ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Lactose micronizada Alibra na produção de doce de leite

NOVIDADES DOS PARCEIROS

EM 03/01/2021

4 MIN DE LEITURA

3
1

O doce de leite é um derivado lácteo típico da América Latina, produzido tanto artesanalmente quanto em escala industrial e comercializado principalmente no Brasil e na Argentina (VIEIRA et al. 2011).

A legislação brasileira define doce de leite como o produto obtido por concentração e ação do calor a pressão normal ou reduzida do leite ou leite reconstituído, com ou sem adição de sólidos de origem láctea e/ou creme e adicionado de sacarose (podendo ser parcialmente substituída, ou não, por monossacarídeos e/ou outros dissacarídeos) (BRASIL, 1997).

O processo de concentração propicia ao doce de leite não somente o sensorial característico, mas também condições de ser armazenado a temperatura ambiente, devido à alta pressão osmótica criada durante o processamento (MADRONA et al. 2009).

É um produto caracterizado pela baixa atividade de água e pouco susceptível ao desenvolvimento bacteriano, porém se não for produzido e armazenado em condições sanitárias adequadas torna-se suscetível ao desenvolvimento de bolores e leveduras (SOARES et al. 2010).

No entanto, a principal dificuldade em sua conservação reside na manutenção de uma textura lisa, sem a presença de arenosidade, causada por grandes cristais de lactose que se formam lentamente durante o shelf life. (PERRONE et al. 2019).

A cristalização da lactose em solução saturada é um fenômeno inevitável e a formação destes cristais torna-se ainda mais acentuada devido à grande competição por água (FINZER & MARTINS, 2011; PERRONE et al. 2019).

Quando a concentração da lactose em um produto lácteo atinge níveis superiores a 13g/100 ml de água, inicia-se o processo de cristalização, que é um efeito indesejável neste tipo de produto, especialmente quando os cristais ultrapassam o tamanho perceptível ao paladar - 16 µm (KAILASAPATHY, 2008; FINZER & MARTIN, 2011).

A adição de lactose micronizada no produto antes da etapa de cristalização é uma maneira de evitar que a formação de grandes cristais ocorra.  Este processo de inocular a lactose em pó em produtos lácteos que se caracterizam como uma solução saturada de lactose é denominado nucleação secundária, induzida, forçada ou controlada (PERRONE, 2006).

A adição de lactose no doce de leite satura ainda mais a solução, originando novos núcleos de cristalização. Tecnologicamente, estes novos núcleos evitarão que cristais grandes sejam formados (DOS SANTOS, 2012; PERRONE et al. 2019).

Usualmente, adiciona-se de 0,02 a 0,04% de lactose micronizada sobre o volume total já concentrado. O processo de micronização reduz o tamanho dos cristais de lactose passando de aproximadamente 150 µm para 10 µm, resultando em mais núcleos de cristalização por dose, induzindo a formação de cristais menores e em maior quantidade, quando comparado a adição de lactose não micronizada.

No entanto, não basta somente a inoculação da lactose micronizada para evitar que a formação de grandes cristais ocorra. O resfriamento controlado e o tempo de agitação são determinantes para o tamanho e distribuição dos cristais no produto.

Segundo Hunziker (1934) apud Perrone (2019), o tempo de nucleação secundária com o objetivo de produzir pequenos cristais em curto intervalo de tempo deve ocorrer a uma temperatura que propicie uma grande supersaturação, porém que não ocasione elevado aumento da viscosidade.

Enquanto a supersaturação intensifica a velocidade de cristalização, a viscosidade elevada diminui a taxa de formação de cristais, pois atrapalha a difusão das moléculas de lactose.

A lactose micronizada está presente no portfólio da Alibra Ingredientes e integra a linha de ingredientes direcionados às indústrias de alimentos e de bebidas, desenvolvidos para proporcionar qualidade, segurança, redução de custos, otimização de processos e padronização.

Para saber mais sobre as soluções Alibra, acesse: www.alibra.com.br

Referências Bibliográficas

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal. Portaria nº 354, de 04 de setembro de 1997. Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Doce de Leite. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 8 de set. de 1997.

FINZER, J. R. D.; MARTIN, J. R. Cristalização de lactose. FAZU em Revista, Uberaba, n. 8, p. 83-88, 2011.

HUNZIKER, O.; F. Condensed milk and milk powder. 5. ed. La Grange, Illinois, 696 p. 1934.

KAILASAPATHY, K. Chemical Composition, Physical and functional properties of milk and milk ingredients. In: Dairy Processing & Quality Assurance. Cap. 4. Printed by Wiley-Blackwell, 2008.

DOS SANTOS, Marcelo Cerqueira. Caracterização e avaliação microscópica de leites condensados produzidos no Brasil. 2012. 73 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2012.

MADRONA, G. S.; ZOTARELLI, M. F.; BERGAMASCO, R.; BRANCO, I. G. Estudo do efeito da adição de soro de queijo na qualidade sensorial do doce de leite pastoso. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 29, n. 4, p. 826-833, 2009.

PERRONE, I. T. Efeito da nucleação secundária sobre a cristalização do doce de leite. 2006. 49 p. Dissertação (Mestrado em Ciência dos Alimentos) –

Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2006.

PERRONE, Í. T.; STEPHANI, R.; DE CARVALHO, A. F.; NETTO, G. G.; FRANCISQUINI, J. D. Doce de leite. Química e tecnologia. CAP-LAB. São Paulo, 2019.

SOARES, K. M. P.; SOUZA, J. L. M.; GOIS, V. A.; AROUCHA, E. M. M. Fatores que interferem na qualidade do doce de leite pastoso: Revisão de literatura. PUBVET, Londrina, v. 4, n 6, ed. 111, art. 748, 2010.

VIEIRA, M. C.; GALLINA, D. A.; CAVICHIOLO, J. R.; GOMES, R. A. R.; FACHINI, C.; ZACARCHENCO, P. B. S. PRODUÇÃO DE DOCE DE LEITE TRADICIONAL, LIGHT E DIET: estudo comparativo de custos e viabilidade econômica. Informações Econômicas, SP, v. 41, n. 10, out. 2011.

Elaborado por:

Érica R. Alssuffi - Gerente Técnica

Marcus W. Lempk - Especialista técnico em Laticínios

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CARLOS DE CASTRO

INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 07/01/2021

Sería possivel que me informaram como e onde conseguir estas duas publicacoes tao interesantes?
Desde ja muito agradecido pela ajuda.

MADRONA, G. S.; ZOTARELLI, M. F.; BERGAMASCO, R.; BRANCO, I. G. Estudo do efeito da adição de soro de queijo na qualidade sensorial do doce de leite pastoso. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 29, n. 4, p. 826-833, 2009.
VIEIRA, M. C.; GALLINA, D. A.; CAVICHIOLO, J. R.; GOMES, R. A. R.; FACHINI, C.; ZACARCHENCO, P. B. S. PRODUÇÃO DE DOCE DE LEITE TRADICIONAL, LIGHT E DIET: estudo comparativo de custos e viabilidade econômica. Informações Econômicas, SP, v. 41, n. 10, out. 2011.
TATIANA

CAMPINAS - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA LATICÍNIOS

EM 20/01/2021

TATIANA

CAMPINAS - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA LATICÍNIOS

EM 20/01/2021

MilkPoint AgriPoint