FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Como a temperatura afeta a ingestão de alimentos e água da vaca?

EDUCAPOINT

EM 13/06/2019

0
0
O clima atua diretamente sobre os animais, principalmente através de seus agentes. A temperatura é neste aspecto, o componente do clima de maior importância. Em regiões tropicais, onde a temperatura ambiente excede por longo período de tempo, o limite de tolerância ao calor, a redução na ingestão de alimentos funciona como uma estratégia fisiológica do organismo para a homeotermia.

Estudos mostram que, possivelmente, o excesso de calor ambiental atue de forma direta no hipotálamo da vaca, com inibição da atividades no centro do apetite, reduzindo assim a ingestão de matéria seca.

O consumo de alimento é ainda influenciado pela composição da dieta e sistema de criação utilizado, em manejo extensivo essa inibição é resultante
da redução na atividade de pastejo.

Vários estudos mostraram a redução expressiva na ingestão voluntária de alimentos pelas vacas leiteiras em ambiente acima de 30ºC:

Quadro 1: Efeito do stress térmico no consumo de alimentos
Efeito do stress térmico no consumo de alimentos

A redução no consumo de alimentos, principalmente forragens, apresentam severos problemas metabólicos que afetam a dinâmica de funcionamento do rúmem, tais como:

- redução na ruminação;
- pH;
- taxa de acetato:propionato.

Esses fatores, associados a fatores neuro-endócrinos influenciam na digestão.

A literatura cita, que a queda do pH do rúmen de vacas submetidas a estresse térmico, poderá estar associado a redução da ruminação, o que implica na limitação do crescimento microbiano, acarretando um maior tempo de retenção do bolo alimentar na rúmen.

Os estudos relatam, que em geral, em temperaturas elevadas a digestibilidade das forragens aumenta em bovinos, em função do maior tempo de retenção da digesta no rúmen, o que permite um maior aproveitamento da fração alimentar potencialmente digestível, entretanto a redução no consumo de forragens, resulta na perda de nutrientes totais disponíveis para o animal.

Além disso, a eficiência da utilização da energia é reduzida, sendo isto devido aos elevados requerimentos para mantença, resultante da elevada atividade metabólica do corpo para aliviar o excesso de calor. Assim, a respiração acelerada pode aumentar as necessidades para a mantença de 7 a 25%, dependendo da intensidade.

Em vacas lactantes, particularmente no início da lactação, a redução no consumo de energia associado ao aumento nos requerimentos, podem acelerar o catabolismo de gordura, de tal modo que, uma oxidação incompleta de ácidos graxos leva à produção de corpos cetônicos (aceto-acético, beta-hidroxi-butirato e acetona) que, quando produzidos a uma taxa maior do que eliminados, acumulam-se no sangue, reduzindo a sua reserva alcalina, o que pode provocar acidose metabólica.

Ensaios realizados com vacas leiteiras submetidas a altas temperaturas tem evidenciado balanço negativo de nitrogênio. A literatura reporta, que tal observação é decorrente do catabolismo de proteína, objetivando a produção de energia, cujo consumo nesta circunstância encontra-se reduzido e a exigência para mantença elevada.

Um aumento na taxa de eficiência de utilização do nitrogênio de 5 a 15% tem sido observado. Todavia, a hipótese mais provável é que tal aumento é resultante da redução no consumo de alimento, bem como, das taxas de atividades produtivas.

A absorção de nutrientes ao longo do trato gastrointestinal, ainda não tem sido bem quantificado durante o estresse térmico, face às dificuldades de ser
medido o fluxo sanguíneo no rúmen e intestino. Contudo, há evidências de que o fluxo sanguíneo no trato gastrointestinal inferior pode ser influenciado pela combinação entre o nível de consumo e efeito direto da temperatura, já que na
hipertermia além da redução no consumo de alimento, há um aumento na vasodilatação periférica objetivando uma maior perda de calor por via evaporativa e convectiva. Assim, tal ocorrência pode provocar um decréscimo no fluxo sanguíneo no lúmen do trato alimentar e consequentemente uma redução na absorção de nutrientes.

A eficiência na utilização dos alimentos está, entre outras causas, condicionada ao problema da temperatura.

Entre as altas temperaturas externas, nas quais o animal homeotérmico reduz o consumo alimentar aquém do que realmente necessita para a elaboração de utilidades; e entre as baixas temperaturas do ambiente, nas quais os animais consomem alimentos no limite da sua capacidade anatômica para manter constante a temperatura corporal, mas sem excedentes para os processos de produção, situa-se a temperatura ótima do meio para a máxima utilização dos
alimentos.

Tanto em temperaturas elevadas como baixas ocorre queda na produção de origem animal, seja por insuficiência de energia alimentar, seja por indisponibilidade de energia para o processo produtivo. É então fácil conceber a existência de temperatura ótima para maximizar a utilização da matéria-prima pela “máquina animal”.

A literatura cita que a temperatura crítica para o consumo de alimentos por bovinos Holandeses situa-se entre 24 e 26ºC, por Jerseys entre 26 e 29ºC por Pardas Suíças acima de 29ºC e por zebus Brahmas entre 32 e 35ºC. As Holandesas diminuem o consumo em aproximadamente 20% à temperatura ambiente de 32ºC, e cessam-no a 40ºC; nesta temperatura a ruminação decresce.

Alguns trabalhos mencionam que temperaturas altas durante o dia e relativamente baixas durante a noite não deprimem a ingestão total de alimentos por parte dos bovinos, na mesma proporção que uma temperatura constante elevada durante as 24 horas.

