ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

A Nova Zelândia no sul do Chile

AGROEFICIENTE NZ

EM 10/05/2024

5 MIN DE LEITURA

0
8

Certamente você já ouviu falar sobre a eficiência da produção de leite Nova Zelândia, mas já imaginou como ela se adapta no Chile? Durante a jornada cobrindo o Field Days Latin America, tivemos a oportunidade de visitar algumas fazendas leiteiras e conversar com neozelandeses que aceitaram o desafio de transplantar tudo o que sabem para terras chilenas.

O Field Days evento organizado pela NZTE - New Zealand Trade and Enterprise, uma agência de desenvolvimento de negócios da Nova Zelândia, aconteceu na fazenda La Mosqueta da Agrícola dos Kiwis, do produtor Chris White. Para entender a mistura Nova Zelândia x Chile, conversamos com o Chris em busca de informações sobre o sistema.

Chris e sua família iniciaram sua jornada no Chile há mais de duas décadas. Venderam seus animais na Nova Zelândia e, junto de sua companheira Sue Connolly e seus filhos pequenos, migraram para o Chile. A jornada no leite chileno iniciou mais tarde, há pouco mais de 10 anos. Atualmente a Agropecuária dos Kiwis conta com três fazendas (El Copihue, Los Leones e La Mosqueta), com 400ha e 1.500 animais.

Chris White Fazenda Los Leones
Chris apresentando a história da Agropecuária dos Kiwis aos visitantes.

Perguntamos ao Chris qual foi o maior desafio ao iniciar a produção de leite no Chile. Segundo ele, foram as pessoas, em primeiro lugar: “É preciso ensiná-los a cultivar da mesma forma que cultivamos na Nova Zelândia. Ajudá-los a entender e acreditar no nosso sistema baseado em pastagens. No início, muitos olham para o pasto e acham que é só colocá-lo lá, mas não é tão simples assim. É preciso controlar o espaço por animal, a rotação e a movimentação ao longo do ano.”, enfatiza.

Chris destaca que, dos produtores e trabalhadores do leite chileno que acreditam na produção de leite a pasto, 100% apreciam o sistema e acreditam no uso da tecnologia neozelandesa para impulsionar a produção. “Alguns vão à Nova Zelândia, eles estudam sobre as tecnologias, voltam ao Chile e colocam em prática.”

Ele ressalta que o pasto é a alimentação mais econômica e isso influencia na escolha para o sistema. E que é importante a incorporação de tecnologias que gerem eficiência e com um baixo custo, como as da Nova Zelândia. “Nosso sistema é eficiente, nossos produtos (com tecnologia da Nova Zelândia) nos ajudam a sermos mais eficientes.”

Para entender melhor o sistema de produção neozelandês, visitamos a fazenda Los Leones e visualizamos como as coisas funcionam por lá. O primeiro ponto é a preocupação com a biosseguridade. 

Uso de botas descartáveis para biosseguridade

Todos os visitantes utilizam bota descartável para evitar uma possível entrada de patógenos, semente ou microrganismo indesejável.

Durante o tour, Sue Connolly nos apresentou a sala de ordenha, destacando o processo simples, mas eficaz. No momento da ordenha há oferta de concentrado para as vacas, na fazenda Los Leones são ordenhadas 192 vacas, no sistema 100% a pasto e uma produção média de 16,9 litros/vaca por temporada, com picos alcançando 20,5 litros por vaca.

ordenha dos white ordenha dos white
Sala de ordenha da fazenda Los Leones.

Devido ao uso de tecnologias e sistema neozelandeses, os 63 hectares de produção leiteira, contam com apenas um funcionário, que tem o apoio dos consultores técnicos da fazenda. Um agrônomo fica responsável pelo pasto e cultivos complementares. Todo o planejamento de produção é feito acompanhando a curva de crescimento do pasto.

O pasto trabalha com a carga de 3,5 U.A, e são usados azevém e trevo branco. Para complementar fazem cultivo de rutabaga em rotação como uma opção para vacas secas, chicória como forragem de verão e alternativa às daninhas, nabos para o final de dezembro.

Fertirrigação do pasto
Sistema de fertirrigação usado no pasto.

Um dos segredos neozelandeses, que garantem o sucesso da sua produção a pasto, é o conhecimento dos cultivos, da demanda nutricional das pastagens em cada estação, e de quanto ela pode oferecer aos animais. Além disso, o manejo correto dos tipos de pastagens e o uso das cercas elétricas garantem a eficiência da rotação nos pastos.

Quanto a genética do rebanho, buscam por “vacas pequenas, capazes de comer a maior quantidade de pasto possível e maximizar a produtividade.”, segundo Chris. Essas vacas seriam da genética Jersey e Kiwicross, que são atualmente usadas na fazenda.

Bezerras jersey
Bezerras da fazenda Los Leones.

As Jerseys garantirão os sólidos do leite e as Kiwicross foram introduzidas pensando em melhorar a eficiência e produtividade, sem prejudicar na quantidade de sólidos. É preciso enfatizar que a quantidade de sólidos é muito importante no sistema dos White, já que recebem pagamento baseado nessas quantidades.

Vacas fazenda Los leones vacas pastandoVacas Jerseys e kiwicross da fazenda Los Leones.

Paralelamente à Agropecuária Dos Kiwis, Chris White dedica-se à realização de projetos de consultoria para fazendas que desejam implementar o modelo neozelandês. Perguntamos a ele qual seria o primeiro passo para implementar essa mudança no Brasil.

Segundo Chris, o primeiro, e provavelmente o mais difícil, seria mudar a genética do rebanho. Para ele, as vacas holandesas não são tão eficientes para o sistema de pastejo, principalmente as que estão acostumadas a sistemas confinados, e afirma que eles já tentaram, e que levaram cerca de cinco anos para chegar na genética que possuem atualmente.

Chris White e família
Chris e família

Chris disse que realizou a troca na sua fazenda de forma gradual, vendendo os animais mais altos, trocando e selecionando características para vacas menores.

Outro processo demorado, mas extremamente necessário é a correção e fertilidade do solo. “Leva tempo, você não pode simplesmente colocar de uma vez tudo o que o solo precisa, é preciso fazer por etapas e assim como a genética, pode levar de quatro a cinco anos.”

Investir nas tecnologias certas, segundo Chris, ajudam num valioso recurso, o tempo. É uma equação onde eficiência e tempo se complementam para o sucesso da produção leiteira, seja na Nova Zelândia, no Chile ou, quem sabe, em terras brasileiras.
 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

Assine nossa newsletter

E fique por dentro de todas as novidades do MilkPoint diretamente no seu e-mail

Obrigado! agora só falta confirmar seu e-mail.
Você receberá uma mensagem no e-mail indicado, com as instruções a serem seguidas.

Você já está logado com o e-mail informado.
Caso deseje alterar as opções de recebimento das newsletter, acesse o seu painel de controle.

MilkPoint Logo MilkPoint Ventures