ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Via Lác Lelo, Laticínio Cruzília está entre as novas aquisições da Aqua Capital

Ano difícil para muitas empresas brasileiras, 2018 será encerrado em comemoração na Aqua Capital: a gestora brasileira de fundos de participações voltada ao agronegócio concluiu seis aquisições, realizadas no segundo semestre. Com isso, chega a um portfólio de 17 empresas desde o lançamento de seu primeiro fundo de investimentos no país, em 2012.

Como sempre, o foco esteve em negócios do chamado “middle market” — empresas familiares com faturamento anual de R$ 60 milhões a R$ 200 milhões, estruturas financeiras sólidas e distantes do radar da grande concorrência.

O pacote de aquisições totalizou R$ 400 milhões e envolveu duas empresas de distribuição de insumos agrícolas (a mineira Grão de Ouro, cuja aquisição ainda está em análise no Cade, e a AgroFerrari, do interior de São Paulo), uma distribuidora de peças agrícolas (a Rech Agrícola, do Mato Grosso) e uma distribuidora de produtos veterinários (a Alfa Distribuidora). Além disso, a gestora incorporou à sua carteira a Cruzília, produtora mineira de queijos premium adquirida pela catarinense Lac Lélo, cujo controle passou para a Aqua Capital no início deste ano.

Segundo Sebastian Popik, sócio-diretor da Aqua, a sexta aquisição refere-se a uma empresa de produção e distribuição de defensivos biológicos, cujo nome será tornado público apenas na próxima segunda-feira, após a formalização do comunicado aos funcionários.

Juntas, as seis empresas faturam cerca de R$ 600 milhões ao ano.

“Nossas empresas crescerão organicamente e também via aquisições, o que aumenta a nossa plataforma de negócios”, disse ao Valor Popik, referindo-se ao movimento de compra direta de outros negócios por parte de suas controladas. “Isso tende a se intensificar. Nossas empresas cresceram, em média, 20% ao ano nos últimos três anos”.

A leva de compras ocorreu dentro do fundo de investimentos lançado pela gestora em 2016, com US$ 370 milhões — mais que o dobro dos US$ 173 milhões do primeiro fundo. Conforme o executivo, ainda restam cerca de US$ 80 milhões para serem investidos e algumas empresas já prospectadas.

Diferentemente de outras gestoras, a Aqua compra o controle da companhia, mas mantém a família fundadora no dia a dia do negócio. Além da área de laticínios e insumos, onde apostou suas fichas nos últimos anos, há segmentos do agronegócio brasileiro ainda inexplorados pelos investidores estrangeiros — e que mereceriam mais atenção, afirma o executivo. “Por exemplo, o setor de frutas”.

Também não há, até o momento, dinheiro chinês à mesa. Mas isso deverá mudar em breve. Uma equipe da Aqua realizou uma visita de duas semanas ao Japão, Coreia do Sul e China, justamente para estreitar o canal de relacionamento entre possíveis compradores e empresas no Brasil. Até então, a Aqua Capital adotava uma postura passiva — apenas recebia interessados chineses em visita ao Brasil. “A China está saindo [do segmento] de commodities e indo em busca de alimentos”, afirma Popik.

O exemplo mais recente desse movimento foi a aquisição, no mês passado, da empresa chilena de salmão Australis Seafoods pelo Joyvio Group, de Pequim, por US$ 880 milhões. A Joyvio é a subsidiária de frutas e bebidas do Legend Holdings, dona da Lenovo. A Australis, por sua vez, produz cerca de 64 mil toneladas de salmão por ano, ou 9% da oferta chilena desse pescado. 

Nesse sentido, investidores da China atuando diretamente no setor de alimentos no Brasil são esperados, acrescenta. O interesse chinês está em peixes, frutas, vinhos e carnes produzidos no país.

Em 2019, a Aqua deverá realizar a primeira saída de um investimento no país. A primeira empresa já está posicionada na fila de “desinvestimentos”, com a possibilidade de saída do fundo de outras duas. E as perspectivas são de continuidade na trajetória de expansão. Com “otimismo moderado”, Popik diz ver motivos para a melhora no ambiente de negócios . “Ter um presidente com mandato já é muita coisa. E com orientação pró-negócios, ajuda ainda mais”.

As informações são do jornal Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.