ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Agricultura familiar reclama da falta de medidas de apoio

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 30/12/2020

1 MIN DE LEITURA

0
0

Grande parte das demandas do campo não atendidas em 2020 está na agricultura familiar, que critica a atuação do Ministério da Agricultura e da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). A prioridade à assistência técnica e à extensão rural, prometida em 2019, pouco avançou.

Com recursos limitados — em dois anos, foram menos de R$ 250 milhões destinados à área —, a aposta é na Ater Digital, programa criado para levar informações via celular aos produtores. A revisão do Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária (Pronater) ficou para 2021.

Segundo o deputado Zé Silva (SD-MG), presidente da Frente Parlamentar de Assistência Técnica e Extensão Rural, o pacto para fortalecer essas atividades, apresentado há um ano, “poderia ter andado mais”. 

Ele espera avanços na autonomia da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater) e encontrar fontes para financiar R$ 1 bilhão em novas ações para os agricultores. “[A agricultura familiar] é o único setor que não teve medida concreta do governo federal”, diz o deputado, “mas é estratégico para a retomada da economia. Todo recurso que chega vira produção”.

Entidades do setor também reclamam dos vetos do presidente Jair Bolsonaro à lei aprovada no Congresso com medidas de auxílio emergencial rural para os chamados “invisíveis”, pequenos produtores que não tiveram acesso a outros benefícios.

“Foi um ano em que o governo efetivamente não priorizou a agricultura familiar. Houve um desmonte, um descaso, e a consequência é o aumento dos preços dos alimentos. O governo não dialoga”, disse Marcos Rochinski, coordenador-geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (Contraf-Brasil).

Em uma nota dura, a Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Sul (Fetag-RS), Estado que sofreu duas estiagens em 2020, disse que o governo está cada vez mais distante da realidade dos agricultores e cobrou que o Ministério da Agricultura “localize em suas gavetas em Brasília um pouco de solidariedade”.

Na semana passada, o Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou a criação de uma linha emergencial de crédito para produtores gaúchos e catarinenses afetados pela seca no segundo semestre de 2020 e flexibilizou a vistoria e comprovação de perdas para quem contratou Proagro, além de liberar a área para novo plantio.

As informações são do Valor Econômico. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint