FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Poliartrite em bezerros: como evitar

EDUCAPOINT

EM 22/01/2020

0
0
A poliartrite é a patologia mais frequente nos neonatos, sendo provocado por vários agentes como o Actynomices I, Escherichia colli, Streptococcus, Salmolella, Mycoplasma, Staphylococcus. A causa primária é a falta de higiene na região umbilical dos recém-nascidos ou uma ineficiente imunidade passiva produzida por ingestão insuficiente ou tardia do colostro. (Saiba mais: Onfaloflebite e onfaloarterite em bezerros: o que você precisa saber)
 
A principal via de entrada da infecção é a umbilical, e em alguns casos pode ser a digestiva, produzindo nos dois casos uma septicemia. Os microrganismos chegam através da circulação sanguínea à articulação, causando artrite.
 
No início ocorre uma sinovite seguida por mudanças na cartilagem articular e algumas vezes no osso. A membrana sinovial fica inflamada, edematosa ocorrendo distensão da cápsula articular provocando danos e destruição da cartilagem. Isso pode levar a artrose e redução dos movimentos no membro atingido. 
 
Os sinais clínicos são inflamação da articulação, em casos avançados crepitação audível e mobilidade reduzida, evoluindo, quando a infecção é por microrganismos piogênicos, na formação de abscesso que terminará drenando para o exterior. Outro sinal que ocorre é a claudicação de um ou mais membro. 
 
Nas poliartrites há marcada depressão e o animal apresenta claudicação de um ou mais membros. Em algumas ocasiões não apoia o membro afetado. Há calor e aumento de volume da articulação comprometida. As articulações mais frequentemente afetadas são: carpiana, tarsiana, fêmur-tíbio-rotuliana, úmero-radio-cubital e metacarpo-falangiana. Os animais que sobrevivem podem apresentar diversos graus de claudicação, deformação articular e atrofia muscular.
 
Alguns bezerros, com ou sem sinais de artrite, podem ter abscessos em outros órgãos, principalmente no fígado, apresentando depressão, perda de peso e febre, podendo morrer em alguns dias ou semanas.
 
Em termos de achados patológicos, podem encontrar-se abscessos do umbigo nos trajetos da veia e artéria umbilical, no uraco, ou no fígado. Ocasionalmente, alguns bezerros apresentam meningite ou endocardite. Nas articulações o líquido sinovial está aumentado podendo apresentar-se serohemorrágico, fibrinoso ou purulento. Há erosão da cartilagem articular, proliferação da membrana sinovial e inflamação dos tecidos periarticulares, com distensão e engrossamento da cápsula.
 
Diagnóstico
 
Realiza-se pelos dados epidemiológicos, sinais clínicos e lesões de necropsia. O diagnóstico diferencial não oferece dificuldades.
 
Controle e prevenção
 
É fundamental evitar as infecções e as miíases umbilicais. Para isso recomenda-se o tratamento do umbigo dos recém nascidos com solução de iodo a 3% ou álcool iodado a 10%. A aplicação de 0,2mg/kg de ivermectina ao nascimento protege o bezerro das miíases por um período de 16-20 dias e mata as larvas com menos de 2 dias.
 
Considerando que o tratamento da miíase não protege da ocorrência de infecções sistêmicas, pode ser recomendado a administração simultânea de antibióticos como forma de evitar as artrites.
 
O fornecimento adequado de colostro aos animais para garantir o fortalecimento do sistema imunológico também é uma medida que ajuda na prevenção de diversas doenças, incluindo a poliartrite.
 
O tratamento das artrites deve ser iniciado o mais cedo possível para evitar lesões crônicas. Para isso devem ser administrados, parenteralmente, agentes antimicrobianos, incluindo sulfas, tetraciclinas ou penicilina-estreptomicina.
 
Você também tem problemas com inflamações umbilicais em bezerras e com poliartrite como consequência? Acesse o conteúdo completo do curso on-line Práticas essenciais no manejo sanitário de bezerras leiteiras no período neonatal.
 
Não se esqueça que você pode fazer a aquisição do curso individualmente ou optar pela assinatura e ter acesso a todos os cursos da plataforma, que hoje são mais de 165 cursos! Clique aqui para saber mais informações sobre os planos de assinatura!
 
Mais informações:
 
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082
 
Fontes consultadas:
 
RIET-CORREA, F.; SCHILD, A.L.; LEMOS, R.A.A.; MENDEZ, M.D. C.Doenças de ruminantes e eqüídeos, 2006, p.327-329.
 
ONFALOFLEBITE E POLIARTRITE EM BEZERRO DA RAÇA NELORE – RELATO DE CASO (http://www.cic.fio.edu.br/anaisCIC/anais2010/pdf/09VET/36VET.pdf)

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.