FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Nestlé patenteia fórmulas infantis adaptadas à idade

POR JULIANA SANTIN

NOVIDADES E LANÇAMENTOS EM LÁCTEOS

EM 17/06/2019

6 MIN DE LEITURA

0
1

A Nestlé desenvolveu seis fórmulas infantis adaptadas à idade para evitar a composição corporal abaixo do ideal no início da vida e que visam reduzir a obesidade, doenças cardiovasculares e o risco de distúrbios metabólicos mais tarde na vida.

Escrevendo em sua patente global, a companhia detalhou as seis composições para fórmulas infantis visando diferentes fases da vida, variando de um mês a três anos, que foram adaptadas nutricionalmente para “refletir as mudanças evolutivas do leite materno” ao longo da idade de um bebê ou criança pequena. Especificamente, a densidade de energia, gordura e teor de proteína foram adaptados de acordo com isso.

Superalimentação e desenvolvimento sub-ótimo

Enquanto todos os produtos de nutrição infantil tiveram que aderir às rígidas diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Codex Alimentarius, a Nestlé disse que havia uma tendência entre os cuidadores de superalimentar bebês e crianças pequenas. Além disso, as fórmulas de acompanhamento destinadas a crianças de 4 a 12 meses tendem a citar dosagens e densidades calóricas que não levam em consideração alimentos complementares ingeridos por bebês e crianças pequenas.

"Acredita-se que o alimento complementar é um fator nutricional que tem sido, até agora, sub-contabilizado nos esquemas nutricionais típicos", escreveu a Nestlé em sua patente. Tudo isso afeta a composição corporal - um "parâmetro importante" ligado a vários status sub-ótimos mais tarde na vida, incluindo sobrepeso, obesidade, doenças cardiovasculares, síndrome metabólica, diabetes, resistência à insulina e similares.

“Portanto, há uma necessidade de fornecer composições nutricionais (sintéticas) para bebês e crianças pequenas que impeçam a composição corporal abaixo do ideal, especialmente em termos de massa de gordura e/ou massa livre de gordura”, disse.

“Há uma necessidade de promover uma massa gorda e/ou massa livre de gordura que seja comparável a bebês (de origem genética e/ou étnica similar) que são exclusivamente amamentados, amamentados em grande proporção, ou amamentados durante um longo período de tempo (seis meses ou mais)".

Considerações de saúde em longo prazo

A Nestlé disse que experimentos em animais mostraram que a modificação do consumo de energia nas primeiras semanas de vida teve "um efeito vitalício no ganho de peso, mesmo se a ingestão normal de energia foi restaurada depois. Se é sabido que fórmulas infantis sintéticas convencionais são capazes de induzir um rápido crescimento de bebês, também é sabido que um rápido crescimento de bebês e crianças pequenas aumenta o risco de obesidade na infância ou na idade adulta", acrescentou. 

Vários outros estudos também indicaram que a nutrição na vida pós-natal pode afetar a regulação do apetite a longo prazo, disse. Portanto, deveria haver um sistema nutricional que permitisse a “entrega conveniente, segura e precisa da nutrição mais adequada ao longo dos primeiros meses ou anos de vida de um bebê”, e esses sistemas tinham que ser “facilmente cumpridos” por cuidadores para reduzir o risco de superalimentação, escreveu.

Segundo a empresa, há uma necessidade de fornecer uma dieta mais balanceada para bebês e crianças pequenas e é importante considerar a introdução de alimentos complementares.

Fórmulas adaptadas à idade: densidade de energia e gorduras

A Nestlé delineou as seis fórmulas diferentes que visam janelas com idades especiais. A primeira composição foi para o primeiro mês de vida; o segundo para o segundo mês; o terceiro para lactentes com 3-6 meses; o quarto para lactentes com idade entre 7 e 12 meses; a quinta para crianças de 13 a 24 meses; e o sexto para crianças de 25 a 36 meses.

Todas as composições seguiram as diretrizes globais e foram preferencialmente pó ou forma de concentrado para serem reconstituídas ou diluídas com água e cada fórmula foi feita com gordura, proteína e/ou carboidrato, juntamente com uma gama de vitaminas, minerais e pré e probióticos.

A marca detalhou que, mais importante, a densidade de energia (em kcal por 100ml) era mais alta na composição que visava crianças com um mês de idade “para fornecer energia suficiente para o crescimento” e diminuía até a terceira composição visando crianças de 3-6 meses. Depois disso, a densidade de energia ou estabilizou ou foi reduzida “para levar em conta o alimento complementar fornecido aos bebês”.

Gorduras e lipídios através das composições foram todos selecionados a partir de leite ou vegetais para fornecer uma fonte de ácidos graxos poliinsaturados de cadeia longa (LC-PUFAs), embora as primeiras três composições devam conter uma mistura de ácido docosahexaenóico (DHA) e ácido araquidônico ( ARA) e composições posteriores, apenas DHA, disse a Nestlé.

Os níveis dessas gorduras também foram especificamente adaptados, com o conteúdo de gordura na terceira composição vendo uma “diminuição progressiva” da primeira e segunda fórmulas “para evitar a superalimentação de nutrientes gordurosos”. As gorduras foram então aumentadas na quarta composição “para levar em conta as crescentes necessidades do bebê nessa idade” e depois niveladas ou diminuídas para a quinta.

É importante ressaltar que o conteúdo de gordura na sexta fórmula, para crianças de 25 a 36 meses, foi “drasticamente reduzido a níveis mais baixos do que todas as composições anteriores para levar em consideração alimentos complementares consumidos pelo bebê nessa idade.

"Desta forma, o conteúdo de gordura mais adequado é entregue por um longo período de tempo", o que foi associado com benefícios à saúde ao longo do tempo, escreveu.

Fórmulas adaptadas à idade: carboidratos e proteína

Os carboidratos também foram adaptados de acordo com as seis formulações. Nas primeiras e segundas composições, a lactose entre 10-11 g por 100 kcal foi preferida, e para a terceira e quarta composições foi preferida uma mistura de lactose e maltodextrina.

Os níveis de carboidratos foram projetados para aumentar progressivamente através das composições adaptadas à idade, disse a empresa. "Acredita-se que o alto teor de carboidratos relativo em relação à quarta da quinta composição é mais adequado para fornecer a forma de energia 'rápida' necessária nesta idade, sem promover o acúmulo de gordura".

Para proteínas, a Nestlé disse que as primeiras quatro composições devem conter 100% de proteínas de soro, idealmente parcialmente hidrolisadas para fornecer digestibilidade mais fácil e menor potencial alérgico. A quinta e sexta podem conter uma mistura de soro de leite e caseína intactos.

Os níveis de proteína, disse, visavam "imitar a evolução do leite materno humano", fornecendo uma alta densidade para o primeiro mês, quando o crescimento é mais rápido, diminuindo ou permanecendo estável até a composição atingir crianças com seis meses. Depois disso, o conteúdo de proteína permaneceu constante e aumentou para a sexta fórmula.

“Acredita-se que um controle da densidade proteica das composições ajude a manter a criança em curvas normais de crescimento e tenha um efeito mais tardio na vida para a redução da obesidade e do excesso de peso".

É importante ressaltar que a Nestlé disse que tinha que ser entendido que suas composições funcionavam em sinergia quando usadas sequencialmente; quando utilizados de forma independente, não atingiriam efeitos benéficos na mesma extensão.

Obesidade infantil na América Latina

Até 2030, estima-se que 50% dos homens e 60% das mulheres na América Latina estarão com sobrepeso ou obesidade, de acordo com a Sociedade Obesa. E um relatório da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e da Organização Pan-Americana da Saúde (PAO) sugere que a obesidade é mais prevalente e está aumentando em mulheres e crianças. Atualmente, pouco mais de 7% das crianças com idade inferior a cinco anos (cerca de 4 milhões) estão acima do peso na América Latina.

As informações são do Dairy Reporter, traduzidas e adaptadas pela Equipe MilkPoint.

JULIANA SANTIN

Médica veterinária formada pela FMVZ/USP. Contribuo com a geração de conteúdo nos portais da AgriPoint nas áreas de mercado internacional, além de ser responsável pelo Blog Novidades e Lançamentos em Lácteos do MilkPoint Indústria.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint