ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

A biodisponibilidade de nutrientes em vacas leiteiras

NOVIDADES DOS PARCEIROS

EM 16/04/2021

5 MIN DE LEITURA

1
1

Cada alimento da dieta contém diferentes quantidades de nutrientes, que são moléculas necessárias para o metabolismo animal. Os nutricionistas balanceiam estes nutrientes na dieta para cobrir as exigências dos animais. Durante a formulação da dieta, é importante considerar a biodisponibilidade real dos nutrientes, que se define como a quantidade do nutriente fornecido que é absorvido e metabolizado pelo animal. A biodisponibilidade de nutrientes é diferente para cada ingrediente e para cada espécie animal. Em monogástricos, as enzimas gástricas modificam o alimento ingerido para que os nutrientes se tornem biodisponíveis no intestino, com pequenas diferenças entre o ingerido e o absorvido. Nos ruminantes, os microrganismos do rúmen utilizam a maioria dos nutrientes da dieta, em consequência, o consumido é sempre diferente à quantidade biodisponível para o animal. Desse modo, nós precisamos considerar tanto a biodisponibilidade de nutrientes quanto sua degradação no rúmen. 

O sistema de carboidratos e proteína líquidos de Cornell (CNCPS®) é amplamente usado na nutrição de ruminantes, e inclui a descrição precisa de cada alimento e das exigências dos ruminantes. A proteína metabolizável (PM) é composta pela proteína microbiana (produzida no rúmen), pela proteína ingerida com a dieta que consegue chegar inalterada ao intestino animal, mais uma pequena quantidade derivada da renovação do tecido corporal do animal. O CNCPS estima a PM da dieta com base nos ingredientes e na espécie animal alvo. O modelo, leva em consideração:

  1. Dieta (tipo e quantidade);

  2. Fisiologia Animal;

  3. Degradação ruminal dos ingredientes da dieta;

  4. Sua biodisponibilidade depois da fermentação do rúmen;

  5. Sua digestibilidade intestinal.

Desta forma, o sistema indica quantos aminoácidos (essenciais ou não), ácidos graxos voláteis, minerais, lipídeos e carboidratos não-estruturais abandonam o rúmen e estão disponíveis para a absorção no intestino delgado ou para a segunda fermentação no intestino grosso. A degradação ruminal é extremamente importante na  formulação de dietas para ruminantes, porque é muito variável entre os nutrientes. Por exemplo, os aminoácidos e vitaminas devem ser fornecidos na forma protegida da ação ruminal, porque sua degradabilidade ruminal é extremadamente elevada e apenas uma pequena quantidade deles chega ao intestino quando são suplementados sem proteção. 

A degradação de nutrientes no rúmen está relacionada à diferentes aspectos: propriedades físicas e químicas do nutriente seja  ele natural ou sintético, composição geral da dieta, características dos animais e estado fisiológico/produtivo. O cálculo para o uso final dos nutrientes é ainda mais complicado: alguns deles são usados imediatamente pelo metabolismo ou convertidos em outros princípios ativos de modo que não são precisamente detectáveis no sangue. Um exemplo disso é a colina ou a metionina, que são utilizadas para a sua síntese mútua em caso de deficiência secundária de uma delas.

A dieta dos ruminantes de elevado desempenho é normalmente suplementada com minerais e vitaminas, enquanto os aminoácidos essenciais limitantes (metionina e lisina) ou outras moléculas como a colina, carnitina ou betaína são adicionadas somente quando existem problemas específicos ou durante uma fase produtiva específica (p. ex. durante o período de transição, para apoiar a função hepática).

Vitaminas na dieta de vacas leiteiras

Atualmente, é recomendada a suplementação alimentar de vitaminas lipossolúveis (A, D3 e E, principalmente) e hidrossolúveis, mas a quantidade a ser suplementada ainda está sob discussão. Para citar um exemplo, a necessidade de vitamina A de vacas leiteiras em lactação, de acordo com o NRC (2001), é cerca de 75.000 UI/dia, mas os nutricionistas aumentaram a quantidade dessa vitamina de acordo com suas experiências práticas. Finalmente, o Regulamento de Execução Europeu CE 2015/724 indica o máximo de 10230 UI/kg MS; valor mais elevado do que as indicações do NRC (2001).

