FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Coronavírus eleva incertezas e pode pressionar cotações do leite em maio

Pesquisas em andamento do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/ USP, indicam que, na Média Brasil, o valor do leite ao produtor em maio (captação do mês anterior) pode ser pressionado em decorrência das incertezas geradas pela crise do coronavírus no mercado de derivados em abril.
 
Depois de terem registrado demanda intensa em março – e consequente alta de preços naquele mês, quando o coronavírus começou a avançar no Brasil –, as negociações envolvendo derivados lácteos se enfraqueceram durante em abril no mercado brasileiro.
 
Abril marcou o primeiro mês completo de enfrentamento à pandemia e de uma nova dinâmica de consumo da população. Além do atendimento dos serviços de alimentação (importantes canais de distribuição de lácteos) terem sido prejudicados pelo agravamento da pandemia, também houve a diminuição da frequência das compras por parte dos consumidores e a redução da renda de muitas famílias. Esses fatores impactaram negativamente sobre a demanda de diversos derivados em abril, especialmente os refrigerados (perecíveis), que têm maior valor agregado para as indústrias.
 
O consumo de queijos foi o mais prejudicado e a dificuldade em assegurar a liquidez impactou negativamente na produção deste lácteo em abril. Como consequência, houve o aumento da oferta de leite cru no mercado spot (negociação entre indústrias) em abril. Em Minas Gerais, o preço médio caiu 7,3% na primeira e 11,7% na segunda quinzenas de abril, respectivamente.
 
As perspectivas negativas sobre o consumo no médio e longo prazos e o aumento da incerteza em abril diminuíram o investimento das indústrias em estoques, ainda mais num momento em que a matéria-prima está valorizada, por conta das condições de oferta.
 
É preciso lembrar que o preço no campo é formado depois das negociações quinzenais do leite spot e da venda dos derivados lácteos. Assim, a defasagem temporal entre a produção e a comercialização dos derivados causa o delay de um mês nesse repasse das condições de mercado para o produtor. Por conta dessa dinâmica de formação dos preços no campo, as cotações do spot e dos derivados de abril irão influenciar os valores do leite captado naquele mês, que serão pagos ao produtor em maio.
 
Junho
 
A produção leiteira está num momento de transição para a entressafra no Sudeste e Centro-Oeste. No Sul, a estiagem prejudica a atividade e compromete a quantidade e a qualidade da produção de silagem para os próximos meses. Pesquisas do Cepea mostram que, depois de caírem 0,8% na primeira quinzena de maio, as cotações do leite spot em Minas Gerais registram alta de expressivos 29% na segunda quinzena deste mês, devido à redução da produção. Na média deste mês, o preço do spot em maio ficou 6,7% acima do de abril, em termos nominais. Assim, a diminuição da oferta de leite no campo pode manter ou até mesmo elevar os preços ao produtor em junho.
 
As informações são do Boletim do Leite, do Cepea.

Veja outras informações do Cepea: 
 
 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.