A literatura reporta que uma variação diurna de temperatura de 21,5 a 38,5ºC reduz de 20 a 35% a ingestão de alimentos em bovinos Holandeses, havendo pouco efeito, menos de 10% em bovinos Jerseys.

Consumo de água

O aumento no consumo de água é a maior resposta ao desconforto térmico, onde, a água consumida é utilizada primariamente como veículo de dissipação de calor. Sob condições a campo, a ingestão aumenta rapidamente em temperatura ambiente acima de 27ºC, podendo as necessidades alcançarem valores de 1,2 a 2 vezes mais do que os requerimentos da termoneutralidade.

A água é o nutriente mais importante para as vacas em estresse calórico, sendo suas exigências preenchidas através da água metabólica derivada da oxidação de substratos orgânicos nos tecidos, contida nos alimentos e ingerida.

A temperatura ambiente e a umidade relativa afetam os requerimentos de água, assim, a temperatura elevada aumenta a demanda por água, enquanto que umidade relativa baixa aumenta a perda de água através da respiração e
transpiração.

O nível de ingestão de alimentos, a forma física da dieta , qualidade e temperatura da água e status fisiológico do animal, influenciam na ingestão durante o estress térmico.

Quadro 2: Efeito da temperatura da água no consumo em vacas sob estresse
térmico.
Efeito da temperatura da água no consumo em vacas sob estresse térmico

Segundo a literatura, a ingestão de alimentos de boa qualidade, resulta em aumento da taxa metabólica e elevação no requerimento de água para o metabolismo intermediário e termorregulação. Por outro lado, alimentos fibrosos reduzem a taxa de energia e o metabolismo de água, todavia, o incremento calórico poderá aumentar a temperatura e a demanda termorregulatória por água.

O aumento da temperatura ambiente, além de alterar o consumo, provoca uma sensível mudança na reciclagem de água pelas diferentes rotas de eliminação (urina, fezes, superfície corporal e respiração). A variação no balanço da água apresenta como consequência uma significativa alteração no balanço eletrolítico.

Quadro 3: Balanço de água em vacas leiteiras lactantes e secas submetidas a
diferentes temperaturas ambientes.
Balanço de água em vacas leiteiras lactantes e secas submetidas a diferentes temperaturas ambientes


O aumento no consumo de água observado com a elevação da temperatura é decorrente da necessidade de aumentar o efeito da água. Assim, para estimar este efeito, basta que se efetue a seguinte operação:

TC - TA = Vr x Q = CA

Onde:

TC = temperatura do corpo em ºC
TA = temperatura da água em ºC
Vr = valor respiratório em Kcal / litro
Q = quantidade de água ingerida em litros
CA = calor absorvido em Kcal

Estudos mostram que bovinos do mesmo peso requerem maior quantidade de água com o aumento da temperatura. Importante é que o animal possa beber repetidamente, provocando abaixamento da temperatura corporal.

Alguns estudos, mostram que vacas européias em lactação consomem menos água a temperaturas de 32ºC ou superiores. O fato prende-se a um menor rendimento em leite e consumo de alimentos, em condições de afrontamento térmico.

As vacas indianas em contraste aumentam o consumo de água quando aumenta a temperatura ambiente. Todavia, o gado indiano consome menos água que o europeu em valor absoluto e também por unidade de matéria seca ingerida. Diferenças em consumo de água encontram-se nas diversas raças
de gado bovino europeu.

A conclusão das observações é que a tolerância ao calor está associada a um baixo consumo líquido e a sensibilidade a um maior consumo.

Hábitos de pastejo

A temperatura influi ainda nos hábitos de pastejo dos ruminantes. Verifica que o bovino tem tendência a aumentar suas horas de pastejo noturno, quando ocorrem altas temperaturas diurnas.

A literatura cita, que vacas europeias pastam menos de 3 horas durante o dia, porém 3 vezes mais durante a noite, sob temperatura média diária oscilando de 29 a 32ºC e noturna de 21,5 a 27ºC, com temperatura média diária oscilando de 20 a 24ºC, e noturna de 14 a 18ºC; o pastejo durante o dia e de 2 a 3 vezes o tempo despendido nos dias quentes.

Estes resultados sugerem a necessidade de se adequar o manejo dos animais, para que o pastejo possa ser feito no maior número possível de horas e para que os animais desfrutem de sombras no período mais quente do dia.

Em síntese, a máquina-animal homeotérmica experimenta dificuldades para fazer a conversão de alimentos em utilidades no ecossistema de pasto nos trópicos, porque, ou não se adaptam ao calor, ou porque reduzem o consumo de matéria-prima alimentar ou ainda desviam a energia dos alimentos para outras funções prioritárias que não as de processo produtivo, mais ou menos acentuadamente de acordo com seus recursos anatomorfofisiológicos específicos, sugerindo ajustamentos estruturais e genéticos.

Gostou desse conteúdo? Saiba mais sobre estresse calórico através do curso: O desafio se melhorar a reprodução durante o estresse por calor. Você encontra esse e mais 150 cursos on-line na plataforma EducaPoint.

Adquira o curso individualmente ou ainda assine a plataforma EducaPoint, tendo acesso a todos os cursos disponíveis! Clique aqui para saber mais informações sobre os planos de assinatura!

Mais informações:

contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082

Fonte consultada:

Apostila de Bioclimatologia Animal, de Prof. Luís Fernando Dias Medeiros e Profa. Debora Helena Vieira, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.