FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Eficiência reprodutiva

POR MARIA EMILIA FRANCO OLIVEIRA

PRODUÇÃO

EM 25/07/2012

1
0
A lucratividade de um sistema de produção animal está intimamente relacionada a eficiência reprodutiva do rebanho. Com base nesta afirmação discorreremos sobre a grande importância do desempenho reprodutivo na rentabilidade econômica e como este deve ser avaliado.

De modo simplista, os lucros da produção estão relacionados a disponibilização de seus produtos no mercado, bem como, dos custos para produzi-los. De acordo com o objetivo da criação, o custo e a oferta de leite, carne, pele e outros produtos marcarão o retorno financeiro. Os custos de produção são menores em sistemas que associam a otimização do processo e eliminação dos fatores relacionados às perdas. Para atingir este propósito há o envolvimento de vários segmentos de produção (por exemplo, sanidade, nutrição e reprodução) e, dentre eles, a eficiência reprodutiva é o parâmetro que, isoladamente, mais contribui para o aumento da produtividade.

A eficiência reprodutiva é determinada pela capacidade dos machos e fêmeas desempenharem, com plenitude, seu potencial de fertilidade, produzindo crias saudáveis. Por sua vez, a fertilidade é definida como a habilidade que a fêmea tem em produzir filhotes, incluindo a habilidade em apresentar estro, ovular, possuir condições favoráveis à fecundação, gestação e lactação. Obviamente, isto só é possível se considerarmos a fertilidade do macho, a qual está diretamente associada à qualidade e quantidade de sêmen. Inúmeros fatores extrínsecos aos animais exercem influencia sobre a fertilidade, como temperatura, fotoperíodo, nutrição, sanidade e manejo.

A base para uma boa performance reprodutiva é o gerenciamento zootécnico. O controle e anotação de todas as informações relacionadas ao processo auxiliarão na identificação dos custos de produção, dos lucros efetivos, e o mais importante, detecção das falhas do processo. De posse dos dados é possível diagnosticar e decidir, de forma precoce, as intervenções necessárias, evitando maiores prejuízos.

Existem inúmeros índices reprodutivos que auxiliam no controle do processo produtivo. Os principais são:

- Peso e idade à puberdade: medido em meses, retrata a idade e/ou peso em que o animal apresentou o primeiro estro com ovulação ou ejaculado com capacidade fecundante. Esse parâmetro pode ser calculado ainda pela idade em que o animal atingiu peso compatível com a reprodução (60-70% peso de fêmea adulta);

- Taxa de serviço: calculada pelo número de animais acasalados sobre os em reprodução. Indica os animais que efetivamente foram detectados em estro e cobertos ou inseminados. Este índice auxilia a avaliação da ciclicidade das fêmeas e a eficiência da detecção de estro;

- Taxa de prenhez: indica o percentual de fêmeas prenhez em relação aos animais em reprodução;

- Taxa de concepção: reporta o percentual de fêmeas prenhez sobre os animais que efetivamente foram acasalados por cobertura ou inseminação artificial. Quando comparada a taxa de prenhez, a concepção elimina os animais que não apresentaram ou que não foram identificados em estro, portanto, não acasalados;

- Serviço por concepção: calculado pela relação entre o número de fêmeas inseminadas sobre o número de animais prenhes. Pode ser utilizado com o objetivo de determinar a eficiência do método de acasalamento. A alta taxa de serviço por concepção indica que os animais forma acasalados muitas vezes para tornarem-se prenhes, por tanto, revela falhas na detecção de estro, momento inadequado do acasalamento, inseminação ineficiente, entre outras falhas de manejo ou patológicas;

- Período de serviço: intervalo entre o parto e a concepção, calculado em dias ou meses. Indica o período em que os animais estão vazios, influenciando diretamente sobre o intervalo entre partos. Influenciam diretamente este índice os fatores, taxa de ciclicidade do rebanho e o retorno a ciclicidade no pós-parto;

- Taxa de parição: percentual de fêmeas que pariram do total de animais expostos ao acasalamento;

- Perda gestacional: calculado pelo percentual de animais que não pariram após terem sido diagnosticados prenhez. A perda gestacional pode ser em decorrência da mortalidade embrionária ou fetal. Quanto mais precoce o diagnóstico de prenhez mais real será o calculo deste índice. É indicado ainda a repetição do diagnóstico durante a gestação, pois em caso de perda a fêmea pode ser reintroduzida ao lote em reprodução;

- Idade ao primeiro parto: a idade da fêmea ao primeiro parto influencia diretamente sobre seu potencial reprodutivo ao longo de sua vida;

- Intervalo entre partos: intervalo, em meses, entre um parto e outro subsequente; reflexo direto sobre a quantidade de borregos produzidos na propriedade ao longo do ano. A redução do intervalo de partos implica em diminuição do período improdutivo do animal e aumenta o número de crias por animal por ano;

- Período de gestação: intervalo em dias entre o acasalamento e o parto. A partir deste indicador é possível confirmar qual acasalamento resultou na prenhez;

- Número de parto/fêmea/ano: Quantidade de partos por fêmea a cada ano. Atualmente, em sistemas de produção de ovinos e caprinos, busca-se três partos a cada dois anos;

- Prolificidade: é definida pelo número de crias nascidas por parto. O número de borregos produzidos por fêmea pode ser aumentado pela seleção de raça e animais com alta prolificidade, representado pela maior frequência de partos múltiplos;

- Taxa de sobrevivência e taxa de desmame: indicam o número de animais nascidos vivos e que sobreviveram até o desmame. Este período é considerado o mais crítico no processo de produção de ovinos e caprinos. Vários fatores afetam a taxa de sobrevivência dos borregos, como peso ao nascer, tipo de nascimento e habilidade materna;

O cálculo dos índices reprodutivos é fundamental para intensificar a produção e melhorar a produtividade do rebanho. Quanto maiores os índices de medida da eficiência reprodutiva, maior o número de animais produzidos em um determinado período (por ano/por fêmea em fase de reprodução) e, dessa forma, menor será o custo de produção por kg de animal na fase de cria ou recria. Em resumo, uma alta eficiência reprodutiva significa, na maioria das vezes, menor custo de produção e maior rentabilidade.

Embora o gerenciamento seja uma ferramenta prática e eficaz, muitas propriedades ainda não a utilizam. A intensificação deste acompanhamento auxiliará no incremento produtivo da cadeia produtiva de ovinos e caprinos. Por fim, é importante frisar que a performance reprodutiva reflete em lucro ou prejuízo, determinando o futuro do empreendimento, sendo determinante seu acompanhamento.

Literatura consultada:

FONSECA, J. F.; BRUSCHI, J. H. Reprodução Assistida em Pequenos Ruminantes. Rev. Ciênc. Agrár. Belém, n° 43, jun. / jul. 2005. Suplemento.

FONSECA, J. F. Biotecnologias da Reprodução em Ovinos e Caprinos. Documentos 64. Sobral: Embrapa Caprinos, 30 p., 2006.

LIMA, G. F. C.; HOLANDA JUNIOR, E. V.; MACIEL, F. C.; BARROS, N. N.; AMORIM, M. V.; CONFESSOR JUNIOR, A. A. Criação familiar de Caprinos e Ovinos no Rio Grande do Norte - Orientações para viabilização do negócio rural. EMATER-RN/EMPARN/Embrapa Caprinos, 426p., 2006.

MARIA EMILIA FRANCO OLIVEIRA

www.mariaemilia.vet.br

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

PECUÁRIA BRASIL ASSESSORIA

SERTÃOZINHO - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 26/07/2012

Excelente artigo. Parabéns!