A biodisponibilidade de vitaminas depende de diferentes aspectos. A vitamina A (retinol), é uma molécula muito instável, bem como a forma ativa da vitamina E (tocoferol) ou da vitamina D3 (colecalciferol). Todas as vitaminas são muito sensíveis ao pH do ambiente (Figura 1) e, em geral, são degradadas por agentes externos,  tais como: alta temperatura, a umidade e a interação com outros nutrientes da dieta. Devido à degradação ruminal das vitaminas, uma solução para que se forneça às vacas uma quantidade biodisponível, é usar as formas protegidas da ação ruminal. 

pH para vitaminas

Figura 1. Intervalo de pH para a estabilidade ideal de algumas vitaminas

Minerais na dieta de vacas leiteiras

As exigências minerais são diferentes para cada sistema de produção e fase produtiva da vida do ruminante. O primeiro passo é definir quanto e quais minerais são necessários ao animal e o que é fornecido na dieta. A análise analítica da dieta pode ser útil para definir a suplementação necessária. Depois disso, análises de tecidos e fluídos (ossos, fígado, sangue ou leite) podem ser indicadores do cumprimento das necessidades dos animais. 

Diferentes ingredientes fornecem diferentes tipos e quantidades de minerais, com diferentes biodisponibilidades para as vacas. O cálcio é um elemento essencial devido às suas diversas funções metabólicas, entre as quais (em combinação com o fósforo e o magnésio) está a coagulação do leite durante a produção do queijo. Normalmente, o cálcio é adicionado às dietas de ruminantes como carbonato de cálcio: essa molécula tem menor biodisponibilidade que o cloreto de cálcio, fosfato mono e bicálcico, mas também é mais barata e fácil de se encontrar. 

Atualmente, o objetivo é melhorar a biodisponibilidade dos oligoelementos, para evitar a dispersão prejudicial e dispendiosa no meio ambiente através das fezes. As formas quelatadas dos oligoelementos são compostas do íon metálico que está ligado a um aminoácido, um peptídeo, um carboidrato ou um polissacarídeo. A quelação normalmente melhora a biodisponibilidade do micromineral, porque o animal usa a via de absorção do ligante em vez da do próprio oligoelemento. Alguns microminerais, como o selênio, também estão disponíveis na forma microencapsulada para contornar a fermentação da microflora ruminal, que produz formas indisponíveis do elemento. A microencapsulação permite a biodisponibilidade completa do oligoelemento no intestino.

Aminoácidos e outros na dieta de vacas leiteiras

Aminoácidos, colina, betaína e carnitina são altamente degradados pela microflora do rúmen e seu consumo alimentar tem baixa biodisponibilidade. Estes nutrientes são extremadamente importantes, especialmente durante o período de transição, quando o animal experimenta um forte balanço energético negativo, eles ajudam o metabolismo hepático a enfrentar as exigências energéticas, a melhorar a fertilidade e a qualidade do leite. A proteção ruminal é fundamental para tornar esse tipo de nutriente realmente disponível para o animal.

Durante as primeiras semanas de lactação, a proteína do leite em vacas leiteiras é inferior a 2,9 % e é um bom biomarcador da deficiência de aminoácidos essências ou limitantes. Geralmente, o período entre os 30 e 60 dias de lactação é o mais delicado sobre o balanço de aminoácidos em vacas Holandesas. Os dois aminoácidos mais importantes e estudados para ruminantes são a metionina e a lisina: estes são,  provavelmente, os mais  deficientes ou não equilibrados na nutrição de vacas leiteiras.     

Finalmente, a suplementação da dieta dos ruminantes com vitaminas, aminoácidos e outros nutrientes se torna cada vez mais necessária, especialmente em bovinos de alto valor genético. Esses nutrientes, em algumas ocasiões, são altamente degradáveis pelas condições ambientais ou ruminais. A microencapsulação da Vetagro garante o by-pass ruminal dos nutrientes, biodisponibilizando-os no intestino das vacas leiteiras e  permitindo melhoras na nutrição.

 

Por Fantini, A. 

Adaptado do artigo original da língua italiana disponível em:

https://www.ruminantia.it/la-biodisponibilita-dei-nutrienti/  

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

AGNALDO DE JESUS ALVES

ITAMARAJU - BAHIA - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 22/04/2021

Eu sou revendedor de laticínios em Curitiba PR e estou indo embora p minha terra Itabuna baia quero saber se vcs tem laticínios lá na regiao
MilkPoint AgriPoint