelo Ministério da Economia.

Por isso, prefere não cravar de quanto será a queda na taxa de juros do crédito rural. O certo é que as taxas não chegarão aos pedidos de 1% e 2% feitos pela agricultura familiar e de 3% que parte do setor quer para médios e grandes produtores. As taxas poderão ter cortes de um ou dois pontos percentuais, sinalizou a ministra. Tereza Cristina pontuou que, mesmo com o possível aumento dos recursos para subvenções, os juros muito mais baixos podem resultar em “pouco dinheiro para pouca gente”, devido ao encarecimento das operações individualizadas.

“Juros de 1% ou 2% é muito difícil. A gente pode até pedir, mas acho que 3% para o pequeno agricultor talvez seja uma aposta”, afirmou. “Vamos lutar pelas melhores condições, mas hoje não dá pra dizer que é 2%, 3%, 5% ou 7%”.

Além de conseguir elevar os recursos para o seguro rural, a intenção da ministra da Agricultura é tornar o orçamento obrigatório - ou seja, livre de contingenciamentos. O objetivo é que o montante destinado ao programa federal de subvenção do prêmio do seguro chegue a R$ 1,5 bilhão em 2021. “É uma coisa importante [orçamento obrigatório], dá segurança e previsibilidade ao setor”, afirmou. O tema está em debate e pode entrar em uma nova medida provisória ou em um projeto de lei que começa a ser desenhado. 

Tereza Cristina ressaltou que o conceito da Pasta não mudou quanto a privilegiar os pequenos e médios produtores com a subvenção federal. Ela lamentou a turbulência vivida por causa da pandemia, que afeta a entrada de recursos estrangeiros para financiamento da safra - uma das apostas com a Lei do Agro, sancionada no início de abril.

Mesmo assim, a ministra já vê reflexos positivos da nova lei para o setor. Segundo ela, vai aumentar o interesse e a participação de bancos privados nesse mercado, e a maior competição esperada poderá gerar custos menores. “O agro saiu da esfera apenas do Banco do Brasil e começou a ser olhado por outras instituições financeiras. E isso porque é um negócio que tem começo, meio e fim, e que está funcionando”, disse Tereza Cristina.

A criação de novas operações para concessão de crédito, com uso maior de títulos como Cédula de Produto Rural (CPR) e Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA), é mais um ponto positivo, disse ela. O mecanismo deve ser usado para atender o segmento sucroalcooleiro, que demanda recursos para estocar a safra atual ante às quedas do consumo de combustíveis e dos preços do petróleo. Com dinheiro oficial, o custo pode ser alto. “O problema são o juros, porque é CDI mais alguma coisa. Se for muito alto, fica inviável. Por isso, os bancos estão estruturando operações novas, com CDCA, CRA, CPR”, afirmou a ministra (ver matéria Usinas devem ter crédito para estocar etanol).

Outro efeito da pandemia que poderá se refletir na construção do Plano Safra é a criação de linha específicas para segmentos mais afetados ou vulneráveis. Um deles será o trigo, uma das poucas culturas que o Brasil não é autossuficiente. Países do Leste Europeu impuseram restrições às exportações do cereal, como forma de proteger seus abastecimentos domésticos. Embora o Brasil não importe volumes significativos desses países e concentre as compras na Argentina, o movimento preocupa, informou Tereza Cristina.

As informações são do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint