ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Vacinas conta mastite – fatos e mitos

POR MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 26/01/2001

2
0
Marcos Veiga dos Santos

Ultimamente, a demanda de vacinas contra mastite parece ter aumentado. Entretanto, diversos produtores e técnicos têm tido dificuldades de encontrar no mercado brasileiro vacinas contra mastite que tenham eficácia cientificamente comprovada através de estudos sérios. É importante, então, conhecermos quais as vacinas que atualmente podem ser recomendadas como ferramentas auxiliares no controle da mastite para evitarmos a utilização de produtos muitas vezes disponíveis no mercado e com eficácia questionável.

Deve-se destacar que o uso de qualquer tipo de vacina não é recomendado para tratamento de infecções existentes e não substitui o emprego de um programa de controle de mastite, cujo conjunto de medidas preventivas têm o objetivo de prevenir e reduzir a ocorrência de mastite no rebanho. Levando isto em conta, pode-se dizer que uma estratégia eficiente para aumentar a capacidade de resposta imune da vaca se dá através da vacinação, tendo como objetivo elevar a concentração de anticorpos no sangue e no leite contra um agente específico.

São conhecidas atualmente dois tipos de vacinas contra mastite que comprovadamente apresentam efeitos positivos no controle de mastite. As vacinas disponíveis no mercado são a J5, contra mastite causada por coliformes e a vacina baseada em antígeno capsular de Staphylococcus aureus. Ambas as vacinas tem sido comprovadamente eficazes na diminuição da severidade dos casos clínicos e aumento da taxa de cura espontânea, apresentando boa relação custo:benefício.

Deve ser ressaltado o papel importante da nutrição sobre a saúde da glândula mamária, principalmente de micronutrientes e vitaminas, entre eles o selênio, vitamina E e cobre, os quais possuem efeito de aumentar a capacidade de resposta imune do animal contra infecções. Pesquisas recentes indicam que deficiências de vitamina E e selênio resultam em aumento da incidência de mastite. Desta forma, um adequado fornecimento deste nutrientes é fundamental para aumentarmos a capacidade de resposta imune da vaca.

Em termos de agentes causadores de mastite, o S. Aureus é considerado o principal microrganismo causador das mastites contagiosas, sendo transmitido principalmente no momento da ordenha, apresentando alta prevalência entre os rebanhos. Este patógeno apresenta grande dificuldade de controle devido à:

* Dificuldade de identificar os animais infectados;
* Existência de múltiplos reservatórios do agente: animais infectados, mãos dos ordenhadores, lesões nos tetos;
* Resistência do organismo à maioria dos antibióticos disponíveis;
* Inadequado manejo de ordenha e mau funcionamento do equipamento de ordenha.

A seguir apresentamos os resultados de alguns experimentos com vacinas contra mastites causadas por S. aureus. Em experimentos realizados na Argentina utilizando-se 2 doses de uma vacina baseada em antígeno capsular de S. aureus novilhas, houve redução de mastite clínica de 1,6% para 0,4% nas novilhas vacinadas. Para a mastite subclínica, houve diminuição de 8,6% para 3% com o uso da vacina. Para aninais adultos, o índice de mastite clínica diminuiu de 2,3% para 0,6% entre os animais não vacinados e vacinados, respectivamente, enquanto a mastite subclínica foi reduzida de 10,7% para 6,8%.

Quanto à mastite ambiental, este grupo de agentes tem aumentado a sua importância, uma vez que alguns rebanhos começaram a implantar medidas de controle da mastite contagiosa, o que leva ao aumento relativo dos casos clínicos de mastite ambiental. Os experimentos realizados com a vacina J5 demonstraram que pode ocorrer redução de 70 a 80% de casos clínicos severos, sendo que a vacinação anual dos animais é economicamente viável quando o rebanho apresenta incidência superior a 1% de casos clínicos de mastite causado por coliformes. Em termos práticos, a principal vantagem da vacinação contra mastite causada por coliformes é a redução de mortes e diminuição da severidade dos sintomas dos casos de mastite ambiental. Paralelamente à vacinação, é importante propiciar aos animais um ambiente que seja limpo, seco e confortável, o que auxilia na redução das novas infecções intramamárias.

********


fonte: MilkPoint

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

2

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCELA

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 11/01/2013

Boa tarde, professor! Parabéns pelo artigo!


Mesmo passado muitos anos do artigo, vejo que ele ainda é bastante atual. Gostaria de saber se posso aplicar as duas vacinas juntas (de acordo com a posologia de cada uma).


Obrigada.
ERONILSON CRUZ

VITORINO FREIRE - MARANHÃO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 16/12/2009

gostaria de saber quais os laboratorio que ja estão disponibilizando dessas duas vacina, pois gostaria muito de poder introduzir essa novidade na minha região pois o indice aqui de mastite e altissimo. talvez com essa novidade a redução seria drastica.