ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Consumo de alimentos ganha fôlego com auxílio emergencial

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 31/08/2020

4 MIN DE LEITURA

0
1

A quarentena mudou a rotina de muitos brasileiros. Em casa, as famílias tiveram de cozinhar mais, o que afetou a dinâmica de preços dos alimentos e estimulou a venda de produtos como margarina e linguiça. Mas, ainda que seja tentador atribuir aos novos hábitos o movimento nas gôndolas e a disparada de básicos como arroz e leite, é a limitação da oferta no campo e a sustentação proporcionada pelo auxílio emergencial que dão as cartas.

O Valor entrevistou executivos da indústria de alimentos, analistas e produtores rurais para compreender as razões das oscilações expressivas nos preços de alimentos. Ao consumidor, leite longa vida e arroz subiram mais de 15% ao longo do ano, um reflexo da situação no campo – não à toa, as cotações aos orizicultores gaúchos seguem no maior nível da história, e próximas disso aos pecuaristas.

Outros produtos agropecuários, como feijão, trigo e carne de porco, também enfrentam um cenário de limitação de oferta. O ritmo aquecido da exportações, particularmente de carne suína e bovina, e o encarecimento da importação por causa da apreciação do dólar, o que afeta leite em pó e trigo, também ajudam a explicar o movimento dos preços.

É o auxílio emergencial que está mantendo o consumo. Não há dúvida. Mesmo com o aumento de preço, o consumo está acontecendo”, ressaltou o diretor de uma das maiores indústrias de carnes do país, que pediu anonimato. No segundo trimestre, Seara e BRF aumentaram em mais de 10% as vendas de alimentos processados. Na comparação com o período pré-pandemia, o volume vendido de itens como kibe que almôndegas cresceu 17%. No caso de hambúrguer, o alta bateu 10%.

Nas regiões Norte e Nordeste, a venda de produtos cárneos surpreendeu positivamente, acrescentou um executivo da indústria frigorífica. Citando dados da consultoria Nielsen, ele disse que, de maio a junho, as vendas de alimentos industrializados à base de carnes aumentaram mais de 5%.

Entre os produtos cárneos, avaliou a fonte, a demanda está mais aquecida por produtos de “baixo valor agregado”, como salsicha e linguiça. Nesse sentido, é perceptível diferença de oscilação de preços entre tipos de carne. Conforme o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o preço da linguiça subiu 6,4% no ano, ao passo que o filé mignon consumido nos domicílios registrou queda de 19,3% – nesse caso, o fechamento de restaurantes e churrascarias também pesou.

Quando se considera commodities como arroz, feijão e trigo – além de derivados –, a demanda também aumentou, mas a persistente valorização dos preços reflete, sobretudo, a menor oferta disponível. “No primeiro semestre, vendemos 10% mais arroz. Mas desde junho os pedidos vêm voltando aos patamares normais”, contou Renato Franzner, diretor de vendas da Urbano Alimentos.

No caso do arroz, os estoques estavam baixos, após a quebra da safra gaúcha da temporada passada. Somado à maior demanda internacional, que fez o Brasil elevar as exportações de arroz em casca, e à manutenção da procura nacional, os preços seguiram elevados.

Situação semelhante ocorre com o feijão. Com o estoques apertados após a quebra da primeira safra no início do ano, os preços não arrefeceram. “Passaremos um período de escassez”, disse o diretor de política agrícola e informações da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Sérgio De Zen. Ao consumidores, o preço do feijão aumentou entre 19% e 34% no ano, a depender da variedade, conforme o IPCA.

A Conab prevê que a terceira safra da leguminosa, ainda sendo colhida, crescerá 13,4%. Mas mesmo se confirmadas as previsões, ainda faltará feijão porque a terceira safra representa 23% do total produzido no país, e a próxima colheita será só no começo do ano que vem. “Ainda tem pouco produto disponível para comprar”, disse Franzner, da Urbano.

No mercado de trigo e derivados, a demanda também está aquecida. ”Só não se vende mais porque nossas capacidades produtivas estão limitadas. Há muita demanda para massas secas e massas frescas”, disse o representante da cooperativa gaúcha Cotriel, Cesar Pierezan.

Como no caso das outras commodities, a forte demanda e a menor oferta de trigo nos últimos meses fizeram os preços aos agricultores baterem recorde no Paraná e Rio Grande do Sul. Ao consumidor, os preços da farinha de trigo subiram quase 12% no ano, e o macarrão, 3%, acima do índice geral da inflação, que acumulou alta de só 0,46% no período.

Entre os laticínios, foi a combinação de menor oferta, fruto do atraso da safra no Sul, cautela dos produtores e aumento das vendas que fez os preços dispararem. Em meio às incertezas provocadas pela pandemia, muitos laticínios haviam indicado, ainda em abril, que a demanda seria menor e que os pecuaristas deveriam reduzir a produção. No entanto, o auxílio emergencial ampliou a demanda, disse o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Leite Longa Vida (ABLV) e sócio do Laticínios Jussara, Laércio Barbosa.

Cientes do papel do auxílio para amparar as vendas, os empresários já se preparam um cenário negativo com o fim ou redução do benefício. “Vamos passar este ano tranquilos. Mas em 2021 vamos pagar a conta”, reconheceu um executivo.

As informações são do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint