ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Após eliminação de cotas, rápida expansão da produção europeia de leite é freada

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 16/10/2019

3 MIN DE LEITURA

1
0

A rápida expansão da produção de leite na UE-28 após a eliminação de cotas provavelmente terminou. Até agosto, números preliminares mostram que a produção de leite em 2019 aumentou apenas 0,3% em relação aos níveis do ano anterior. Enquanto a onda de calor extrema do verão passado provavelmente retraiu o crescimento da produção em relação ao ano anterior em 2019, também estão ocorrendo mudanças estruturais que podem apontar para o fim da expansão pós-cota da região.

Segundo dados da empresa italiana de consultoria econômica no setor de lácteos, CLAL, no ano anterior à eliminação das cotas, a UE-28 expandiu a produção em 4,6% em comparação com 2013, antecipando um mercado sem restrições. Em 2015, a produção aumentou 2,6%, mas depois desacelerou para um aumento de 0,6% em 2016 devido ao excesso de oferta e subsídios do governo para motivar os produtores a diminuir a produção em alguns países. Nos dois anos seguintes, a produção aumentou 1,8% e 0,8%, respectivamente.

Sarina Sharp, analista do Daily Dairy Report, disse que, em março de 2018, o crescimento da produção de leite na UE-28 caiu para 0,4% e não excedeu 1,7% em nenhum mês desde então. No futuro, ela observa que mudanças estruturais na indústria de lácteos da Europa podem limitar ainda mais o crescimento. "O rebanho leiteiro europeu está encolhendo e os estoques sugerem que o declínio se acelerará nos próximos anos", observa ela. No final do ano passado, o rebanho de leite da Europa, de 22,9 milhões de vacas, caiu mais de 400.000 cabeças, ou 1,7%, em relação a dezembro de 2018, segundo o Eurostat. “Embora os produtores de leite europeus possam obter grandes ganhos na produção de leite, aumentando a produção por vaca, a redução dos estoques de novilhas sugere que os ganhos na coleta de leite na Europa podem ser silenciados por algum tempo”, disse Sharp.

Mesmo que alguns países continuem expandindo a produção, parece que os maiores países produtores de leite da Europa podem encontrar dificuldades de crescimento, disse Sharp. "Por exemplo, a Alemanha foi responsável por quase um quarto do declínio da UE-28 nas vacas leiteiras. Desde o pico em 2014, o rebanho leiteiro alemão contraiu 4,5%. No mesmo período, o rebanho francês de vacas leiteiras encolheu 4% e o rebanho britânico 0,2%". 

A oferta de novilhas na Europa também diminuiu, observa Sharp. “No final do ano passado, a UE-28 tinha apenas 20,4 milhões de novilhas leiteiras jovens - 500.000 a menos que em dezembro de 2017. O declínio de 2,4% na oferta de novilhas foi ainda mais acentuado do que a desaceleração do leite”, ela observa. Desde o pico recente em dezembro de 2015, o número de novilhas caiu 883.000 cabeças. Os únicos países produtores de leite na Europa que aumentaram sua oferta de novilhas no ano passado foram Itália, Espanha e Polônia.

"Os estoques de novilhas apontam para um declínio acentuado no número de vacas leiteiras nos próximos anos nos países leiteiros, como Alemanha e Holanda", acrescenta ela. Os estoques de novilhas holandesas de 454.000 cabeças em dezembro foram os menores desde pelo menos 1973. No ano passado, a Holanda possuía 282.000, ou 38,3%, menos novilhas leiteiras jovens do que no pico recente de 2014.

O declínio de vacas leiteiras e novilhas não é o único desafio que os produtores da UE enfrentam no futuro. "Depois de libertados da cota, os produtores de muitos países da UE podem enfrentar algemas de uma forma diferente, à medida que a agricultura perde influência política", disse Sharp. Por exemplo, as indústrias de gado na Holanda estão sob pressão para reduzir os rebanhos de gado do país, em um esforço para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. O governo holandês prometeu reduzir as emissões de gases de efeito estufa para 25% abaixo dos níveis de 1990 até o próximo ano.

"Após anos de esforço, a Holanda alcançou apenas uma redução de 15% nas emissões de gases de efeito estufa", disse Sharp. "E outros países europeus também estão aquém de seus objetivos, o que provavelmente exigirá mais regulamentações que aumentem os custos e limitem o crescimento na agricultura e em outras indústrias, particularmente na Europa Ocidental".

As informações são do Farm Journal & MILK Magazine, traduzidas pela Equipe MilkPoint.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JAN VAN DEN BROEK

PARANAPANEMA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 16/10/2019

Ao meu ver a produção de agrícola europeia está se mudando para países do leste europeu, que tem maiores extensões de terras. Forneçedores do oeste europeu já estão focando no mercado de insumos, maquinas e tecnologia lá na parte oriental. As commodities ali produzidas servem para alimentar a população no geral. Com alimentos baratos. Polonia por exemplo já esta vendendo queijos tipo gouda para o mercado Alemão com preço menor que a própria Holanda.

Enquanto produtores do oeste europeu tendem a atender mercados com demandas específicas( orgânicos, zero defensivo agrícola) e mercados externos específicos (Japão) produzidos conforme legislação extremamente especifica que tem como pano de fundo a função manter uma agricultura para apoiar o planejamento ambiental e social.
MilkPoint AgriPoint