ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Lala refinancia dívidas de curto prazo

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 28/02/2018

2 MIN DE LEITURA

0
0

A mexicana Lala, que comprou a brasileira Vigor em agosto do ano passado, está refinanciando parte de sua dívida de curto prazo em pesos e deve fechar, nas próximas semanas, a emissão de um bônus de 10 bilhões de pesos - ou cerca de US$ 530 milhões - no mercado mexicano.

A empresa, que divulgou na segunda-feira seu balanço de 2017 e do quarto trimestre do ano, tinha uma dívida de total de 30,971 bilhões de pesos (US$ 1,638 bilhão) em 31 de dezembro de 2017. Desse montante, US$ 1,514 bilhão referem-se a dívidas de curto prazo e US$ 124 milhões a dívidas de longo prazo.

Segundo a companhia de lácteos, esse débito considera o empréstimo-ponte com três instituições contraído para financiar a compra da Vigor, a dívida brasileira adquirida [na operação], em reais, de 6,538 milhões de pesos (US$ 346 milhões), e o refinanciamento de linhas capital de giro no Brasil para reduzir custos. A Lala atribuiu à Vigor um valor de R$ 4,325 bilhões na aquisição.

"Estamos refinanciando nossa dívida de curto prazo em pesos. Nossa dívida do empréstimo-ponte vai ser substituída por uma combinação de bonds no mercado mexicano com vencimento de cinco e 10 anos e dívida bancária", disse Alberto Arellano García, CFO da Lala, em teleconferência com analistas ontem para comentar os resultados da empresa. Segundo ele, no Brasil, a empresa também está reconfigurando o perfil da dívida e finaliza acordo com vários bancos para melhorar os custos de financiamentos.

Questionado por um analista se, além dos bonds no mercado mexicano, a Lala poderia emitir dívida em mercados internacionais para reduzir custos de financiamento, Arellano admitiu que isso pode ocorrer e que até uma eventual emissão no Brasil é possível.

Os custos financeiros e os juros afetaram o resultado da Lala no quarto trimestre de 2017, segundo o executivo. Excluindo os efeitos da aquisição da Vigor no Brasil e impactos pontuais da integração da empresa brasileira, o lucro líquido da Lala foi de US$ 33 milhões no quarto trimestre de 2017, queda de 46% sobre igual intervalo um ano antes, quando registrara um lucro líquido de US$ 62 milhões. Considerando a aquisição, o lucro foi de US$ 24 milhões.

Conforme o balanço da Lala, a Vigor contribuiu com vendas de US$ 124,1 milhões (referentes a dois meses) de uma receita líquida total de US$ 3,307 bilhões no ano passado. A empresa também gerou, nos dois meses sob a Lala, um Ebitda de US$ 20 milhões, que incluiu efeitos não recorrentes da aquisição, a venda da Itambé e gastos com M&A.

O CEO da Lala, Scot Rank, indagado na teleconferência sobre a disputa envolvendo a Itambé no Brasil, evitou fazer comentários. "Estamos no meio de um processo judicial, então não podemos comentar muito. Formalmente pedimos arbitragem na câmara de comércio contra o comprador da Itambé. Também fizemos algumas solicitações na Justiça no Brasil [...] contra o comprador para assegurar os direitos dos nossos acionistas. Acreditamos que nossos direitos legais foram violados".

As informações são do  jornal Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint