ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Brasil fomenta o maior projeto agropecuário da África

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 16/01/2019

2 MIN DE LEITURA

1
0

Brasil e Nigéria vão lançar oficialmente na quinta-feira, em Abuja, a capital do país africano, o maior projeto agropecuário daquele continente. A partir de um financiamento inicial de US$ 1,1 bilhão, divididos entre o BNDES e o Deutsche Bank, a estratégia permitirá, em um primeiro momento, a exportação de 10 mil tratores e cerca de 50 mil máquinas e equipamentos brasileiros para montagem em território nigeriano.

O projeto envolve todos os elos da cadeia produtiva daquele país. Além do financiamento e da exportação de maquinário, que já exigirão melhorias no acesso ao crédito e na manutenção dos equipamentos, tem por objetivo maximizar produção, distribuição, armazenagem, vendas e uso de insumos por parte de produtores e agroindústrias.

Ricardo Guerra de Araújo, embaixador brasileiro na Nigéria, lembra que, como informou o Valor em agosto do ano passado, esse pacote tecnológico 100% brasileiro inclui um plano de negócios amplo elaborado pela Fundação Getulio Vargas (FGV). A ideia é impulsionar a agropecuária nigeriana em geral, de forma a reduzir a dependência do país em relação aos instáveis recursos provenientes do petróleo e aumentar sua segurança alimentar.

A estrutura financeira une forças privada e estatal. A primeira tranche de € 116 milhões, que será desembolsada em fevereiro, virá do Deustche Bank, com seguro de crédito do Banco Islâmico de Desenvolvimento. A segunda e a terceira tranches, de € 360 milhões no total, serão aportadas no próximo mês de julho pelo BNDES e por um banco multilateral. Nesse caso, o seguro de crédito será dividido entre a Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias (ABGF) e o Banco Islâmico de Desenvolvimento.

A quarta e quinta tranches, que somarão € 462 milhões deverão ser desembolsadas em julho de 2020, por essas mesmas instituições. O projeto tem garantia soberana do governo da Nigéria e, de acordo com a estrutura acertada, o risco é compartilhado por mais de uma seguradora. Com a liberalização dos recursos já a partir do mês que vem, as compras de peças de tratores, máquinas e equipamentos do Brasil deverão começar logo. Eles serão montados em fábricas em diferentes regiões da Nigéria nos próximos anos.

O pacote abrange programas de treinamento e assistência técnica para as máquinas ao longo de dez anos. O plano prevê que mais de 700 centros de serviços sejam criados na Nigéria para ajudar pequenos agricultores a prepararem o solo, cultivarem seus produtos e realizarem a colheita.

Os centros de serviços serão especializados em cadeias de valor, a depender da aptidão de cada região. Entre essas cadeiras estão as de carnes de frango, bovina, caprina e ovina, peixes, laticínios, hortifrútis, tubérculos, óleo de palma, grãos - soja, arroz e milho - e algodão. Brasil e Nigéria têm solos parecidos (Savana e Cerrado) e clima tropical. A expectativa é que o projeto envolva 100 mil jovens nigerianos e que 5 milhões de pessoas sejam impactadas.

Mas o governo nigeriano tem ambições maiores. Seu objetivo é que o projeto se desenvolva e cresça nos próximos anos, com a aceleração do desenvolvimento agropecuário do país e a ampliação das vendas de maquinário. "O Brasil, com seu agronegócio eficiente e dinâmico, está mais do que disposto a ajudar a Nigéria a realizar esse desafio", disse o embaixador Araújo.

As negociações demoraram anos, e o projeto será o primeiro de vulto na área agrícola da gestão Bolsonaro. Sempre foi visto como um projeto-piloto para enfrentar a concorrência chinesa na Africa, ainda que os chineses sejam mais fortes em infraestrutura do que na agropecuária. O lançamento será feito pelo vice-presidente nigeriano e uma delegação brasileira estará presente. 

As informações são do jornal Valor Econômico. 

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

OLMIR ANTONIO DE OLIVEIRA

EM 17/01/2019

Interessante,.... parece ser mais uma boa opção para os produtores, empreendedores daquele país para o setor.... Com tecnologia moderna e eficiente, é sem dúvidas uma ajuda enorme ao sistema produtivo ao país deles, é um bom processo de inclusão e desenvolvimento, provavelmente até passe existir espaços para novos players e empreendedores de diversos setores brasileiros lá.
Se estão seguindo parâmetros, garantias, retorno dos desembolsos, se em taxas adequadas e ao cenário das captações, leva a crê que é correto, e ou faz parte do capitalismo em mundo cada vez mais globalizado.
MilkPoint AgriPoint