FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

7 fatores que influenciam a quantidade e a qualidade do leite

EDUCAPOINT

EM 20/05/2019

0
0
Visando melhorar a qualidade do leite e seus produtos derivados o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), publicou no dia 30 de novembro de 2018, as Instruções Normativas (INs) 76 e 77, uma atualização da legislação brasileira para inspeção de leite e derivados.

Entender quais são os fatores que influenciam a quantidade e a qualidade do leite é essencial para que se possa diferenciar alterações no leite que são provenientes de fraude, o que se tornará ainda mais importante com a nova legislação.

Mas você conhece todos os principais fatores envolvidos nessa questão? Confira abaixo:

1) Espécie

A composição do leite de cada espécie varia de acordo com as necessidades do filhote. De forma geral, quanto mais rápido o desenvolvimento do filhote, maior é o teor de proteínas do leite.

No caso do leite bovino, sua composição é:

- 87% de água;
- 4,7% de açúcares;
- 3,8% de gordura;
- 3,2% de proteína;
- 0,9% de vitaminas e sais

2) Fatores genéticos

Os fatores genéticos são um dos mais determinantes na quantidade e composição do leite. Isso porque é o fator genético que vai determinar a porcentagem de diferenciação das células dos alvéolos secretores mamários de cada um dos animais.

Assim, animais especializados na produção de carne, como por exemplo, os animais da raça Hereford, durante o desenvolvimento da glândula mamária desses animais, 40% das células dos alvéolos mamários vão se diferenciar em células secretoras. Já uma raça especializada na produção de leite, como a raça Holandesa, 97% das células se diferenciam em células secretoras.

O que determina essa taxa de diferenciação é a genética de cada animal. Vale destacar que raças de maior produção produzem leite com menor quantidade de gordura e proteína, sendo que o componente que mais varia em relação ao fator genético é a gordura.

3) Fatores fisiológicos

No caso de fatores fisiológicos, incluem-se fração da ordenha, fase da lactação, idade do animal, gestação e cio.

Fração da ordenha

É determinante para a quantidade de gordura. O leite no começo da ordenha tem muito pouca gordura (cerca de 1%). Conforme a ordenha avança, a pressão nos alvéolos secretores diminui e a gordura consegue sair das células secretoras. Dessa forma, o leite ordenhado no final da ordenha tem uma concentração média de gordura de 11%. É por isso que é necessário fazer a ordenha completa, para que a composição de gordura do leite fique em torno de 3,5%.

Fases da lactação

As fases de lactação consistem em: leite de retenção, colostro e leite normal. O leite de retenção é a secreção que sai da glândula mamária 4 semanas antes do parto. Ele tem uma aparência de leite diluído e é um indicativo da lactação normal. Caso haja deficiência de manejo, não há a produção do leite de retenção.

O colostro é produzido de 4 a 7 dias após o parto. Ele possui quatro vezes mais contagem de células somáticas (CCS) do que o leite normal, mais proteína (embora em composição diferente que o leite normal), menos lactose e é mais ácido.

O leite normal começará a ser produzido 7 dias após o parto, sendo que sua composição passa a ser praticamente constante. Há leves alterações no início e no final da lactação, quando se observa maior teor de sólidos totais, principalmente pelo efeito da concentração.

Idade do animal

Em relação à idade, a produção aumenta até terceiro ou quarto parto. Já a porcentagem de gordura tende a diminuir com o avanço da idade. Além disso, a CCS tende a aumentar com a idade.

Gestação

O terço final da gestação é um momento conflitante, pois há dois tipos de estímulos: lactogênicos da prenhez e estímulos de involução mamária, pelo manejo de secagem da vaca. Quando há conflito há redução da quantidade de leite produzido. Isso se acentua a partir do quinto mês. Isso leva a um aumento da produção de gordura devido à concentração.

Cio

O cio, apesar de não influenciar diretamente a prolactina, o cio é um momento estressante com produção de adrenalina, levando à redução na produção do leite.

4) Fatores nutricionais

A nutrição é um dos fatores que mais influencia a composição do leite. Uma alimentação mal balanceada é responsável pela produção de leite com menor porcentagem de sólidos, gordura abaixo de 3%, crioscopia indicando água (quando se sabe com certeza de que não houve adição de água por fraude) e leite instável não ácido (LINA).

5) Fatores inerentes ao manejo de ordenha

O manejo de ordenha também é fundamental para a qualidade e composição do leite. O ideal é que o manejo seja tranquilo e promova o bem-estar dos animais, além de higiênico para evitar contaminação microbiológica. Também é necessário que se faça o controle individual e periódico de CCS e que se faça o esgotamento completo da glândula mamária.

6) Fatores ambientais e sazonais

O clima também altera a composição do leite. Períodos chuvosos muitas vezes se relacionam à má qualidade de higiene na ordenha, podendo haver aumento na contagem bacteriana total e na CCS. ALém disso, quando há troca de pastagens entre estações, podendo gerar algum déficit nutricional nos animais, também pode ocorrer o leite instável não ácido (LINA), o que acontece principalmente no outono.

Outro fator importante é o estresse térmico, que leva à menor ingestão de matéria seca, levando à redução na produtividade e na alteração da composição do leite.

7) Fatores patológicos

O principal fator patológico que influencia na quantidade e na composição do leite é a mastite, que pode levar à queda de até 20% na produtividade. Além disso, a composição do leite também é alterada, com queda de produção de gordura, proteína e lactose. Além disso, aumenta a quantidade de sais. As infecções crônicas também levam ao aumento do pH e à produção de um leite alcalino.

Outras doenças e manifestações clínicas também influenciam a quantidade a qualidade do leite produzido.

Nova legislação

Você sabe o mudou com a nova legislação? Como atender às novas exigências para produzir leite adequadamente?

Para ajudar você a entender a atualização da legislação e como se preparar para atender às novas normas, o EducaPoint acaba de lançar o novo curso on-line Inspeção de leite e derivados: legislação atualizada, onde o Prof. Dr. Rafael Fagnani, da UNOPAR, sintetiza as principais aplicações da IN 76 e IN77.

O curso aborda os principais aspectos do Compliance na cadeia agroindustrial do leite, com todos os procedimentos e normas desde a produção de leite cru, boas práticas na ordenha e as diferentes possibilidades de beneficiamento do leite e produtos lácteos. 

Confira  o convite do instrutor:




Ao final deste curso você estará capacitado a atender às exigências para produção de leite com qualidade e segurança alimentar e apto a interpretar laudos, identificar alterações e adulterações, além de ter conhecimentos técnicos que podem auxiliá-lo em testes e concursos na área de inspeção de leites e derivados. Clique aqui e acesse o conteúdo completo do curso.

Lembrando que você também pode optar pela assinatura semestral ou anual da plataforma EducaPoint, que lhe dará acesso ao conteúdo completo deste curso e de todos os demais cursos já lançados (mais de 145 temas!) durante o período de assinatura. Clique aqui e escolha seu plano.
 

Mais informações:

contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.